Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DIFERENÇAS

Sim, se você teve berço distinto e soube captar bons exemplos e ensinamentos, pode valer-se de fator positivo em muitas coisas. É o que se chama educação de família. Por outro lado, conheço pessoas de origem bem humilde e baixa instrução, algumas de famílias desestruturadas, que preservaram objetivos, determinação e caráter, nadando de poncho contra a correnteza e chegaram lá. Muita gente “mais ou menos”, vários pretensiosos e arrogantes, mas pessoas firmes e de peso a gente encontra nos mais improváveis meios, sem doutorado em Oxford, Cambridge ou Sorbonne. A questão econômica tem significado relativo, pois o fato de você receber uma herança polpuda, ser esperto e explorar os semelhantes, enganando o Fisco e as leis, não constitui nenhuma distinção. O sujeito que ganhou fortuna na loto é um felizardo, mas pode ser também um psicopata ou idiota qualquer. Há muita gente rica cheia de méritos, portanto vou deixar à margem o que dizia Honoré de Balzac: “Por trás de toda grande fortuna, um crime”. O preconceito é coisa feia, mas há quem não me engane, ainda que ninguém seja propriamente santo. Tomemos como exemplo jogadores de futebol, geralmente de origem muito simples. São bons e merecidamente ganham rios de dinheiro, por certo tempo. Digo merecidamente, porque não dá para ignorar a realidade do mercado atual em nosso sistema. Alguns dissipam praticamente tudo, caem na gandaia e detonam. Mas vários atletas poupam para o futuro, ajudam a família e amigos e, quando ganham muito mesmo, destinam parte a obras sociais. Têm vida regrada, não costumam arrumar confusão, alguns até ingressam na política ou no mundo empresarial. A pessoa nasce inteligente ou não, portanto, é qualidade relativa, não dá para festejar. Todo mundo quer viver bem, curtindo do bom e do melhor, mas a vida é complicada. Fora da pobreza absoluta, do abominável nível de miséria existente, ninguém precisa ser astro ou campeão, mas é possível ser digno e determinado, com maior dificuldade para a grande maioria. Há muita gente valorosa, honesta e promissora na pobreza, que não sonha com grandes conquistas materiais: o bem viver é relativo. Me incomoda é ver pequenos e médios venderem a alma ao diabo para integrar a corte e beijar o anel do rei. Logo estarão de volta a casa, de chinelo e pijama, assistindo a novelas e contando as moedinhas.
José Pedro Mattos Conceição
Enviado por José Pedro Mattos Conceição em 13/10/2019
Código do texto: T6768127
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre o autor
José Pedro Mattos Conceição
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 73 anos
656 textos (18262 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 26/01/20 17:03)
José Pedro Mattos Conceição