Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

NOITES SERTANEJAS

NOITES SERTANEJAS

Rangel Alves da Costa*


Após o labor do dia, de tanto trabalho e agonia, vai chegando o entardecer e o descanso por merecer, quando o sertanejo regressa ao que muito lhe interessa, que é arriar a enxada e lá fora a caminhada esperando a bela noite, tão bela e enluarada.
O calor vai amainando, uma brisa boa soprando, e enquanto olha o horizonte, do dia pra noite a ponte, os olhos cansados se abrem, saudades que agora invadem, e recorda o seu sertão como terra de promissão. Mas a promessa se faz com o que o homem é capaz, e se não veio o esperado jamais ficou magoado, pois tem força pra lutar e a filharada criar.
Olhar marejado em espírito confortado. O por do sol vai sumindo e o sombreado surgindo, o dia se vai no açoite e abre a porta para a noite. Ainda um som de passarinho, um canto em qualquer ninho, a bicharada afoita se entocando na moita, na paisagem sombreada o sono da mata cansada.
Mas nada dorme na mata e logo um som se desata, a folhagem vai cantando, os seres encantados chamando. O que parece adormecido está acordado e atrevido. Vai chegando a caipora, o fogo-corredor a qualquer hora; vai chegando a mula-sem-cabeça, a alma com sua terça; ouve-se o barulho do saci e mãe-da-lua por ali. São os seres da floresta ou daquilo que ainda resta.
O sertanejo acostumado, apenas se finge assustado. Respeita todo ser encantado e fica admirado que ainda apareça na noite e pelo sertão pernoite, como querendo avisar que tem dono no lugar e aquele que abusar e a caatinga derrubar, com ele vai se acertar.
O sertanejo vivencia tudo como um relampejo. De geração a geração e essas histórias no sertão. O povo antigo do desconhecido era amigo, e tudo se torna eterno mesmo no homem mais moderno. É a crendice popular que continua a encantar, com o homem no seu lugar e o encantado a encantar.
Ouve um pio da coruja. Eita bicha mais intruja. Ninguém gosta desse canto e muita gente tem espanto. Da noite é a maldição, assustando o sertão. Mas medo mesmo que estraçalha só mesmo a rasga-mortalha. Seu agouro na escuridão é defunto no caixão. Tudo acontece na noite, e naquela imensidão seu acoite.
Aos poucos o silêncio recai na sombra que se esvai. O que era apenas marrom já vai tomando outro tom. Ao redor escurecido, adiante enegrecido, a paisagem escurece, mas outra luz aparece. É a luz da lua que vai chegando nua, toda radiante como bela amante que vai abrindo os braços para os abraços.
A lua sertaneja acaricia e beija. Dourada, a mais bela namorada. Cada ponta de luz acaricia e seduz. E lentamente vai descendo, pela imensidão tudo envolvendo até jogar todo o seu véu em cada canto, déu em déu. É o instante mágico do sertão, é lua e coração, auréola que seduz e causa devoção.
E com a lua chega a saudade, retratos antigos voltam sem piedade. Quer beijar a lua como uma face, mas prefere guardar tudo em disfarce. E pega a viola para cantarolar, música caipira pra rememorar, e vai dedilhando todo amor que há. E ao redor tudo vira festa, o silêncio se torna seresta, um som de nostalgia revivendo outro dia.
Pelo ar um cheiro de café. No oratório o santo e a fé. A luz do candeeiro já está acesa e o prato de cuscuz colocado na mesa. O menino corre querendo comer, só resta aquilo e não pode escolher. Mas o que importa é matar a fome, pois barriga vazia tem outro sobrenome. E a noite avança nessa vida singela, com o candeeiro de luz amarela e lá fora a lua de luz a mais bela.
A viola é guardada, é hora de entrar, precisa de um café e depois descansar. Amanhã é a mesma peleja, tudo novamente na vida que traceja. Acena pra lua com olhar contente, espera que seu brilho seja a semente a vingar na terra um amanhã reluzente.
E a escuridão a lua corteja. Um eterno amor na noite sertaneja. Assim sempre foi, assim seja...


Poeta e cronista
blograngel-sertao.blogspot.com
Rangel Alves da Costa
Enviado por Rangel Alves da Costa em 18/02/2014
Código do texto: T4695823
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre o autor
Rangel Alves da Costa
Aracaju - Sergipe - Brasil, 56 anos
10435 textos (325991 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 26/01/20 02:40)
Rangel Alves da Costa