Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ABSINTHO

Não derrame sobre o meu corpo,
o magnetismo hipnótico do seu olhar.
Feche seus olhos verdes,
de fada verde.
Venha ver(de) perto,
tocar meu peito aberto,
curar com esse olhar
minhas chagas,
meus pesares.
Quando chegares,
nenhum êxtase me convém.
O clarão dos teus olhos,
se apagará também?
Apagará essa vontade,
de evaporar-te em mim?
Venha o desmaio do prazer,
e viva.
Inunda-me com sua inundação,
com águas, com licores.
Aguçado, açucarado.
Oro e namoro,
pressentimento e sêde,
e agora minha fada verde?
Seria talvez a morte,
sorver pouco a pouco
o amargor da inexistência?
Melhor seria então,
morrer de tanto sofrer?
Veneno tão doce,
prazer tão perigoso...
Seria o quê esse intuir,
quase sentir, o paladar
já saciado, abrandado?
Absorto, me submeto.
A dor que (ab)Sinto.

(Para sra. Green eyes)


T@CITO/XANADU
Paulo Tácito
Enviado por Paulo Tácito em 14/04/2020
Reeditado em 14/04/2020
Código do texto: T6916355
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Sobre o autor
Paulo Tácito
Riacho Fundo - Distrito Federal - Brasil
392 textos (4615 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 14/08/20 22:49)
Paulo Tácito