Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CEMITÉRIO DE ELEFANTES

A propósito da lenda do CEMITÉRIO DE ELEFANTES, capturei no Google o seguinte: "De acordo com estudiosos, quando os trombudos envelhecem, seus dentes ficam muito sensíveis e, assim, eles têm dificuldade de comer sua alimentação habitual, formada por arbustos, folhas e cascas de árvores. Por isso, é comum os animais mais velhos se deslocarem para regiões pantanosas, onde há abundância de água e as folhagens são mais macias. Invariavelmente, eles acabam ficando por lá até a morte." Não buscam um “santuário”.
Certa feita, meu chefe na empresa em que trabalhei por muitos anos, em múltiplas funções, colega amigo e atento a seus misteres, chamou-me para conversa particular. Falou-me das motivações da Diretoria em modernizar a instituição, dos novos tempos, da necessidade que tinha de contar com gente comprometida em ajudá-lo, ressalvando sempre que eu era parte importante desse estamento, mas que precisava de minha sala para uma remodelagem organizacional, pelo que eu deveria compartilhá-la. Concordei, é claro. Afinal, o chefe tem sempre razão. A perda do espaço físico - que me aconteceu algumas vezes - reflete certa realidade em matéria de importância estratégica.
Recordei-me, no caso, da aludida lenda, quando seria natural encaminhar a manada mais veterana ao "cemitério".
Dito e feito, nem bem me acostumara à nova sala compartilhada, meu chefe convida a mim, novamente, e à colega de convívio laboral e “geográfico”, para reunião em que volta a enaltecer nossa importância. Após várias considerações, pede-nos opinião sobre outra possível mudança, pois estava cogitando de fazer novas modificações e coisa e tal. Iríamos, claro, para uma área ensolarada, mais saudável e adequada, ainda que um pouco distante do nosso tradicional campo de ação. Beleza pura, não me importaria nem de ir para o porão, sem contrariedade mesmo.
Observe-se que se expressa, aqui, a visão estandardizada das empresas maiores: tipo sai da frente, que atrás vem gente. Se você começa a discrepar do padrão, refoge eventualmente aos ditames dos manuais será cobrado, direta ou indiretamente, já que “todos são iguais”. É da cultura das grandes corporações. Enfim, o lendário cemitério convoca invariavelmente os elefantes mais idosos ao doce repouso, com arbustos e folhagens macios e água em abundância para beber. Mas tem de produzir, porque é seu dever e também para evitar o olhar agudo da crítica, que não poupa nem gregos e nem troianos. E, sobretudo, abrir espaços.

José Pedro Mattos Conceição
Enviado por José Pedro Mattos Conceição em 14/10/2019
Código do texto: T6769808
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre o autor
José Pedro Mattos Conceição
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 73 anos
656 textos (18247 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 25/01/20 01:18)
José Pedro Mattos Conceição