Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

RETRATO DE UM RIO

RETRATO DE UM RIO

*Rangel Alves da Costa


Perante o meu olhar, uma fotografia do Rio São Francisco e suas beiradas, com algumas embarcações e um leito raso de água. Lá em Bonsucesso, povoação sertaneja em Poço Redondo. Mas poderia ser em Curralinho, em Cajueiro, em Jacaré. Aquele que avista a fotografia logo se enche de encantamento. Não poderia ser diferente, pois tudo emoldurado numa beleza poética sem igual.
O Velho Chico, mesmo padecente como de vez em quando se mostra, assim tão magro e tão ossudo, com suas veias esvaídas, não deixa de encantar o seu beiradeiro e o seu visitante. Logicamente que o beiradeiro sofre, lamenta e chora quando seu rio parece pouco demais e passando sem vida, e principalmente se puxar da recordação e relembrar outros tempos, nos idos de antigamente, que tanto rio como a ribeira d’água era uma festa só.
Um rio rico de outrora. Grandes embarcações chegando e partindo, carrancas apontando nas curvas, afastando os maus espíritos das águas, e pedindo passagem rumo aos portos. Sacos de açúcar, de farinha, de biscoitos, de carne seca, de sortimentos. E á na beirada, pronto pra ser embarcada a lenha, os fardos de algodão, um carregamento de peles, as produções ribeirinhas e sertanejas. E nas calçadas altas - e assim tão altas por causa das constantes cheias -, as pessoas sentadas em cadeiras para o maravilhamento perante aqueles momentos.
Hoje o rio já não é aquele rio. Corre no mesmo lugar, faz curva entre as mesmas serras, vai cortando o mesmo caminho entre as beiradas, mas perdeu sua pujança de outrora. A pujança da água muita, da largueza do espelho d’água, do peixe em profusão para a tarrafa e a rede. Pelas margens, na sonolência dos dias, os barcos e as canoas repousam na esperança de dias melhores. Contudo, há uma magia no rio que nada parece afastar. Seja de água muita ou rasa, o rio continua apaixonando tanto o visitante como o povo ribeirinho.
Logo o espírito e alma bebem da magia do alvorecer e do entardecer. Verdadeiramente não há cenário mais mágico e cativante. Contudo, seria preciso avistar além da moldura para adentrar nas raízes do próprio rio, de seu meio e de seu habitante. A pintura de cores vivas se mostra apenas uma aparência. Há, na alma do rio e do seu povo, um âmago tomado por sensações muito diferentes daquelas tidas apenas pela visão do cenário.
É um rio que sofre e um povo que sofre, é um rio que pranteia e um povo que chora, é um rio que vai se exaurindo nos braços aflitos de seu ribeirinho. Somente quem vive o dia a dia conhece a real situação. Somente quem nasceu e se criou nas suas beiradas conhece a dor da saudade de um passado de águas grandes, piscosas, cheias de vida e de embarcações. Hoje há apenas um leito. E quase de morte. Os vapores não passam mais, os navegantes seguiram outro porto. Cadê o surubim, há de se perguntar.
Tudo passou, tudo seguiu na curva do rio. E nas beiradas ficou o seu habitante, o beiradeiro, o ribeirinho. Aquele que sorri no olhar e chora no coração.


Escritor
blograngel-sertao.blogspot.com
Rangel Alves da Costa
Enviado por Rangel Alves da Costa em 08/11/2019
Código do texto: T6790391
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Rangel Alves da Costa
Aracaju - Sergipe - Brasil, 56 anos
10273 textos (307132 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/11/19 13:23)
Rangel Alves da Costa