Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Crédito de imagem Pinterest
**********************************


*¨* Tempo esgotado...

O meu tempo está se esgotando...
Os últimos grãos estão sumindo
A areia da ampulheta terminando
Horas derradeiras, vida se esvaindo

Vão-se os minutos, segundos em agonia
É fim de jogo, o "game over" da vida
Resquícios de um pouco de alegria
Pois muito em breve estarei de partida

E este purgatório existencial terá fim
Repasso na mente tudo o que vivi
Não sinto mais aquela tristeza sem fim
Apenas recordações do quanto sofri

Em meus dedos conto as alegrias que tive
Foram poucas, mas foram o suficiente?
Volto no tempo revendo como num filme
Poucas cenas, em um ritual deprimente

Mas deixo minhas memórias aqui registradas
Sinto como se tivesse perdido o fio da meada
Em um diário, várias páginas brancas viradas
Ao longo desta minha breve história enfadada



Ao som de
R.E.M. - Losing My Religion (Official Music Video)  

**********************************

Mais um mimo da poetisa Fernanda Xerez!
Grata minha querida!

 
Fernanda Xerez (Flor do Deserto)


 ESTOU DE (( OLHO NO TEMPO ))

Estou de olho no tempo/tempo que se faz amigo
amigo ele não é não
não para parado

parado está meu relógio
relógio que não atrasa
atrasa é a viagem
viagem que está marcada

marcada para o além
além das coisas naturais
naturais são as pessoas
pessoas que acreditam

acreditam em fantasmas
fantasmas da meia noite
noite que envolve a alma
alma que quer se libertar

libertar-se das correntes
correntes que prendem
prendem para não soltarem
soltarem o tempo

 

**********************************

Mais um mimo da poetisa Anna Lúcia Gadelha!
Grata minha querida!


 
AnnaLuciaGadelha

****** Eu sou aquela mulher que vive solitária
Não sei qual meu rumo e nem destino
A vida se tornou minha grande adversária
Como posso achar esse mundo divino?

Minh'alma padece na infeliz escuridão
Eu espero a triste morte com ansiedade
Machuca-me esse universo de desilusão
Assim transcorre minha sina de maldade

Que dó! Sempre fui uma mulher invisível
Percorri longos caminhos com apatia
Meu pobre coração sentia assaz agonia

Sou aquela que se acostumou com a dor
Procurou um migalha de amor e não achou
Sinto grande piedade do que de mim restou

Anna Lucia Gadelha

Anna, maravilhoso seu labor poético!



**********************************



Augusto dos Anjos

A lágrima

– Faça-me o obséquio de trazer reunidos
Cloreto de sódio, água e albumina…
Ah! Basta isto, porque isto é que origina
A lágrima de todos os vencidos!
...





**********************************

Apenas inspiração poética!





 
Sandra Rosa
Enviado por Sandra Rosa em 14/08/2019
Reeditado em 25/08/2019
Código do texto: T6720276
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Sandra Rosa
Contagem - Minas Gerais - Brasil, 49 anos
326 textos (32456 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/09/19 17:39)
Sandra Rosa