Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda


18/12/17 12:22 - Vitor Pereira Jr
Olá, pessoal!

Quando entramos no mundo da litaeratura, nossa vida muda. Tenho meu site onde  dividido com vocês algumas dicas rápidas sobre escrita.
Nesta postagem, falaremos sobre o PERSONAGEM.


Espero que gostem!
DICAS DE ESCRITA 3 – UM PERSONAGEM PARACADA ESTÓRIA
 http://www.vitorpereirajr.prosaeverso.net/blog.php
 
Sejam bem-vindos para deixar seus comentários e sugestões.
Abraços e até a próxima!
 
Vitor Pereira Jr.

 
18/12/17 11:29 - JUNIOR CAMPOS
Espiritualidade-enlevo



E chegamos a 100 curtidas. Agradeço a todos os amigos e amigas que estão em uníssono nessa vibração de energia para que as Santas Hierarquias irradiem sua luz por todo o planeta Terra e o Universo. Um grande abraço a todo(a)s. Que nosso objetivo seja a paz e a luz.

https://www.facebook.com/espiritualidadeenlevo/
18/12/17 10:50 - Josea de Paula
FELIZ NATAL...

Um natal feliz bem grande,

É o que mais, tal, se deseja
Á todos os transeuntes que
Se cruzaram pelos caminhos,
Uns passaram e nada disseram,
Nem um aceno pois fizeram,
Outros, acenaram e falaram,
Pararam para conversar e
Se quis saber do A B C de vida
De cada qual que se encontrara
Pelos caminhos traçados, esses,
Sendo curvos e difíceis ou também
Retos, leves e fáceis de se, sim,
De os percorrer, com coragem e fé...

                   FELIZ NATAL
                           E
                   ANO NOVO
                        AOS
                  RECANTISTAS
                           E
                    LEITORES
18/12/17 10:29 - MARIADAFLORPOESIA

BOM DIA E FELIZ SEMANA A TODOS!
MEU SONETO DE HOJE!

A RAPIDEZ DO TEMPO.
 
18/12/17 09:05 - João Carlos Hey
18/12/17 05:17 - Lobo Branco
É Natal novamente...o que te faria feliz então ?

Até quando ?
Dar ou receber ?
Até quando ?
Sonhar acordado e não saber ?
Dor sem ferida,
lagrima seca caída,
perder sua luz,
não achar seu brilho,
trilhar o caminho,
iluminado e sombrio,
caminhando correndo
e por vezes arrastando,
um turbilhão de porques
sem respostas
só apostas,
quem sou eu 
qual minha função,
nessa luz imersa
na escuridão,
o que te faria então,
feliz nesse dia ?
oh não, não,
é triste a rejeição,
vejo dor
em grande proporção,
não, o que é isso,
sangue ???
perderam o juízo ???
mas não faz
nenhum sentido,
me sinto sozinho
como doí a traição,
mas quem ama
sempre perdoa,
sempre espera
atarefado ou atoa,
amor não se explica
por você dou minha vida !!!
te amar é meu motivo
sem explicação, 
apenas isso,
só peço um dia 
estar contigo,
nem precisa me amar,
por agora 
basta me aceitar,
eu dou o primeiro passo.
sonho, você em meus braços,
o que te faria então,
feliz nesse dia ?
apenas um minuto,
o sol tocar a lua,
o tempo parar o luto,
ser livre enfim
apenas amar sem fim !
quem pode salvar,
espero salvador
creio no poder do amor !!!
um dia desses...
dois dias talvez, 
em três me reergo,
no quarto, da cruz
só cicatriz do prego, 
cinco dias é lindo de ver,
em seis o ser humano se fez !
sete eu descanso,
tudo pronto !
em sete outra vez
e assim de sete em sete
eterno se fez !
o que te faria então,
feliz nesse dia ?
Oh anjo supremo
em criação e redenção,
estrela de Davi
confirmação,
em seu eterno amor 
perdoas e salvas
todas as perdidas almas !
o que te faria então,
feliz nesse dia ?
em seus olhos olhar,
ver a imensidão a voar,
eterno e livre do mar !
Te Amo
e sempre vou te Amar !

( Lobo Branco)

Copyright: proibir a cópia, reprodução, distribuição, exibição, criação de obras derivadas e uso comercial sem a sua prévia permissão.
A proteção anticópia é ativada.
17/12/17 20:35 - Alexandre Ivanovski
244x206
O elefante e o sonho
Hoje sonhei que meu dente molar esquerdo doía muito e eu havia ido ao dentista. Chegando lá, encontrava outros cinco pacientes à espera na pequena saleta do consultório dentário. Todos tinham aparência bastante comum, se não fosse por um rapaz dentre eles muito magro que, a princípio, como meu dente doía muito, não prestei a devida atenção. 
De fato, no consultório do meu sonho havia um aquário com duas lagostas pronto para prender minha atenção. Também, para me distrair, grudada na parede atrás do balcão onde se sentava a secretária, que se vestia em um vestido branco vivo, havia um televisor sintonizado no canal das novelas da tarde. 
Minha dor era insuportável, mas como era uma emergência e não havia consulta agendada eu sabia que teria que esperar por um encaixe entre consultas. Não sei dizer em que momento no intervalo entre uma mirada na televisão e outra nas lagostas meus olhos cravaram na carne do homem muito magro que aguardava, como eu, atendimento.
Ele sentava-se na mesma fileira de cadeiras que eu, quase ao meu lado, ficando entre nós uma alemãzinha de olhos azuis que poderiam saltar de suas órbitas a qualquer momento. Eu vi o homem, então, de relance. No princípio ele era estranho por conta de sua extrema magreza. Não havia visto sua face. 
Como tudo em um sonho estranho só pode ser estranho, a secretária soltou uma gargalhada infernal, anunciando a entrada de Fräulein Strudell no consultório três. Ainda pensei: como por diabos poderia existir uma mulher com o sobrenome de comida? Strudell é um tipo de massa folheada! Mas eu sabia que sonhava.
Quando a alemãzinha já se havia levantado de meu lado e entrado para o atendimento, tentei ser simpático com o moço magricela, agora que não havia nada entre nós dois e podíamo-nos olhar face a face. Eu então abafei um grito, para não cometer uma grande indelicadeza: o rosto do homem pedia piedade para quem o visse.
Ele, talvez já muito acostumado com isso, adiantou-se oferecendo sua mão, quebrando qualquer mal-estar entre nós. E nós nos apresentamos: ele, “Hermógenes, encantado”. Eu, “Marcílio, muito prazer”. Por alguns segundos, não surgia qualquer palavra para quebrar nosso silêncio. Até que o jovem homem desfigurado rompeu com nossa mudez.
“Não te sintas mal, não é a primeira vez que alguém se espanta com minha aparência”. Disse ele. Eu tentei argumentar, mas minha voz simplesmente não saía de minha boca. E ele continuou, como um verdadeiro filósofo orador, “Isso que você vê foi obra de meu pai, muitos anos atrás”. E arrematou, “de fato, vem de quando eu era ainda criança”.
Eu já não prestava mais atenção em nada. Mesmo meu dente, que latejava, já não representava a maior preocupação para mim naquele consultório. Eu estava ávido por entender a fisionomia facial do meu novo amigo. Notei que ele não era pessoa de dar muitas voltas para dizer o que era necessário, então o deixei livre para que falasse.

A deformidade de Hermógenes era coisa de circo, como uma mulher barbada. Mas não era engraçado como a mulher do circo, ele era de fato perturbador. Da altura abaixo de seus olhos, seu nariz pendia junto com a face sobre a boca. De fato, de seu nariz restava apenas a lembrança de algo que deveria haver e não havia.
Uma analogia, talvez leviana, seria dizer que Hermógenes tinha cara de pênis. O nariz que pendia mole sobre a boca, e o par de bochechas protuberantes, faziam alusão ao órgão genital masculino. Eu enchi-me de curiosidade para saber a razão de sua deformidade severa, mas por não conseguir pronunciar nada fiz de mim todo ouvidos.
E Hermógenes continuou, “Já passei por situações que um ser humano não acredita possíveis”. E continuou, “Não faz muito tempo a filha de um rico comerciante teve um desfalecimento ao ver-me pela primeira vez. Contornado o incidente, e tendo seu pai me enchido de desculpas, ofereceram um emprego num pequeno e lucrativo negócio”.
“Tinha certeza de que o comerciante desejava tirar vantagem de minha diferença e sair-se bem para os de sua classe, como homem generoso que desejava ser. Aceitar uma aberração como eu, para lidar com seu comércio, era certamente ação de um homem de bom coração. Mas, como tudo que é feito sem verdade, seus planos falharam”.
“Em um mês de trabalho perdeu mais fregueses que pôde conquistar em um ano e, por esse motivo, o comerciante pediu a sua filha para presentear-me com uma modesta quantia de dinheiro e dispensar-me de meus préstimos. Como andava necessitando ir ao dentista, tomei o dinheiro de suas lindas mãos e despedi-me. E aqui estou hoje”.
Eu disse, “Mas...” Recuperava minha voz, “e como foi que teu pai um dia teria sido o protagonista de tamanho crime, desfigurando-o ainda criança”? Heródoto me respondeu, “Meu pai era um agricultor e um filósofo. Ele achatou-me o nariz com o cabo de um machado, mas não foi um ato de ódio, como algo feito por pura maldade”. 
“O bom filósofo que era pensava em minha longevidade. Havia perdido todos os irmãos muito cedo – vítimas de suas paixões – como lembrava-me meu pai. Por cautela, para que não me perdesse um dia no caminho da vida como fizeram meus tios, fez meu pai o trabalho em minha face de forma a que eu parecesse sempre humilde para os outros”.
“A minha face mutilada, de nariz esmagado, garante a humildade frente as pessoas. De fato, nunca passei frio ou fome vagando por esse mundo vasto, pois sempre encontrei uma alma piedosa que me oferecesse alimento ou um teto para descanso. Por isso, jamais odiei meu pai, embora nunca tenha tido oportunidade de agradecer pelo serviço”.
“Seu pai teve a chance de vê-lo quando moço, já homem de calças”? Perguntei. “Meu pai morreu no ano em que completei dezoito anos. Eu ainda não havia saído de casa e nada conhecia do mundo afora. Na noite em que deixou a mim, minha mãe e minhas duas irmãs, abraçou-me afetuosamente dizendo que um dia eu lhe compreenderia”. 

“Em casa, sempre fui tratado com normalidade. Enquanto vivi com meus parentes, não conheci o estranhamento do mundo. Confesso que, ao olhar-me no espelho, não possuía então nenhum sentimento de curiosidade sobre meu rosto. Um ou outro primo ria-se de mim, apontava para minha face deformada, mas de fato eu nada compreendia”.
“No ano em que fiz vinte anos, um inverno inclemente levou para a terra minha mãe e minhas duas irmãs de pneumonia. Sofri muito com a perda das duas. Meu tio mais velho chamou-me a si e, calmamente, explicou-me que aquele era o momento de minha partida. Era chegada a hora de juntar minhas coisas e ganhar o mundo”.
“No dia seguinte à conversa com meu tio fiz um bornal juntando algumas peças de roupa e dois envelopes com dinheiro da venda da casa de meus pais. Fui informado que na cidade grande encontraria ajuda de um velho conhecido da família, que me pagaria bem pelo trabalho na cozinha de seu restaurante”.
“Minha compleição física muito franzina e meus poucos estudos não permitiam que conseguisse trabalho melhor. E isso, sem mencionar minha deformidade, a minha carta de apresentação. Fui embora de casa em uma manhã fria, sem olhar para trás para não chorar de saudades. Isso faz hoje onze anos. Eu tenho trinta e um anos”.
Um pequeno periquito que pousara nas mãos da secretária calou o relato de Hermógenes. A secretária beijava o bico do passarinho enquanto lhe acariciava a cabeça com o dedo indicador; e soltava as gargalhadas terríveis. Pensando bem, a mulher tinha cara de orgasmo. Era lívido seu semblante e o caso com o periquito era quente. 
“Pois então”, disse-lhe eu, “Estou encantado em conhecê-lo e saber de sua história”. O passarinho então voou da mão da moça e sobrevoou o lugar; mas retornou para a mão de sua dona e ela ofereceu a ele novamente mil carícias. Foi aí que alguma coisa me lembrou da dor de dente insuportável que eu sentia. Mas eu ainda sonhava.
Com força, deixando de lado a dor, inclinei-me para Hermógenes suplicando para que falasse mais de sua história. Já compreendia como veio ao mundo, a deformidade que como favor lhe fora feita, o dinheiro que recebera do comerciante para tratar dos dentes, mas não o que planejava fazer de ali por diante. Hermógenes era um elefante.
Mas, assim que o homem se preparava para falar, a secretária soltou outra gargalhada e anunciou a entrada do Sr. Hermógenes no consultório um. Ele passou por mim com calma e ofereceu-me sua mão pela última vez. Apertei-a. Depois que entrou, procurei em vão pelos outros três pacientes da sala de espera. Mas parece que me equivocara.
Sozinho com a secretária, as lagostas e o periquito que se lançava em mais um voo, senti-me só. E senti meu corpo ser tomado de assalto novamente pela dor de dentes, acordando em minha cama logo em seguida. Corri para o telefone para marcar consulta e lembrei-me de Hermógenes. Ele existiria?
Texto de Alexandre Ivanovski. 110x101
Visite minha página:
www.recantodasletras.com.br/autor_textos.php?id=64408 
17/12/17 19:10 - Espirito Santo
                          CASAMENTO / SEXO...


clique no nome (Espirito Santo) acima citado / clique em (TEXTOS) / clique no (TOPICO) / Leia / Medite e deixe seu comentário ! Paz e Bem !
17/12/17 18:17 - Silvino Potêncio

Fui conversar com as rosas, 
Que eu tenho no meu Jardim... 
- Elas, então muito cheirosas, 
Cheias de um Perfume sem fim, 
Posaram nuas e tão dengosas
Debaixo de um sol tropical, 
Que me faziam sombra de mim. 

Fui revelar esta pose, 
Mas parei quase intrigado,
Digo até, admirado!?... 
Como é que a rosa tem sombra,
Se não está ao meu lado?!,
Se o sol já se foi e eu inclinado,
Vejo uma sombra colorida,
Da rosa que já teve vida...
- Aquela que eu já vivi,
Ao colher o perfume de ti!  
(in : "POESIAS SOLTAS " ) 
Autor: Silvino Potêncio
Emigrante Transmontano em Natal/Brasil 


Nota do Autor : a foto é absolutamente real e sem foptoshopping. 
17/12/17 17:15 - Socorro Bessa
Natal de Paz e Brilho
Hoje despertei do sonho mais lindo, sonhei com pétalas de flores irradiadas de luz, caindo sobre a humanidade, cuja luz transmitia significados harmônicos de amor e paz. Os quais inundavam o universo com seus sentidos magnificentes.
Sonhei com o sol desejoso de aquecer intensamente com seu calor este dia.
Sonhei com o luar mais belo, mais prateado, cheio de fascínio e encantamento, ansiando  extasiar e enlevar com sua beleza o anoitecer.
Sonhei com as estrelas mais brilhantes pretendendo abrilhantar de maneira especial esta noite.
Sonhei com um facho de luz declamando em forma de poesia: Hoje é o dia mais feliz! porque surgi o amor maior, incondicional e  infinito, no esplendor do Poder do Criador “Deus” que se faz presente no olhar Sereno de uma Criança. Portanto, hoje é o dia mais iluminado; mais  prodigioso; mais  portentoso; mais excepcional; mais fenomenal; mais extraordinário;  enfim, mais esplendido. Pois renasce a esperança e o  amor, de modo que uma alegria contagiante invade nossos corações. Hoje é dia de paz!  E, é por isto que todas as luzes brilham de forma  deslumbrante, e a alegria transforma-se numa  transparente  e sublime  realidade  para anunciar a Grandeza da Majestade Suprema   “Deus,” através do nascimento do Menino Jesus. É  Natal!
17/12/217
Socorro Bessa
 
 
17/12/17 16:50 - Ilda Maria Costa Brasil
Gifs - Gifs de natal e ano novosão os votos de Ilda Maria Costa Brasil
17/12/17 16:29 - fchagass
SERÁ ESSENCIAL TER LUZ NO FIM DO TÚNEL ...
 
No texto (anterior), eu disse: EM BUSCA DE LUZ NO FIM DO TÚNEL 2... eu disse:
 
SE PENSAR, LER E ESCREVER NÃO DEVIAM FAZER PARTE DA EXISTÊNCIA DO SER HUMANO, TIVEMOS QUE REVER CONCEITOS E VALORES, PORQUE O EXCESSO DE FALTA DE ÉTICA E DE OUTRAS COISAS QUE DENIGREM  A ESPÉCIE HUMANA COMO O EXCESSO DE FUTILIDADES E DE  SUPERFICIALIDADES EM NOSSA ÉPOCA, DEMONSTRAM QUE O SER HUMANO NÃO SABERIA O QUE QUER, PORQUE AO INVÉS DE LER SOBRE A HISTÓRIA DA CAMINHADA DAS ORIGENSD ASO MOMENTO ATUAL, ACHA MELHOR VIVER DE FAZ DE CONTA...
 
EM MEIO AO ENTULHO (DE INUTILIDADES) NO MUNDO EM NOSSA VOLTA, ENTENDI HÁ ALGUM TEMPO QUE ESTAMOS VIVENDO A ÉPOCA PÓS-SUPERFICIAL...
 
NÃO LI EM LUGAR ALGUM, NEM ASSISTI ALGUM VÍDEO NEM OUVI FALAR EM ÉPOCA PÓS–SUPERFICIAL EM QUE SE USA TAL EXPRESSÃO, MAS DEVO TER CRIADO ESSA EXPRESSÃO QUE USO EM ALGNS DOS MEUS ESCRITOS, ASSIM COMO USO A EXPRESSÃO MEU ACHÔMETRO CONSCIENTE QUE CONVIVIA COM UM AMIGO QUE A CITAVA SEMPRE - O AMIGO JOSIVAN, PASTOR IPB EM LAJEDO PE...
 
Busco UMA LUZ NO FIM DO TÚNEL, especialmente nesse momento em que o ser humano alcançou o estágio de inutilidade em todas as áreas da vida...
 
QUE DEUS EM SUA SOBERANA GRAÇA E MISERICÓRDIA NOS PERDOE E TENHA MISERICÓRDIA DE NÓS!!!
 
Certamente, em meio a tantos desajustes pode ser o momento de olhar pra DEUS, e buscar SUA infinita  graça com a disposição necessária para prosseguir...
 
Continuando, direi:
 
Como é comum, espero interação, no sentido de analisar o alcance da mensagem e direcionar as próximas opiniões sobre a questão...
 
Considerando que em poucas horas haviam visitas, leituras e comentários, achei por bem expressar por escrito a gratidão que estava sentindo: 
 
Agradeço por cada visita!!! Saber que alguém leu, nos conduz à certeza e convicção que estamos todos procurando disposição pra insistir ter esperanças, força e coragem, os principais ingredientes de cultivar uma sociedade menos injusta e menos desumana. DEUS abençoe a todos e nos conceda em 2018 as condições necessárias para desfrutarmos esse tipo de sociedade menos injusta e menos desumana.
 
Lembro que, certa vez estava responsável pelo portão da escola onde cumpria expediente e, sabendo que uma aluna de nome semelhante a duas colegas de classe, sentia–se inferior por fazer parte de camada social inferior a de uma das colegas de mesmo nome, além do fato de ter sua mãe como doméstica e descasada, tentei estimular, dizendo que em nossa época, a pessoa pode até escrever e postar seus escritos de forma que outras pessoas poderão interagirem com você...
 
Ouvi como resposta, o seguinte: “alguém poderá copiar o que você disse e publicar como se fosse o autor”...
 
Fiquei analisando a questão e, pensando bastante sobre isso, entendi que o maior problema de muita gente não seria sentir–se inferior aos outros, mas o medo de ser visível e sendo visível ser imitado por outras pessoas... Necessário se faz que as pessoas tenham coragem de serem como são (no bom sentido), ao mesmo tempo em que busquem o auto-aperfeiçoamento possível que poderá ser melhor pra si e pra outras pessoas... 
 
Será preciso que a pessoa procure aproveitar todas as oportunidades que tiver, tendo em vista poder ajudar outras pessoas... Por exemplo: Sempre gostei de pensar e de descrever o que penso... Em dois mil e sete, comecei a postar textos nesse espaço do recanto das letras – não imaginava ir muito longe como escritor evangélico, mas imaginava que ficaria complicado não expor aos leitores esse detalhe... Assim, o primeiro texto: RECOMEÇO foi uma forma poética de contar o que me levou a ter JESUS como O SENHOR E MANTENEDOR DA VIDA...
 
Suponhamos que alguém fosse copiar a idéia e publicar como sua...
 
Ou seja: existem idéias na mente que, poderão impedir o avanço e, com o tempo a gente passará a culpar outras pessoas, lugares, fatos, etc, sem nos darmos conta que o problema a impedir o avanço estava com nosso próprio coração!!!
 
Como se pode ver, são pequenos detalhes, características, etc que poderão ser usados para cultivarmos conceitos...
 
Como disse, certa vez estava responsável pelo portão da escola onde cumpria expediente...
 
Não seria porteiro da escola, mas, como servidor público estadual do quadro de outra empresa (de outra secretaria), quando perguntei à diretora da escola se poderia pedir pra ficar à disposição (da escola), disse que aceitaria desempenhar variadas funções e, assim, teve momentos que a necessidade era  substituir algum professor (em sala de aula), algum outro funcionário (como foi o caso de porteiro, naquele dia) e alguém da secretaria da escola que fazia o trabalho burocrático... A verdade é que, muito aprendi sobre uma área que nunca ocupara (contato com alunos) de variadas partes da cidade...
 
ASSIM, TIVE MUITAS EXPERIÊNCIAS NUMA ÁREA QUE NÃO CONHECIA E, AQUILO ME DEU CONDIÇÕES DE ESCREVER SOBRE OS MAIS VARIADOS ASSUNTOS COM EXPERIÊNCIA NA ÁREA, COMO FALAR SOBRE ISSO COMO UMA LUZ NO FIM DO TÚNEL...
 
Continuando direi duas ou três coisas:
 
PRIMEIRA:
Será essencial ter luz no fim do túnel, mas o desafio é crer que haverá luz no final do túnel porque faremos com que exista um túnel onde colocarão uma luz que poderá ser visível há quem precise cainhar nesse túnel...
 
SEGUNDA:
É preciso ter experiências em diferentes áreas (que ainda não seriam por nós) conhecidas) – essas experiências poderão nos darem as condições que precisaremos (para escrever sobre os mais variados assuntos com experiência na área) aconteceu comigo, o que não implicará ser requisito essencial – na época não imaginava chegar aonde cheguei, e falar sobre isso como uma luz no fim do túnel...
 
TERCEIRA:
O primeiro passo será trabalhar a partir do que somos, de onde estamos – Sempre tive o sonho de escrever e publicar livros... Hoje, entendo que o problema não será escrever, mas, falar de forma a ser ouvido e entendido, a partir do que se pode (ou não) interagir cm outras pessoas, sem que isso dependa da opinião específica de alguém...
 
Por exemplo, o segundo texto postado, aqui no recanto das letras: O AUTOR PELO AUTOR – um texto biográfico, está sendo transformado em vários livros, por fase da vida, onde iremos procurar estimular nas pessoas, o desenvolvimento da capacidade por DEUS concedida de serem AUTORES E ATORES DA HISTÓRIA NAS FASES DA VIDA!!!
 
EM OUTRAS PALAVRAS, ISSO TEM TUDO A VER COM PENSAR, LER E TRANSFORMAR EM PALAVRAS O QUE SE PENSA...
17/12/17 15:50 - Rubens Jardim

QUANDO A NATUREZA FAZ AMOR

A flor estremece
De gozo
Com o beijo
Do beija-flor
O vento levanta
Eufórico as águas
Que arrepiam
Em finas vagas
O mar molha
Salga
A encosta
Com sua língua
A lua cintila
Com a faixa de sêmen
Que o mar
Ejacula
O sol se excita
Em rijos raios
Que penetram
Úmidas matas
A floresta
Cheira a sexo
Do orvalho
Da manhã
No orgasmo das nuvens
A chuva chora
E o silêncio dorme
A terra
Quando a natureza faz amor


(poema de ROSÁLIA MILSZJATN poeta carioca, é médica e psicanalista. Publicou cinco livros de poesias. O último, Esse Recorte(Patuá, 2014), conquistou o Prêmio Literário Nacional do Pen Clube do Brasil de 2016. Em 1999 venceu o Prêmio SESC de Poesia do Estado do Rio de Janeiro. Além de Antologias, seus poemas foram publicados em jornais e revistas como Poesia Sempre, Revista Agulha, Jalons (Nantes, França), revista CULT e outras. Rosalia Milsztajn está na 101ª postagem de AS MULHERES POETAS...Se quiser ler mais, clique no link http://www.rubensjardim.com/blog.php?idb=52289
17/12/17 11:19 - Vitor Pereira Jr
Olá, pessoal!

Quando entramos no mundo da litaeratura, nossa vida muda. Tenho meu site onde  dividido com vocês algumas dicas rápidas sobre escrita.
Nesta postagem, falaremos sobre o PERSONAGEM.


Espero que gostem!
DICAS DE ESCRITA 3 – UM PERSONAGEM PARACADA ESTÓRIA
 http://www.vitorpereirajr.prosaeverso.net/blog.php
 
Sejam bem-vindos para deixar seus comentários e sugestões.
Abraços e até a próxima!
 
Vitor Pereira Jr.
 
17/12/17 10:10 - alexsandra mozer
O AMOR

O amor não se explica
O amor acontece
Com encontro de olhares
No momento inesperado
É o morder dos lábios
Ao ver e respirar
O ar da pessoa amada
Amor não se explica
Simplesmente acontece
Ao desejo do corpo
No simples tocar
É o olhar para o pôr do sol
Sentindo o coração bater
Disparadamente por não te ter
É o sentir o perfume de uma rosa
Buscando teu cheiro
É ver casais se beijando
Lembrando de lindos e eternos momentos
Por isso:
O Amor não se explica
Ele surgi e permanece
Pois o amor não se acaba
Ele simplesmente adormece
E apenas com um susurro
Da pessoa amada
Ele desperta
Por isso que:
O amor não se explica

Ele simplesmente acontece...

 
17/12/17 10:09 - rodinhas
Convido-os a conhecerem e seguirem meu blogue:

http://homemplastico.blogspot.pt/


Muito obrigado
17/12/17 02:19 - F Bernardo
Boa noite agradeço a todos
Que visitam minha página e
​​​​​ecomentam meus textos meu
​​​​​​, muito obrigada.
17/12/17 01:21 - Jair F da Silva Jr
CONVIDO-OS A LEREM MEU NOVO POEMA INTITULADO "DOLORES NOVI DOMINATRIX MUNDI", VEJAM:

http://www.escrevendobelasartes.com/visualizar.php?idt=6198538

Os comentários serão bem-vindos, e não esqueçam de assinar o Livro de Visitas do meu Site do Escritor! Um grande abraço e obrigado pela leitura!

16/12/17 22:02 - ROBERTO BARROS XXI
ROBERTO BARROS XXI
E-livros11/11/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Frases11/11/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Artigos > Literatura10/11/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Cotidiano10/11/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Fábulas06/11/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Fábulas06/11/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Cartas20/10/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Cotidiano13/10/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Amor06/10/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Amor06/10/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Causos05/10/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Causos05/10/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Fábulas05/10/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Surreais04/10/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Causos04/10/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Mistério04/10/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Fábulas03/10/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Causos03/10/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Fábulas03/10/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Biografias02/10/17
16/12/17 21:55 - Júlia Poubel
 Confiram meu novo poema em Espanhol(La Muerte)...
  

  TRADUÇÃO: Uma vez, pensei que a morte era o
fim do mundo. Mas percebi que só bastou conhecer O
AMOR  para que a minha teoria morresse.heart
16/12/17 17:35 - Espirito Santo
                UNIVERSO / ACREDITAR

clique nonome (Espírito Santo) acima citado / clique em (TEXTOS) / clique no (TOPICO) / Leia / Medite e deixe seu comentário !
16/12/17 16:16 - Silvino Potêncio



Eu  Contemplei a madrugada !... (007)
 
Contemplei a madrugada... (tão desabrida)
  Vi como o sol se desprende das trevas,
    Vi as estrelas fugirem dos céus;
Acordei para mais um dia de vida,
   - Quando a manhã surgiu entre névoas.
Guardei recordações dos sonhos em véus!,...

Contemplei a madrugada... (e que momento!!!)
  Que vem depois de uma noite perdida,
    Daquelas em que o amor procura cobaias,
      Sedentas do mais puro sentimento
       Procurando nelas as novas guaridas
         E apenas encontra o som de um lamento!
 
***************
 
De Novo... Eu  Contemplei a madrugada !...
 
Contemplei a madrugada... (para escutar )
    Gemidos de flores que ao desabrochar,
     Atraem insectos que andam no ar...
      Ocupam o espaço com o seu bom aspecto,
          Transpiram beleza como o sol  do alvor,
            Que aquece e ilumina os cantos da terra, 
            E oferecem seu seio sem luta nem repto!...
 Eu Contemplei a madrugada... (e senti)
    Senti que o frio corria ao redor,
      Passando por mim como flecha doirada,
       Trazendo-me paz  numa carta fechada.
          Lançada por arco e mãos do Senhor!...
           Renovando-me forças para um novo amor.
 
(in: POEMAS DE ANGOLA – “EU, O PENSAMENTO, A RIMA”)
De: Silvino Potencio – Emigrante Transmontano em Natal/Brasil
 
16/12/17 15:51 - Sandra Fayad Bsb
"EU, VISIONÁRIA?"  É um poeminha de amor. Dá uma olhada aqui: 

https://www.recantodasletras.com.br/poesiasdeamor/6102761
16/12/17 15:30 - LCoelho
Boa tarde!
Amigos(as) do recanto.
Visitem a página 
http://www.magiadanatureza.recantodasletras.com.br/visualizar.php?idt=6171662
E vejam a nova Poesia 
"O que é o amor?".
E as 1284 fotos feitas por LCoelho
" Magia da Natureza ".

E também ela recitada pelo autor e publicada no
YouTube.
https://www.youtube.com/watch?v=730OewBXZ7Y.
 
16/12/17 14:58 - Mystika




CONHEÇA E DIVULGUE, BRASIL!

http://www.dezmedidas.mpf.mp.br/

Apoiadíssimo o PL das dez medidas contra a corrupção divulgado pelo MPF! Prender corruptos e recuperar a riqueza pública desviada para privada dos traidores/bandidos/terroristas que atacam nosso BRASIL!!

http://www.dezmedidas.mpf.mp.br/
Obs.: para acessar o link acima, digite o endereço no seu navegador  
ou 
1) selecione o link acima - 2) aperte o botão esquerdo do mouse,  3) escolha a pesquisa  e, na página da pesquisa, 4) clique no endereço eletrônico correspondente ao acima referido)
16/12/17 14:55 - Lindalva
E quem for suficientemente feliz nesta vida;
                                          que atire a primeira pétala.
16/12/17 12:43 - Regina Madeira

 
MENSAGEM PARA OS AMIGOS RECANTISTAS

https://www.recantodasletras.com.br/mensagens-de-natal/6200423 

Obrigada pela sua visita.

Regina Madeira
"imagem do Google"


 
16/12/17 12:22 - fchagass
SERÁ ESSENCIAL TER LUZ NO FIM DO TÚNEL ...
 
No texto (anterior), eu disse: EM BUSCA DE LUZ NO FIM DO TÚNEL 2... eu disse:
 
SE PENSAR, LER E ESCREVER NÃO DEVIAM FAZER PARTE DA EXISTÊNCIA DO SER HUMANO, TIVEMOS QUE REVER CONCEITOS E VALORES, PORQUE O EXCESSO DE FALTA DE ÉTICA E DE OUTRAS COISAS QUE DENIGREM  A ESPÉCIE HUMANA COMO O EXCESSO DE FUTILIDADES E DE  SUPERFICIALIDADES EM NOSSA ÉPOCA, DEMONSTRAM QUE O SER HUMANO NÃO SABERIA O QUE QUER, PORQUE AO INVÉS DE LER SOBRE A HISTÓRIA DA CAMINHADA DAS ORIGENSD ASO MOMENTO ATUAL, ACHA MELHOR VIVER DE FAZ DE CONTA...
 
EM MEIO AO ENTULHO (DE INUTILIDADES) NO MUNDO EM NOSSA VOLTA, ENTENDI HÁ ALGUM TEMPO QUE ESTAMOS VIVENDO A ÉPOCA PÓS-SUPERFICIAL...
 
NÃO LI EM LUGAR ALGUM, NEM ASSISTI ALGUM VÍDEO NEM OUVI FALAR EM ÉPOCA PÓS–SUPERFICIAL EM QUE SE USA TAL EXPRESSÃO, MAS DEVO TER CRIADO ESSA EXPRESSÃO QUE USO EM ALGNS DOS MEUS ESCRITOS, ASSIM COMO USO A EXPRESSÃO MEU ACHÔMETRO CONSCIENTE QUE CONVIVIA COM UM AMIGO QUE A CITAVA SEMPRE - O AMIGO JOSIVAN, PASTOR IPB EM LAJEDO PE...
 
Busco UMA LUZ NO FIM DO TÚNEL,             especialmente nesse momento em que o ser humano alcançou o estágio de inutilidade em todas as áreas da vida...
 
QUE DEUS EM SUA SOBERANA GRAÇA E MISERICÓRDIA NOS PERDOE E TENHA MISERICÓRDIA DE NÓS!!!
 
Certamente, em meio a tantos desajustes pode ser o momento de olhar pra DEUS, e buscar SUA infinita  graça com a disposição necessária para prosseguir...
 
Continuando, direi:
 
Como é comum, espero interação, no sentido de analisar o alcance da mensagem e direcionar as próximas opiniões sobre a questão...
 
Considerando que em poucas horas haviam visitas, leituras e comentários, achei por bem expressar por escrito a gratidão que estava sentindo: 
 
Agradeço por cada visita!!! Saber que alguém leu, nos conduz à certeza e convicção que estamos todos procurando disposição pra insistir ter esperanças, força e coragem, os principais ingredientes de cultivar uma sociedade menos injusta e menos desumana. DEUS abençoe a todos e nos conceda em 2018 as condições necessárias para desfrutarmos esse tipo de sociedade menos injusta e menos desumana.
 
Lembro que, certa vez estava responsável pelo portão da escola onde cumpria expediente e, sabendo que uma aluna de nome semelhante a duas colegas de classe, sentia–se inferior por fazer parte de camada social inferior a de uma das colegas de mesmo nome, além do fato de ter sua mãe como doméstica e descasada, tentei estimular, dizendo que em nossa época, a pessoa pode até escrever e postar seus escritos de forma que outras pessoas poderão interagirem com você...
 
Ouvi como resposta, o seguinte: “alguém poderá copiar o que você disse e publicar como se fosse o autor”...
 
Fiquei analisando a questão e, pensando bastante sobre isso, entendi que o maior problema de muita gente não seria sentir–se inferior aos outros, mas o medo de ser visível e sendo visível ser imitado por outras pessoas... Necessário se faz que as pessoas tenham coragem de serem como são (no bom sentido), ao mesmo tempo em que busquem o auto-aperfeiçoamento possível que poderá ser melhor pra si e pra outras pessoas...  
 
Será preciso que a pessoa procure aproveitar todas as oportunidades que tiver, tendo em vista poder ajudar outras pessoas... Por exemplo: Sempre gostei de pensar e de descrever o que penso... Em dois mil e sete, comecei a postar textos nesse espaço do recanto das letras – não imaginava ir muito longe como escritor evangélico, mas imaginava que ficaria complicado não expor aos leitores esse detalhe... Assim, o primeiro texto: RECOMEÇO foi uma forma poética de contar o que me levou a ter JESUS como O SENHOR E MANTENEDOR DA VIDA...
 
Suponhamos que alguém fosse copiar a idéia e publicar como sua...
 
Ou seja: existem idéias na mente que, poderão impedir o avanço e, com o tempo a gente passará a culpar outras pessoas, lugares, fatos, etc, sem nos darmos conta que o problema a impedir o avanço estava com nosso próprio coração!!!
 
Como se pode ver, são pequenos detalhes, características, etc que poderão ser usados para cultivarmos conceitos...
 
Como disse, certa vez estava responsável pelo portão da escola onde cumpria expediente...
 
Não seria porteiro da escola, mas, como servidor público estadual do quadro de outra empresa (de outra secretaria), quando perguntei à diretora da escola se poderia pedir pra ficar à disposição (da escola), disse que aceitaria desempenhar variadas funções e, assim, teve momentos que a necessidade era  substituir algum professor (em sala de aula), algum outro funcionário (como foi o caso de porteiro, naquele dia) e alguém da secretaria da escola que fazia o trabalho burocrático... A verdade é que, muito aprendi sobre uma área que nunca ocupara (contato com alunos) de variadas partes da cidade...
 
ASSIM, TIVE MUITAS EXPERIÊNCIAS NUMA ÁREA QUE NÃO CONHECIA E, AQUILO ME DEU CONDIÇÕES DE ESCREVER SOBRE OS MAIS VARIADOS ASSUNTOS COM EXPERIÊNCIA NA ÁREA, COMO FALAR SOBRE ISSO COMO UMA LUZ NO FIM DO TÚNEL...
 
Continuando direi duas ou três coisas:
 
PRIMEIRA:
Será essencial ter luz no fim do túnel, mas o desafio é crer que haverá luz no final do túnel porque faremos com que exista um túnel onde colocarão uma luz que poderá ser visível há quem precise cainhar nesse túnel...
 
SEGUNDA:
É preciso ter experiências em diferentes áreas (que ainda não seriam por nós) conhecidas) – essas experiências poderão nos darem as condições que precisaremos (para escrever sobre os mais variados assuntos com experiência na área) aconteceu comigo, o que não implicará ser requisito essencial – na época não imaginava chegar aonde cheguei, e falar sobre isso como uma luz no fim do túnel...
 
TERCEIRA:
O primeiro passo será trabalhar a partir do que somos, de onde estamos – Sempre tive o sonho de escrever e publicar livros... Hoje, entendo que o problema não será escrever, mas, falar de forma a ser ouvido e entendido, a partir do que se pode (ou não) interagir cm outras pessoas, sem que isso dependa da opinião específica de alguém...
 
Por exemplo, o segundo texto postado, aqui no recanto das letras: O AUTOR PELO AUTOR – um texto biográfico, está sendo transformado em vários livros, por fase da vida, onde iremos procurar estimular nas pessoas, o desenvolvimento da capacidade por DEUS concedida de serem AUTORES E ATORES DA HISTÓRIA NAS FASES DA VIDA!!!
 
EM OUTRAS PALAVRAS, ISSO TEM TUDO A VER COM PENSAR, LER E TRANSFORMAR EM PALAVRAS O QUE SE PENSA...
16/12/17 10:58 - JUNIOR CAMPOS
16/12/17 10:17 - João Carlos Hey
16/12/17 09:58 - João Adolfo Guerreiro
15/12/17 23:58 - Phellipe Marques
POR ISSO AMO (Phellipe Marques)

Meus sonhos permanecem intactos, o brilho que me revela, a noite que nunca cessa, o verso que sempre escrevo.

Minha base é forte!

Sustenta a velha casa do meu coração, um templo pouco conhecido, adentrado, iluminado.
 
13.09.2007 –
Senti bater no peito/Ploque, ploque, deste jeito/ Coração disparado/ O despertar do apaixonado.
15/12/17 20:03 - Alexandre Ivanovski
244x206
O elefante e o sonho
Hoje sonhei que meu dente molar esquerdo doía muito e eu havia ido ao dentista. Chegando lá, encontrava outros cinco pacientes à espera na pequena saleta do consultório dentário. Todos tinham aparência bastante comum, se não fosse por um rapaz dentre eles muito magro que, a princípio, como meu dente doía muito, não prestei a devida atenção. 
De fato, no consultório do meu sonho havia um aquário com duas lagostas pronto para prender minha atenção. Também, para me distrair, grudada na parede atrás do balcão onde se sentava a secretária, que se vestia em um vestido branco vivo, havia um televisor sintonizado no canal das novelas da tarde. 
Minha dor era insuportável, mas como era uma emergência e não havia consulta agendada eu sabia que teria que esperar por um encaixe entre consultas. Não sei dizer em que momento no intervalo entre uma mirada na televisão e outra nas lagostas meus olhos cravaram na carne do homem muito magro que aguardava, como eu, atendimento.
Ele sentava-se na mesma fileira de cadeiras que eu, quase ao meu lado, ficando entre nós uma alemãzinha de olhos azuis que poderiam saltar de suas órbitas a qualquer momento. Eu vi o homem, então, de relance. No princípio ele era estranho por conta de sua extrema magreza. Não havia visto sua face. 
Como tudo em um sonho estranho só pode ser estranho, a secretária soltou uma gargalhada infernal, anunciando a entrada de Fräulein Strudell no consultório três. Ainda pensei: como por diabos poderia existir uma mulher com o sobrenome de comida? Strudell é um tipo de massa folheada! Mas eu sabia que sonhava.
Quando a alemãzinha já se havia levantado de meu lado e entrado para o atendimento, tentei ser simpático com o moço magricela, agora que não havia nada entre nós dois e podíamo-nos olhar face a face. Eu então abafei um grito, para não cometer uma grande indelicadeza: o rosto do homem pedia piedade para quem o visse.
Ele, talvez já muito acostumado com isso, adiantou-se oferecendo sua mão, quebrando qualquer mal-estar entre nós. E nós nos apresentamos: ele, “Hermógenes, encantado”. Eu, “Marcílio, muito prazer”. Por alguns segundos, não surgia qualquer palavra para quebrar nosso silêncio. Até que o jovem homem desfigurado rompeu com nossa mudez.
“Não te sintas mal, não é a primeira vez que alguém se espanta com minha aparência”. Disse ele. Eu tentei argumentar, mas minha voz simplesmente não saía de minha boca. E ele continuou, como um verdadeiro filósofo orador, “Isso que você vê foi obra de meu pai, muitos anos atrás”. E arrematou, “de fato, vem de quando eu era ainda criança”.
Eu já não prestava mais atenção em nada. Mesmo meu dente, que latejava, já não representava a maior preocupação para mim naquele consultório. Eu estava ávido por entender a fisionomia facial do meu novo amigo. Notei que ele não era pessoa de dar muitas voltas para dizer o que era necessário, então o deixei livre para que falasse.

A deformidade de Hermógenes era coisa de circo, como uma mulher barbada. Mas não era engraçado como a mulher do circo, ele era de fato perturbador. Da altura abaixo de seus olhos, seu nariz pendia junto com a face sobre a boca. De fato, de seu nariz restava apenas a lembrança de algo que deveria haver e não havia.
Uma analogia, talvez leviana, seria dizer que Hermógenes tinha cara de pênis. O nariz que pendia mole sobre a boca, e o par de bochechas protuberantes, faziam alusão ao órgão genital masculino. Eu enchi-me de curiosidade para saber a razão de sua deformidade severa, mas por não conseguir pronunciar nada fiz de mim todo ouvidos.
E Hermógenes continuou, “Já passei por situações que um ser humano não acredita possíveis”. E continuou, “Não faz muito tempo a filha de um rico comerciante teve um desfalecimento ao ver-me pela primeira vez. Contornado o incidente, e tendo seu pai me enchido de desculpas, ofereceram um emprego num pequeno e lucrativo negócio”.
“Tinha certeza de que o comerciante desejava tirar vantagem de minha diferença e sair-se bem para os de sua classe, como homem generoso que desejava ser. Aceitar uma aberração como eu, para lidar com seu comércio, era certamente ação de um homem de bom coração. Mas, como tudo que é feito sem verdade, seus planos falharam”.
“Em um mês de trabalho perdeu mais fregueses que pôde conquistar em um ano e, por esse motivo, o comerciante pediu a sua filha para presentear-me com uma modesta quantia de dinheiro e dispensar-me de meus préstimos. Como andava necessitando ir ao dentista, tomei o dinheiro de suas lindas mãos e despedi-me. E aqui estou hoje”.
Eu disse, “Mas...” Recuperava minha voz, “e como foi que teu pai um dia teria sido o protagonista de tamanho crime, desfigurando-o ainda criança”? Heródoto me respondeu, “Meu pai era um agricultor e um filósofo. Ele achatou-me o nariz com o cabo de um machado, mas não foi um ato de ódio, como algo feito por pura maldade”. 
“O bom filósofo que era pensava em minha longevidade. Havia perdido todos os irmãos muito cedo – vítimas de suas paixões – como lembrava-me meu pai. Por cautela, para que não me perdesse um dia no caminho da vida como fizeram meus tios, fez meu pai o trabalho em minha face de forma a que eu parecesse sempre humilde para os outros”.
“A minha face mutilada, de nariz esmagado, garante a humildade frente as pessoas. De fato, nunca passei frio ou fome vagando por esse mundo vasto, pois sempre encontrei uma alma piedosa que me oferecesse alimento ou um teto para descanso. Por isso, jamais odiei meu pai, embora nunca tenha tido oportunidade de agradecer pelo serviço”.
“Seu pai teve a chance de vê-lo quando moço, já homem de calças”? Perguntei. “Meu pai morreu no ano em que completei dezoito anos. Eu ainda não havia saído de casa e nada conhecia do mundo afora. Na noite em que deixou a mim, minha mãe e minhas duas irmãs, abraçou-me afetuosamente dizendo que um dia eu lhe compreenderia”. 

“Em casa, sempre fui tratado com normalidade. Enquanto vivi com meus parentes, não conheci o estranhamento do mundo. Confesso que, ao olhar-me no espelho, não possuía então nenhum sentimento de curiosidade sobre meu rosto. Um ou outro primo ria-se de mim, apontava para minha face deformada, mas de fato eu nada compreendia”.
“No ano em que fiz vinte anos, um inverno inclemente levou para a terra minha mãe e minhas duas irmãs de pneumonia. Sofri muito com a perda das duas. Meu tio mais velho chamou-me a si e, calmamente, explicou-me que aquele era o momento de minha partida. Era chegada a hora de juntar minhas coisas e ganhar o mundo”.
“No dia seguinte à conversa com meu tio fiz um bornal juntando algumas peças de roupa e dois envelopes com dinheiro da venda da casa de meus pais. Fui informado que na cidade grande encontraria ajuda de um velho conhecido da família, que me pagaria bem pelo trabalho na cozinha de seu restaurante”.
“Minha compleição física muito franzina e meus poucos estudos não permitiam que conseguisse trabalho melhor. E isso, sem mencionar minha deformidade, a minha carta de apresentação. Fui embora de casa em uma manhã fria, sem olhar para trás para não chorar de saudades. Isso faz hoje onze anos. Eu tenho trinta e um anos”.
Um pequeno periquito que pousara nas mãos da secretária calou o relato de Hermógenes. A secretária beijava o bico do passarinho enquanto lhe acariciava a cabeça com o dedo indicador; e soltava as gargalhadas terríveis. Pensando bem, a mulher tinha cara de orgasmo. Era lívido seu semblante e o caso com o periquito era quente. 
“Pois então”, disse-lhe eu, “Estou encantado em conhecê-lo e saber de sua história”. O passarinho então voou da mão da moça e sobrevoou o lugar; mas retornou para a mão de sua dona e ela ofereceu a ele novamente mil carícias. Foi aí que alguma coisa me lembrou da dor de dente insuportável que eu sentia. Mas eu ainda sonhava.
Com força, deixando de lado a dor, inclinei-me para Hermógenes suplicando para que falasse mais de sua história. Já compreendia como veio ao mundo, a deformidade que como favor lhe fora feita, o dinheiro que recebera do comerciante para tratar dos dentes, mas não o que planejava fazer de ali por diante. Hermógenes era um elefante.
Mas, assim que o homem se preparava para falar, a secretária soltou outra gargalhada e anunciou a entrada do Sr. Hermógenes no consultório um. Ele passou por mim com calma e ofereceu-me sua mão pela última vez. Apertei-a. Depois que entrou, procurei em vão pelos outros três pacientes da sala de espera. Mas parece que me equivocara.
Sozinho com a secretária, as lagostas e o periquito que se lançava em mais um voo, senti-me só. E senti meu corpo ser tomado de assalto novamente pela dor de dentes, acordando em minha cama logo em seguida. Corri para o telefone para marcar consulta e lembrei-me de Hermógenes. Ele existiria?
Texto de Alexandre Ivanovski. 110x101
Visite minha página:
www.recantodasletras.com.br/autor_textos.php?id=64408 
15/12/17 17:02 - WERLIS MOTA
"Se não  houvesse diferenças...não  haveria evolução! "
15/12/17 12:43 - Iliely
Alegrai-vos!
Ele já está bem próximo. Alegrai-vos!
Ele já está bem próximo.
Vem vencer o Mal pelo Bem.

 
15/12/17 12:27 - Lindalva
Passando para agradecer as visitas e comentários agradáveis de todos os recantistas e pedir que continuem me visitando que eu gosto muito.
15/12/17 11:58 - ROBERTO BARROS XXI
ROBERTO BARROS XXI
E-livros11/11/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Frases11/11/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Artigos > Literatura10/11/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Cotidiano10/11/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Fábulas06/11/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Fábulas06/11/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Cartas20/10/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Cotidiano13/10/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Amor06/10/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Amor06/10/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Causos05/10/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Causos05/10/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Fábulas05/10/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Surreais04/10/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Causos04/10/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Mistério04/10/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Fábulas03/10/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Causos03/10/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Fábulas03/10/17
 
ROBERTO BARROS XXI
Biografias02/10/17
15/12/17 11:15 - fchagass
PENSAR, LER E ESCREVER LEVARÁ O SER HUMANO À LIBERDADE !!!
 
As grades de uma prisão ou presídio, visíveis, não deixarão dúvidas de que se está preso, mas, geralmente o ser humano, tão adepto da verdadeira liberdade parece que não percebe que uma prisão muito maior consistirá em não gostar de PENSAR, LER E ESCREVER...
 
Certamente, escrever é registrar ou transformar em palavras algo que primeiro passou na mente (o pensamento) e, também para que algo seja transformado em nosso pensamento, poderá ser visto ou lido, porque o pensamento não será fruto de um acaso (acontece quando se cria as condições necessárias vendo, ouvindo ou sentindo)...
 
Em outras palavras, a capacidade de pensar foi concedida por DEUS (O Criador), ao ser humano (sua criatura) e, infelizmente o excesso de superficialidades, jeitinhos, hipocrisia, falsidade e coisas semelhantes demonstram que nossa época está sendo completa de pessoas que não gostam de pensar, ler ou escrever...
 
PENSE SOBRE ISSO...
15/12/17 10:47 - Nelson Schocair

Capa do meu Romance "Alkaryan - Os segredos do arco-íris"
Romance de ação e aventura a serviço da causa sustentável. Em suas páginas desfilam amizade e traição, realidade e fantasia.
Jovens engajados em causas ecológicas encaram medos inimagináveis enquanto amadurecem e tornam-se pessoas altruístas que lutam contra a ganância de empresas e homens que apenas se preocupam com a riqueza sem medirem os atos e suas terríveis consequências.
Heróis humanos e elementais conseguirão esquecer suas diferenças para que a união possa salvar a Terra?
Pré-venda no site www.escritornelsonmaia.com e em www.autografia.com.br 
15/12/17 10:15 - Vitor Pereira Jr
Olá, pessoal!

Quando entramos no mundo da litaeratura, nossa vida muda. Tenho meu site onde  dividido com vocês algumas dicas rápidas sobre escrita.
Nesta postagem, falaremos sobre o PERSONAGEM.


Espero que gostem!
DICAS DE ESCRITA 3 – UM PERSONAGEM PARACADA ESTÓRIA
 http://www.vitorpereirajr.prosaeverso.net/blog.php
 
Sejam bem-vindos para deixar seus comentários e sugestões.
Abraços e até a próxima!
 
Vitor Pereira Jr.
 
15/12/17 10:05 - Claíse de Albuquerque
Saudações Recantistas
Curte contos com temáticas góticas? Não deixe de apreciar
"O Mortuário".

Clarice desejou a morte e assim lhe foi concedido...




Leia "O Mortuário" 
15/12/17 09:30 - Mystika

 
CONHEÇA E DIVULGUE, BRASIL!
http://www.dezmedidas.mpf.mp.br/
 
Apoiadíssimo o PL das dez medidas contra a corrupção divulgado pelo MPF! Prender corruptos e recuperar a riqueza pública desviada para privada dos traidores/bandidos/terroristas que atacam nosso BRASIL!!
http://www.dezmedidas.mpf.mp.br/

Obs.: para acessar o link acima, digite o endereço no seu navegador  
ou 
1) selecione o link acima - 2) aperte o botão esquerdo do mouse,  3) escolha a pesquisa  e, na página da pesquisa, 4) clique no endereço eletrônico correspondente ao acima referido)
15/12/17 07:20 - LCoelho
Boa tarde!
Amigos(as) do recanto.
Visitem a página 
http://www.magiadanatureza.recantodasletras.com.br/visualizar.php?idt=6171662
E vejam a nova Poesia 
"O que é o amor?".
Recitada no YouTube pelo autor
https://www.youtube.com/watch?v=730OewBXZ7Y.
 E tambem as 1284 fotos feitas por LCoelho
" Magia da Natureza "
15/12/17 07:08 - TORRE FORTE
INDULTO DE NATAL É PARA OS FRACOS EU NUNCA VOU ABANDONAR A PENITENCIÁRIA DO SEU CORAÇÃO.
Gersonteilustrada
15/12/17 05:02 - David Leite
Novos contos... Olá, pessoal Queria divulgar aqui meus textos. Por favor, leiam, avaliem Obrigado http://www.recantodasletras.com.br/autores/davidleite1
15/12/17 00:25 - Rubens Jardim

TRITONO

(Para Teofilo Tostes Daniel)
porque grávida
de ausência
urge o sorriso grávido
de alguma falta,
ruído grave, gestando
o impronunciável,
urgem lábios, margens
obscenas da inundação
possível, sorriso
discreto, palavras impressas,
parto, farol de ruas
sem esquinas, ruas-rio,
(quero morar numa cidade sem esquinas,
meus olhos ardem,
tenho uma pasta de artigos urgentes dentro de uma pasta de artigos urgentes dentro de uma pasta de artigos urgentes,
o corinthians foi campeão,
o preço dos tomates & a crise política & a meteorologia)
há meses
(são apenas dois olhos
duas pernas e dez dedos para tantas
urgências no mundo que,)
transbordo.
- porque grávida
de alguma ausência
que o CID
não gera
entre as margens
absurdas da normalidade
o abismo
fere e confunde,
meu bem

(poema de Lilian Sais poeta paulistana, é doutora em letras, pesquisadora e tradutora da área de grego antigo e coeditora da Revista Libertinagem. Participa da organização de diferentes Saraus espalhados pela Pauliceia.Lilian Sais está na 101ª postagem de AS MULHERES POETAS...Se quiser ler mais, clique no link http://www.rubensjardim.com/blog.php?idb=52289
14/12/17 22:30 - Leonardo Ulhoa
13.09.2007 –
Senti bater o coração/ Pensei logo: enfarto/ Era só emoção/ Dos teus beijos que guardo.


Esta página é atualizada a cada 5 minutos
Última atualização em 18/12/17 12:47