Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Galope à Beira do Mar

           O Poeta e amigo Jota Garcia mostrou-me um time de onze meninos e meninas cantando repente num espaço cultural lá no Rio Grande do Norte e brincando disse-me: “Cuida-te Mozá,  aqui também tem muita semente de poesia pra brotar.”     E tem mesmo, só que eu topei a brincadeira e fiz esse Galope à Beira do Mar, que era o estilo exibido pela meninada.
       
          Galope na Beira do Mar
    Eu fui desafiado por Joaquim Garcia,
       A debulhar cordel frente a sua garotada,
          A ferrenha disputa estava encarniçada,
             Sem ninguém demonstrar gagueira na porfia
                Eu não sou de correr “pro mode” ventania,
                   Em certa ocasião, pulei do sétimo andar,
                      Salvando a moça para com ela casar,
                         Depois me mudei para as terras de Sergipe,
                            Para tomar cachaça no pé do alambique
                               E sigo galopando na beira do mar
                             
                               Eu armengo poesias em Alexandrino,
                            Confiando na tarimba do velho gogó,
                         Andei da Borborema ao seco Seridó,
                      Com Gonzagão cantando seu “baião granfino,”
                   Não me importo em cantar com homem ou menino,
                Se você sonha, posso também eu sonhar,
             Se você rima, posso melhor eu rimar,
          Na língua que você cantar, cantar eu quero,
       Seja na de Camões, Virgílio ou Homero,
    Nos dez pés de galope na beira do mar.
   
    Posso cantar em álgebra ou Geometria,
       No som do sabiá ou do corrupião,
          Fui criado com leite, cuscuz e feijão,
             Para poder cantar com bastante energia,
                Seja na Matemática ou Filosofia,
                   Donde eu sair duvido que outro possa entrar,
                      Se você chora eu rio e até posso cantar,
                         Seja no litoral ou confim do sertão,
                            Mas é no Piauí que está meu coração,
                               Galopando em xaxado na beira do mar.

                               Sei que a meninada é muito boa e valente,
                            Que está bem dirigida no seu proceder,
                         Esta bela cultura não pode morrer,
                      Inúmeros galopes virão pela frente,
                   Na beleza de voz desses pingos de gente,
                Tendo bastante lenha pra mente queimar,
             Mas não pise em meus calos venha devagar,
          Versos quebrados não são minha vocação
       Sei transformar um toco de pau em pilão,
    Nos dez pés de galope na beira do mar.
       
                 
     
                                     Aracaju Sergipe, 15/ 05/ 2019


Um Piauiense Armengador de Versos
Enviado por Um Piauiense Armengador de Versos em 17/05/2019
Código do texto: T6649695
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Um Piauiense Armengador de Versos
Aracaju - Sergipe - Brasil, 73 anos
583 textos (36357 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/10/19 14:40)
Um Piauiense Armengador de Versos