Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

images?q=tbn:ANd9GcRig7xN1AyfSh2jZnrZdcXcOI7r3CX42gMsE64R4pAGAyqXZ1QH4w
(Imagem do Google)

Carolina

 
 Carolina Maria de Jesus, mineira de Sacramento, semianalfabeta, autodidata, destemida, transformou seus dramas de mulher da periferia paulistana em obras que foram traduzidas para dezesseis  idiomas e comercializadas em mais de quarenta países. Leitora dos grandes autores nacionais e clássicos da literatura que encontrava em suas catações de papéis, tornou-se a escritora mais lida do início da década de sessenta. Retratava o cotidiano sombrio em seus diários , dizia que a favela era o quarto de despejo de uma cidade.
"-Nós, os pobres, somos os trastes velhos".
Seus desabafos foram transcritos na década  de 60 para a revista "O cruzeiro" e "Folha de São Paulo", tais quais os originais, fidedignos à sua ingênua sintaxe.
Teses de doutorados de suas obras foram defendidas por conterrâneos seus, oriundos de berços distintos,apogeus. 
A Partir de 64, tida como socialista,  seus sonhos encolheram-se em quaisquer esquinas devido à repressão em relação à sua postura diante daqueles com os quais conviveu. Reivindicava terras para os menos favorecidos onde pudessem plantar, colher e seguramente  repartir o pão.
Dos aterros aos campus  universitários, sua obra "Quarto de Despejo", esteve lado a lado às  obras de Luís de Camões, Monteiro Lobato, Fernando Pessoa, Érico Veríssimo, Chico Buarque nas avaliações dos vestibulares da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
Após o sucesso de "Quarto de Despejo", sem entender o que estava lhe acontecendo, fora explorada por segmentos editoriais e manobrada por tantos outros. Estou aguardando a Chegada de "Quarto de Despejo", conhecer um pouco mais dessa mineira, no momento, é um dos meus desejos.
Condecoração devida  não houve por parte da comunidade acadêmica. O quê esperar de um país que menospreza seus professores, onde  as manchetes dos jornais discorrem  sobre os termos  relacionados   à  filiação em passaporte,  cores devidas às meninas e  aos meninos, exaltação à  homofobia,  misoginia,   xenofobia.  Ao   ocupar-se  um cargo de extrema relevância , basta ser  um dos descendentes daquele que seria o maior representante da nação! Que venha a sabatina!
Carolina, Carolina, ensina-me!   
  
Rosa Alves
Enviado por Rosa Alves em 13/07/2019
Reeditado em 13/07/2019
Código do texto: T6694706
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Rosa Alves
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil
153 textos (24740 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/19 05:47)
Rosa Alves