Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Flâmulas e Novenas

No alto do cerrado,
Trinam as Siriemas,
Anunciando o desjejum.

A tarde vêm sem demora.
Outrora, a manhã,
Já foi Aurora.

Nas mangueiras,
Pássaros e aves recolhem-se;
Em respeito a hora do ângelus.

Benvinda e Fortuna se despedem,
José e Mariinha se foram,
Dito e Domingos também.
Flâmula de Menino Jesus na porta,
Sinal que ficou alguém.

Todos os dias,
As cenas encenam,
Flerte humano/religioso se repete.

Boa prosa, simplicidade, comiduria,
Sob cânticos de louvor,
Na casa de Deus e Dete,
Ontem, hoje e todo sempre,
Sem pagar um vintém.

As hordas de anjos dizem Amém!

Novinho em folha,
Lançado na cova no dia certo,
Germinou, fecundou,
Engravidou a terra.

Androceu e Gineceu,
Comemorando felizes, estão;
Por que sêmem tinha!

As águas dulcícolas que fluem em Bicas não chegam às procelas salinas do mar.


Brincadeira de Roda Virtual
Corre cutia;
Pare de poesia;
Hasteg# segue a grosseria.
Dia e noite;
Noite e dia.


P.S.: vamos, a varinha tá com o leitor. Faça uma forcinha, humanize-se, ensine para seu filho e neto, ainda dá tempo.

Se nada ensina,
No futuro,
Nada ou tudo,
Tudo... ou;
Nada será!





Mutável Gambiarreiro
Enviado por Mutável Gambiarreiro em 20/08/2019
Reeditado em 23/08/2019
Código do texto: T6724503
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Mutável Gambiarreiro
Jegue é - Tovuz - Azerbaijão
2331 textos (54122 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/11/19 11:49)
Mutável Gambiarreiro