Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

julho




escuta. não sei.
o tempo passa arrastando tantas certezas.
acho que o amor é uma delas, sabe.
a chuva que cai agora não é exata,
carrega a certeza da terra;
desfaz-se em ondas pequenininhas
pela rua de minha casa.
no tintilar prateado na tardinha que segue
vejo folhas amarronzadas e mofas
misturarem-se às verdes
e à terra e à água que corre inexata e não é mais chuva.
eu não sei bem como,
mas, acho que as estrelas - que se escondem
por detrás das espessas nuvens sombrias que avisto distante, -
são suicidas apaixonadas.
talvez não sejam deusas habitando o infinito do verso
- nem tão uno assim,
talvez sejam apenas loucos pontos de luz
disfarçando mediatrizes, retas, quadrângulos;
indecifrável círculo obtuso e absoluto.
não sei. talvez sejam sorrisos do mistério,
que pulsando violentamente,
explodem-se para implodir-se
devorando o tempo no espaço do todo.
louco, talvez eu esteja delirando
com a febre de tentar entender o espírito das coisas.
entender as coisas em suas cisões; imprecisões,
as coisas que são porque talvez jamais nem tenham sido;
é. as coisas cindidas, rachadas;
partidas em seus mistérios invioláveis.
dá-me a tua mão.
o amor é um mistério alontanado das certezas;
um vôo em precipício,
as águas irrepetíveis de um rio,
a tempestade sob asas de borboleta,
a verdade da criancinha
que se precipita contra a poça d’água.
vê? ali, logo ali. mas, eu não ligo.
o amor não precisa mesmo ser preciso.
escuta. eu não sei ao certo. vem cá.
segura em minhas mãos.
segure-as fortemente
com a leveza do vento que toca a nossa cara
e ao fazer amor com a brisa e a chuva
emprenha-se da alma de furacões.
tome as minhas mãos como o orvalho que, amado pelo noite,
desliza-se túmido sobre a face da pétala madrugada
censurada pelos primeiros raios de sol.
toque as minhas mãos. só um pouco,
e a minha memória estará ninada pela tua lembrança
como um poema que nina o espírito de beleza das palavras.
sabe, tenho medo.
acho que é coisa séria ter medo, não?
quem não tem?
arrepia-me a idéia do beijo que jamais te dei
ou do beijo que te dei
e que não passou de uma ‘mentira’
tão verdadeira, assim, tocada de desejo
como um eros apaixonado; transgressor.
o mundo anda tão revolvido em ódios.
acho que isso também é sério, não?
quando foi mesmo que a paz deixou de ser prostituta?
aqui nessa cidade, nesse rincão do mundo,
onde a metafísica parece tão empobrecida
e a tabacaria tão desprovida de poesia… e de metafísica,
vejo-me sem me ver,
aqui, debaixo desse céu como qualquer céu,
sob esse teto amarelado de uma casinha do interior.
anda. sente o tremer de minhas mãos.
o meu coração pulsa dentro delas
como uma esfera irregular;
sem nenhuma exatidão necessária.
sabe, há uma greta na superfície de meu pensamento.
fico esperando a luz entrar
como o calor da lava no princípio dos tempos
trouxe a vida pelas rachaduras do mundo.
quando me descobri te amando
percebi que em tudo há uma fenda de mistério,
como uma fissura sobre a tessitura do mar, cioso,
enroscando-se com o vento,
amando-o por milhas e milhas até à praia;
marulho, ondas, areia, céu;
um beijo, o sexo,
o ar riscando a derme das flores
na costa leste da América Austral.
caminha, dá-me a tua mão. é sério.
tudo é inexato. não há aritmética
capaz de explicar a soma dos enlaces de amor
como não há geometria que explique
o ângulo pendular de teus lábios abrindo-se para o teu sorriso.
é. eu te amo de tão inexato que sou.
e a chuva samba comigo
nesse inverno que entranha as águas no ventre da terra.
sim, tudo é tão inexato, absurdamente, inexato,
sem a tranquilidade da irrealidade dos perfeitos.
mas, dá-me a tua mão.
dancemos a beleza do potencialmente possível,
sejamos o vôo para a teimosia no amor.
vem. eu sou serpente e tu arco-íris!
Angelo Riccell Piovischini
Enviado por Angelo Riccell Piovischini em 12/06/2019
Código do texto: T6671609
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Angelo Riccell Piovischini
Feira de Santana - Bahia - Brasil, 38 anos
6 textos (67 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/10/19 15:25)
Angelo Riccell Piovischini