Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

TRIBUTO À IRMÃ DELZUITA

INTRODUÇÃO

Ir. Delzuita Gomes da Costa, Piauiense de Teresina, pertencia a Congregação Religiosa da Ordem de Santa Catarina de Sena. Professora de língua portuguesa, do mais alto nível, da qual tive eu a honra de ser aluno. Exerceu essa função por 17 anos no Colégio Nossa Senhora da Conceição na cidade de Itabaiana/PB, onde foi também a Diretora Pedagógica.

Pessoa de um carisma inigualável, de punho firme e grande caráter pessoal, Ir. Delzuita cativava os alunos e as pessoas ao seu redor com bastante facilidade.
Tinha um carinho especial por mim. Pois, acompanhou minha formação escolar desde a minha infância. Eu também tinha muito afeto por ela.


A CAUSA E O EFEITO

Do alto de seus sessenta anos, Ir. Delzuita foi afetada por um mal que brevemente viera a nos tirar aquela pessoa tão querida.
Detectado o mal como sendo “osteoporose”, ela foi levada às pressas para o Hospital Napoleão Laureano em João Pessoa/PB, onde permaneceu em tratamento até seu falecimento.

Dois dias antes do seu falecimento, eu, ciente de sua carência afetiva e apoio espiritual, em função do mal que lhe atormentava, lhe escrevi uma mensagem intitulada “Um instante de Fé em Deus”.


UM INSTANTE DE FÉ EM DEUS

Com base no poema “Metade” de Osvaldo Montenegro

Senhor, que minha palavra não seja como oração. Mas, que sirva de inspiração e alento ao meu próximo, na busca incansável do amor a ti.

Que o medo que agora sinto não me tape os ouvidos e a boca.
Porque metade de mim é o que agora fala. Porém, a outra metade ora em silêncio.

Que eu me torne um canal exclusivo para a Glória de Deus. Porque metade de mim é Espírito que busca. Mas, a outra metade ainda é mistério.

Que o Espírito de Deus me ilumine no que quero falar.
Porque preciso mostrar minha Fé, por tua obra para tua honra. Porque metade de mim é o Espírito que crê. “Mas, a outra metade é o ‘humano” que me atormenta.

Que o Santo Espírito me queime, purificando-me a alma.
Porque metade de mim é espírito que está com Deus, mas, a outra metade é matéria que sofre.
Que o Cristo Filho de Deus Altíssimo que eu conheço e que cujo é o meu Senhor, me estenda à mão para me sustentar, par que eu possa caminhar tranqüilo e em paz.
Porque metade de mim é guerreiro. Mas, a outra metade é cansaço.

Que essa energia divina que agora me envolve, me impulsione no invocar da Santa Palavra daquele que traz para a vida mesmo o que está com o selo da morte.
Porque metade de mim é o que clama, mas a outra metade é o que chora.
 - Cristo amado! Vinde a mim e atende o meu clamor!
Segundo a Tua Palavra, conforme promessas de antes que está escrito. Jr 33:3
Porque grande é o teu poder e glorioso é o teu nome.

DEUS todo poderoso e Senhor dos Exércitos; em nome de JESUS, Rei dos reis; cujo nome é sobre todo o nome; Fp 2:9; expulsai todo o mal que ameaça tua serva e resgatai são, o corpo encarcerado pela enfermidade que parecem incuráveis aos olhos dos homens.
Pois, até à “Lázaro” que estava morto o ressuscitasse. Jo 11:43-44
Senhor Deus! Estendo-te as mãos, para que me sustentes.
Porque, se eu sustentar as tuas, talvez eu as solte na caminhada. Pois quero te pedir misericórdia em favor da tua serva que perece no leito.
Senhor Deus! Obrigado!
Pois, agora sei que estou contigo e estou seguro para sempre. Jr 41:10
Amém!


AUSÊNCIA E SAUDADE

Por questão de saúde, à Ir. Delzuita se afastara do Colégio N.S. da Conceição, nos últimos oito meses de vida. Por isso a saudade tomara conta daquela casa e de todos os que a amavam. Eu, sendo um deles, lhe escrevi também a seguinte mensagem:


PENSANDO EM TI

Num adorável dia de minha vida, o qual amanheceu sorrindo de alegria..., enquanto por ali eu passava, quase chorei de saudades, quando não mais consegui te vê, como era de costume.

Era crepúsculo da manhã e eu seguia a caminho do trabalho e então, parei em frente “O Colégio” e de longe fiquei contemplando a natureza que saudava o dia no seu crepúsculo matutino.

A cada momento, o colorido do céu, expulsava a sombra e retocava a luz num semitom de beleza colorida, ofuscada pela noite que já se despedia num tom azulado.

Gostaria que você estivesse comigo. Para que juntos pudéssemos nos maravilhar com tudo aquilo! Mas, fiquei só imaginando tua imagem, vestida naquele hábito branco, com um terço entre as mãos, a desfilar pela calçada e pelo jardim até a Gruta da imagem de Maria, meditando as coisas de Deus. E seu caminhar era como se num passe de mágica deslizasse pelas gotas de orvalho deixadas pelo sereno da noite que aos poucos desaparecia.
Eu estava estático. Enquanto entre nublados traços, a lua com sua luz néon ainda me olhava!

Aquele cenário parecia uma enorme tela de pintura, pintada pela mão do Senhor. Mas, sem ti seria morta e sem sentido.

Tudo aquilo eu queria te dar!
Era como se a cada momento fosse mostrado um novo cartão postal vivo, alterado apenas num tom, numa cor, numa luz, num cantar de passarinho, num grito, num eco ou numa mudança qualquer da natureza.

Eu estava ali como que hipnotizado com tudo o que eu via e imaginava.
Somente eu sabia o quanto você foi importante para mim, na minha educação e em boa parte do que eu me tornei!

Ali fechei os olhos e outra vez me senti criança, chegando cedo à escola, na sala com os colegas e a frente você com seu punho firme e sua voz estridente a nos dá lições para a vida e a melhor aula de Português!

- Nunca mais! Nem na faculdade eu tive uma professora como você!
- Hoje eu sou um poeta, graças a você que me ensinou a me expressar bem em nossa língua!
- E “a Banda1”...? Lembro quantas vezes eu lhe incomodava, treinando os pelotões e querendo viajar com ela? E você nos favorecia sempre e nos incentivava sempre nos acompanhando!

Hoje eu quero agradecer a você por tudo o que me proporcionou e dizer o quanto foi importante você ter estado à frente dessa grande escola “Colégio Nossa Senhora da Conceição”. Que como diretora e educadora, muito fez por todos nós alunos que por ali passaram. Como também influenciou professores na história da educação de Itabaiana.

Fique na certeza de que a semente que você plantou, já germinou frondou, florou e dará bons frutos em qualquer terreno.

Agora pedindo a Deus
Que me atenda em oração
Aplaque o meu coração
Mostrando-me o caminho teu
Pois, minha alma está aflita.
Como jamais tenho visto
Mas, sigo louvando a Cristo.
Pela Ir. Delzuita.


METADE DE MIM

Ainda um dia antes de sua eterna viagem, ela conseguiu ouvir o que lhe escrevi e não podendo conter a emoção, chorou de saudades.
Ciente de seu falecimento, o que causou uma perca irreparável a educação na nossa cidade Itabaiana e na Paraíba, como também do gênero conselheiro e amigável, fiquei um pouco alheio e dividido ao meio.
Então escrevi essa mensagem, que foi lida em público em conjunto com as anteriores, por ocasião da Missa de sétimo dia da morte da Ir. Delzuita.


PARTES

Como seguir sem que chegue o momento?
Chegue o momento que eu queira partir!
E que eu queira ir esse momento chegue.
Que essa semente alguém plante e regue;
Que o semeador também possa ir...
Que junto a mim só eu fique em casa...
Mas, que em minha casa só não more eu...
Que só metade de mim seja eu...
Que a outra metade seja a humanidade!
Que parte de mim tenha felicidade;
Pois parte de mim ainda é criança;
Mas, a outra parte amadureceu.
Que essa minha parte não perca a esperança,
Dessa outra parte que traz confiança;
Pois, parte de mim não sou mais morreu!


UMA PALAVRA COM DEUS

Após a viagem eterna da Ir. Delzuita, por aqueles dias, andei muito triste e buscava muito mais me refugiar no Senhor, nas minhas orações diárias. Na minha fragilidade espiritual, certa noite enquanto descansava após um dia de labor, fiz a seguinte oração:
Boa Noite Senhor!
Em primeiro lugar, quero te agradecer por tudo o quanto tens feito por mim!
- Olha Deus! Preciso imediatamente de sua ajuda.
- Tu me mostraste o caminho para chegar à Ti. Mas, a cada dia eu o vejo mais estreito e cheio de pedras e espinhos!
- Cada vez que cometo um erro, sinto a distância entre nós aumentar!
- Estou muito cansado!
Tenho tentado não errar. Mas, sou muito fraco.
- Venha em meu encontro Senhor! Não deixe que eu me perca no caminho...!
- Vejo-te todos os dias em tudo àquilo que forma o Universo! Porém, só não consigo te ver naquilo ou na maldade do homem que destrói a Natureza.
Agora vou tentar dormir. Ilumina-me nos meus sonhos, para que eu possa te conhecer melhor.
- Eis, que te estendo a mão...! Segura a minha mão Senhor! Se eu não mais acordar para esse mundo, não as solte jamais! Para que eu não me perca de ti!
Porém se acordar amanhã me cubra com o Teu Manto e derrama do teu Espírito, para que eu não venha me desviar do teu caminho e que eu possa aprendê-lo tão bem, para ensinar a meu irmão.
Senhor, pela confiança que tenho em Ti, agora posso descansar em paz.
Boa Noite meu Deus!


CERTO DIA FALANDO SÉRIO

Ir. Delzuita se fora para a eternidade, sua passagem serviu para fortalecer minha Fé e me aproximar mais de Jesus.

A partir daqueles dias, coisas surpreendentes me aconteceram. Porém a presença do Senhor se tornava mais forte em mim.

Outro fato surpreendente e desagradável naquele período também foi marcante para mim.

- Na primeira casa da Praça Epitácio Pessoa, nas esquinas do Beco do Rio Paraíba na cidade de Itabaiana, morava D. Terezinha Borba, pessoa maravilhosa que fazia gosto de alguém conhecer e parar par conversar com ela. Tinha quatro filhas e um filho: Lurdes, a mais velha, que havia estudado comigo no Colégio Nossa Senhora da Conceição e as outras eram: Cassina, Lindalva, Madalena e um filho pequeno Severino Borba.
Aconteceu que uma dessas colegas, Lindalva adoecera de um mal chamado de leucemia que foi fatal em sua vida. Deixando a família e amigos inconformados. Nós acompanhamos os últimos dias de Lindalva com bastante apreensão. Após o falecimento dela ficou um grande vazio em nossos corações. E eu senti uma grande necessidade de estar mais próximo de Deus. Então certa noite, escrevi a seguinte mensagem:

-“Hoje, na cálida e fria noite da minha solidão, no intervalo de meu labor, fiquei um longo tempo a contemplar a imensidão do firmamento estrelado e a me lembrar de Ti”. Contemplei ao máximo a lua, que no seu reluzir, coloria em círculo com as cores do arco-íris, as nuvens que por ela passavam rápido, sopradas pelos ventos contra-alísios.
- Quem me dera estar contigo. Para simplesmente desfrutar de tua companhia! E, somente isso bastava para mim!
- Mas, nesse momento percebi a distância entre nós. Separados pela minha imprudência!
- Fiquei imaginando o quanto és valioso para mim! Tudo o quanto fizeste por mim, tudo o que me deste e o tamanho da minha ingratidão, com as pouquíssimas vezes que te dei a mínima importância!
- Agradecer-Te? Uma vez ou outra!
- Defender-Te? Raras vezes!
- ...E a timidez enorme de falar contigo?
- Sempre me senti todo sem jeito de te pedir as coisas...!
- Sei bem que nunca te negaste em meu favor.
- Lembro-me de algumas vezes ter falado sério contigo e como foi bom! Mas depois me afastei e me senti só...!
- Lembra aquele dia que morreu uma colega minha a um palmo do meu nariz?
- Pois, eu a vi morrer aos poucos a cada dia, de um mal que é uma tolice diante de tua sabedoria! ...E por covardia minha não te convidei para irmos até lá! Ao menos conversar com ela...!
- Pela manhã, quando eu fui para o trabalho, ela havia morrido! Eu fiquei arrasado...!
- Eu sabia que ainda havia um jeito. Se eu fosse contigo até lá! .... Sim! Muitas vezes fizeste isso! Como fizeste a Lázaro e outros mais...!
- ...Mas, com vergonha de me chamarem de louco, não fui!
- Quando eu voltei do trabalho, já era o sepultamento dela...!
- Fico me remoendo até hoje...!
- Inda não sei por que agi assim...!
- Hoje, meus problemas andam tão sérios!
- Estão cobrando de mim o que eu não posso fazer!
- Nunca mais te encontrei! Nem mesmo quando eu vou a Tua casa...!
- Tenho medo de não mais te encontrar!
- Tenho medo de te perder de vez!
- Depois daquele dia, daquele sonho, que Tu me mostraste quantas coisas maravilhosas eu poderia fazer em Teu nome...! Eu perdi a calma...!
- Mas, a próxima vez que eu te encontrar, vou te pedir para ficar contigo para sempre!
- “Boa noite meu Jesus”!
-------------------------------------------------------------------------------

“A Banda1” – Banda marcial do Colégio N. S. da Conceição, que puxava os honrados desfiles cívicos da escola. Onde o autor tocou e regeu por vinte anos.

Fim.

Thiago Alves.



A Arte de Thiago Alves
Enviado por A Arte de Thiago Alves em 14/04/2019
Código do texto: T6623593
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
A Arte de Thiago Alves
João Pessoa - Paraíba - Brasil, 59 anos
179 textos (12078 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/09/19 11:15)
A Arte de Thiago Alves