Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Autores

Sobre o autor
Um Piauiense Armengador de Versos
Aracaju - Sergipe - Brasil, 73 anos
587 textos (37247 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/11/19 14:16)
Um Piauiense Armengador de Versos

Textos do autor
Perfil
          Chamam-me de Mozaniel Almeida, sou piauiense de Teresina e tenho 7.2 anos de vida e resido em Aracaju desde 1989. Sou batizado, crismado, vacinado, carimbado, casado, registrado e tenho 7 filhos, todos criados e fora de perigos.
Estudei na Escola Técnica Federal do Piauí, sou da primeira turma de Agrimensura(1969). Na Universidade Federal de Sergipe-UFS. estudei Latim e Grego. "Sou o piauiense mais fanático que Deus colocou na face da terra... e se tiver outro eu mato. Aqui em Sergipe tenho água do Rio Parnaiba, terra do solo teresinense e pedras do chão piauiense." 
          Sou uma pessoa extrovertida, alegre, comunicativa, amiga, não obstante, tenho pouquíssimos amigos. Tenho dificuldade em fazer amizades, contudo, sei preservar as que tenho e as que tenho em geral duram eternidades.
Gosto de ler tudo o que me aparece pela frente, até bula de remédio... quando estou triste escrevo poemas, quando estou alegre escrevo contos.
Gosto de cachorro e tenho um de nome Shakespeare, mas gosto mesmo é de gente, desde que não sejam "metidas", de "nariz empinado", vulgares ou idiotas.
         As três coisas mais importantes na minha vida são: minha família, meu trabalho (embora aposentado)  e minha religião Católica Apostólica Romana. Sobre esses três assuntos não há barganha.
          Meus primeiros trabalhos foram publicados no (salvo crasso engano) jornal O ESTADO DO PIAUÍ, que pertencia (salvo engano maior) ao jornalista Josípio Lustosa, em Teresina. 
         Não tenho preconceito e nem pré conceito, não sou racista e menos ainda xenófobo, mas não dá para dizer abertamente que os norteamericanos sejam pessoas sociáveis, tolerantes e amigos de ninguém, por isso deixei de beber coca-cola e de usar qualquer produto que de lá venha e de aprender Inglês.
        Mesmo sem ser preconceituoso não me misturo com dois tipos de gente: Os intelectuais metidos à besta e as bestas metidas a intelectuais, ambos são igualmentes nocivos à sociedade.
        ARMENGAR é um verbo típico do léxico sergipano, por isso, deve ser desconhecido no resto do Brasil inzoneiro. Deve ser qualquer coisa como fazer gambiarra, improvisar de qualquer jeito, empírico, sem conhecimentos técnicos. Assim me fiz um piauiense armengador de versos.
        Gosto das coisas certas, mas não sou alucinado pela perfeição. Caso você queira um  amigo, abro-lhe meus braços pois o coração já se acha aberto muito antes de sua decisão.


Última atualização em 22/11/19 14:16