Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A VIDA COMO ELA É

Já havia algum tempo que eu e a ex-mulher decidíramos inapelavelmente a separação, mas era questão economicamente complicada, já que teria de pagar pensão alimentícia, sair de casa e conseguir um novo ninho. O ano de 1988 não estava favorável. Conversei com o velho pai, que tinha um apartamento ideal, mas alugado. Ele me disse: “o aluguel vai até o fim do ano, se conseguires desocupá-lo, podes ficar por lá, basta pagar IPTU e Condomínio”. Restava-me a tarefa de tentar convencer a locatária. Era uma engenheira de alto nível, bonita, charmosa, inteligente, solteira, da minha idade, talvez um ou dois anos menos. Conversamos bastante, umas bebidinhas para aquecer e acabamos saindo para jantar, dançar, o comum da vida, enfim. Depois de umas duas semanas, tive sorte, pois ela conseguiu apartamento no mesmo edifício, mesmo preço, em outro andar, e topou a rescisão contratual. Com minha irmã Vera desempenhando importante papel de assessora, fiz várias incursões na Avenida Osvaldo Aranha e consegui móveis novos por bons preços, cama, sofá-cama, armários, coisas do tipo. Comprei eletro-eletrônicos básicos, utensílios, louças, lençóis, cobertores, ganhei alguns presentes familiares de utilidade e decoração e já no mês de agosto de 1988 estava praticamente pronto para uma nova vida, inclusive acolher os filhos. Foi um inverno muito frio e os aquecedores elétricos não faltaram (aparelhos de ar condicionado vieram só um bom tempo depois). Sem telefone da estatal CRT, é claro, pois o preço rondava dois mil dólares, no mercado paralelo. Trabalhava muito: Escritório, Banco e, à noite, aulas na PUC. Foi um começar de novo aos quarenta e poucos anos, mas já com uma carga forte de responsabilidades e compromissos. A locatária, já bem instalada em seu novo canto, também me deu algum assessoramento estético. Mulheres são fundamentais à vida de qualquer homem. Honra também a meu irmão Ricardo, que, no primeiro fim de semana em que recebi os filhos, dormiu por lá, pois havia razoável espaço, e fez frituras na cozinha para nosso razoável alimento, enquanto assistíamos a filmes tirados em locadora. Foi uma noitada bem divertida, que emprestou alegria a um novo jeito de viver.
José Pedro Mattos Conceição
Enviado por José Pedro Mattos Conceição em 01/11/2019
Código do texto: T6784389
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre o autor
José Pedro Mattos Conceição
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 73 anos
656 textos (18248 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 25/01/20 03:10)
José Pedro Mattos Conceição