Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

TEMPOS VAZIOS

Peço antecipadamente escusas, talvez eu seja mesmo um dinossauro, mas estou muito incomodado com o vazio dos últimos tempos. Na política, na administração, economia e na cultura. Nem mais a bons programas de humor a gente consegue assistir. Não vejo novelas, mas duvido que exista coisa empolgante em cartaz. Os filmes são ridículos ou voltados a público infanto-juvenil. Os melhores são biográficos, musicais ou baseados em caso real. Tem havido bastante apelo erótico, também.  Não vislumbro lançamentos literários de peso – a exceção justifica a regra. Na música, muita pobreza dominante, uma ou outra coisa de certo valor. Não me considero como tal, mas entendo que seja criticado por comportamento saudosista, afinal, não estou em sintonia com o que está acontecendo. Não gosto de comparar o dia de ontem com o agora, tudo muda, mas o moderno parece temporariamente sem grande qualidade. E olha que a tecnologia ajudaria muito! Minha mulher, à noite, depois da novela (boa ou má - as mulheres estão habituadas a acompanhar), assiste à GRANDE FAMÍLIA ou a ENTRE TAPAS E BEIJOS para relaxar, o que já é coisa “das antigas”. Chico Anysio e Jô Soares ainda estão muito presentes, os demais são fugazes, eventuais, de fácil dissolução. Eu navego basicamente no plano virtual, televisão é mais para futebol e certas entrevistas ou reportagens, muito escassas. O jornal impresso é coisa do passado, parece. Muita gente tem viajado ao exterior, como nunca, apesar do preço do dólar e do euro. Diversas fotos bacanas no Facebook. Mas, tirantes alguns ícones, tenho visto poucos museus, galerias de arte, lugares interessantes e pouco turísticos, novidades, com exceção de uns poucos, sobretudo daqueles viajantes mais calejados, que nos brindam com ricas postagens. Mesmo lugares badalados podem ensejar diferentes e interessantes apreciações, sem que as coisas sejam muito rápidas, corridas: fotinhos tradicionais e deu pra bola. Mas o que interessa, enfim, é a reflexão sobre o rumo da vida e do nosso dia a dia. É possível fazer, pelo menos, filmes como UM SONHO DE LIBERDADE, O PODEROSO CHEFÃO ou O SEXTO SENTIDO. Destaque em 2014, o filme A GRANDE BELEZA, extraordinário, é prova cabal de que se pode ainda agora produzir obra de fôlego. Talvez não empolgue a maioria dos mais jovens, sei lá, mas HOMEM FORMIGA não tem nada a ver comigo, que sou alérgico.
José Pedro Mattos Conceição
Enviado por José Pedro Mattos Conceição em 18/10/2019
Código do texto: T6772511
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
José Pedro Mattos Conceição
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 72 anos
651 textos (17258 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/11/19 19:48)
José Pedro Mattos Conceição