Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

RESTA-ME UM DIA DE SANTIDADE

Estão querendo no impio desejo sombrio, matar-me...
Já cuspiram no meu rosto;
Já lamberam minhas feridas;
Já sepultaram-me na lama;
E gritaram o  meu mome em pávido colosso.

Ah! pegaram-me e se lambuzaram de gotas de orvalho;
Na orgia dos becos unguentos;
Com cheiro forte de verbena;
Que pelas  narinas escorre o sangue;
Que lambem e engolem;
Na frênica ânsia de ter-me;
Dia após dia após dia amargo.

Quão miseráveis são os doutos incultos;
Lixo que prolifera-se nas ondas do meu corpo que em gritos alucinantes;
Expressa a dor que fala: "Matem-me..."
E, se não bastasse o acalanto em dor do torpor;
Que faz-me esquecido no vômito;
As gotas d'águas saindo pelos meus poros;
Poeira nos meus olhos;
Com força defecam os dejetos da força do amor.

Estanco as feridas sangrentas;
No Carmo do Karma;
Que pago por odiar;
A mistura amarga do sensabor tenaz;
Na era que desfaz quimeras;
Se eu fosse todo dia um meio dia;
De sarro profano eu em desamor;
Pelos que nunca amaram-me.

Sérgio Gaiafi
Enviado por Sérgio Gaiafi em 25/06/2019
Reeditado em 21/08/2019
Código do texto: T6681072
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Sérgio Gaiafi
Campina Grande - Paraíba - Brasil, 53 anos
897 textos (5337 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/10/19 04:04)
Sérgio Gaiafi

Site do Escritor