Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Resenha

      O dia vem chegando vagaroso e sorrateiro. Apaga-se uma lâmpada aqui; outra acolá e mais outra lá; e a iluminação do quarteirão vai ficando alaranjado, fundido pela claridade do dia. É como se a madrugada apagasse, juntamente com ela a iluminação artificial e ambas, dando lugar ao que é natural. Ainda é bastante cedo para o sol despertar, mas certamente ele se fará presente.
 Ao longe, os sabiá piam, enchendo os baixios de musicalidade. Um avião risca o céu com um jato de fumaça branca. Papagaios enfileirados deslocam-se. Saem cedo para aproveitar a fresca da aurora. Madrugar lhes confere menor dispêndio de energia. Uma parada rápida sobre as antenas espinhas de peixe. Com a linguagem que lhes é peculiar, falam qualquer coisa. Abrem as asas. Mantém altura. Prosseguem viagem. Vão se distanciando de onde dormiram. Por mais uma noite, escaparam dos predadores. Regressar ao galho / lar, somente no arrebol crepuscular vespertino; mas antes e com todos reunidos, farão a celebração resenhada do dia.
- Louvado seja quem nos deu asas para voar e os horizontes para serem explorados. Frutos, alimento e água é consequência da alegria de voar o espaço.
     Para os dignos e honestos, a sobrevivência diária representa uma batalha; e Eles encaram-a com bravura, perseverança e coragem.

Deus todo Poderoso,

       
Mutável Gambiarreiro
Enviado por Mutável Gambiarreiro em 09/11/2020
Reeditado em 09/11/2020
Código do texto: T7107265
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Sobre o autor
Mutável Gambiarreiro
Jegue é - Tovuz - Azerbaijão
3070 textos (68933 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 26/02/21 09:41)
Mutável Gambiarreiro