Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Imagem em Domínio Público
Meus agradecimentos ao autor
Fonte: Wikimedia Commons - Imagens Livres
Para informações sobre o autor e sobre a imagem, favor clicar no link:

https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Playa_Bavaro,_Palmenpflege_538.jpg?uselang=pt-br


Surgiram não sei de onde...

(Cordel caipira inspirado no estilo do mestre Zé Roberto)


A vida é um pega-pega
Pega aqui, pega acolá
Napolião veio à Brasília
C'a Dilma quiria casá
Isbarrou cum Rei Artur
Que há tempo já estava lá
Intão rismungou o fracêis:
Eu garanto pra vocêis
Desse jeito num vai dá!

Soube que seu primo príncipe
E a Rainha Lizabé
Prucuravam a princesa
Que havia dado no pé
Indo atrais de Dom Juan
Que era ladrão de muié
Foi quando Napolião
Deu de cara c'o cidadão
Agarrando Salomé!

Êta trem danado... Gritou...
Vou buscá o Viniciu agora
Deve tá iscreveno samba
Mais eu sei onde ele mora
Fica lá na Groenlândia
Numa prantação de amora
É meu amigo do peito
Ele vem de quarqué jeito
Nem que seja usando ispora!

Napolião parou im Roma
Bateu papo com o Papa
Não falou muita besteira
Purque talvêis levasse um tapa
Negociou com Genghis Khan
E vendeu pra ele um mapa
Tirou o Judas da cadeia
Ele que fêis tanta coisa feia
Saiu, foi bebê garapa!

Napolião na Palestina
Falou c'um centurião
Mandou prendê Herodes
E jogá no camburão
Quiria cunsertá as coisa
Fazê uma revulução
Fechando os zóios pra crítica
Vortano à véia pulítica
Dos "templos" de Salomão!

Napolião depois entrou
Pro bando de Che Guevara
Lá pras banda de Alagoas
Na Fazenda da Taquara
Paquerou Maria Bunita
Que falou: iscuta cara:
Vou contá pro Lampião
Vai tê muita confusão
E tu apanha de vara!

Napolião e Santos Dumont
Já em terra brasileira
Abriram um iscritório
Na antiga rua da feira
Criaram uma impresa aéra
Acho que foi a primeira
Santos Dumont fêis o avião
Que decolou do Galeão
E caiu na Mantiqueira!

Napolião e Fidel Castro
Um fracêis e um cumunista
Fizeram a bomba tômica
Pubricaram na revista
Era pra quemá o mundo
Numa guerra nunca vista
Pararam, mas foi somente
Purque perderam de repente
A currida armamentista!

Surgiram não sei de onde
Zé Limeira e Zé Roberto
Jogando água no fogo
No momento mais que certo
Semiando puesias
Pelo mundo a céu aberto
No coquero eu subi
Só criditei no que vi
Purque cunteceu aqui, bem perto!


*****************************************************************

Interação recebida:


"Surgiram não sei de onde
Estes versos em poesia
Cordel que não se esconde
Pra alegrar o meu dia."

                           Poeta Olavo
Em 27/07/2019.


          Poeta amigo, muito obrigado pela honrosa interação.
                                                                    Henrique Secundino.


*****************************************************************

 
Henrique Secundino
Enviado por Henrique Secundino em 26/07/2019
Reeditado em 31/08/2019
Código do texto: T6704716
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (você deve sempre citar a autoria de Henrique Secundino). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Henrique Secundino
Uberaba - Minas Gerais - Brasil, 76 anos
147 textos (14674 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/09/19 21:04)
Henrique Secundino