Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
— Por que você me reconheceu não é mesmo?
— Por favor me solta eu não conto para ninguém, esta doendo, sei que ele pagou. Pelo amor de Deus não faça isto!

Olhava para o breu da noite e entendia que precisava fazer o que estava naquele lugar para terminar o serviço. Mata-la.

Se ela soubesse que no manual do crime, não se deve reconhecer o sequestrador ela nunca diria que me conhecia e estaria viva para contar o livramento que passou.

Parei o carro, no lugar determinado. Era ali a desova onde terminaria com aquilo. O dinheiro do resgate foi pago. Um dedo numa caixa é bem convincente.

Ela suplicava pela vida. Eu precisava ser prático.
Coloquei-a, dentro daqueles pneus. Era sádico precisava ver ela implorar pela vida.

Ela estava suja suada  com cortes e arranhões. Depois de ter matado meus dois comparsas e estar com o dinheiro do resgate no porta-malas.      
     Precisava acabar com aquilo.


— Onde estou? Ela não via nada, afinal o capuz quase a sufocava.
Eu disse:
— Numa mata qualquer, sabe rezar, orar, se souber faça-o, pois já estou indo embora e você vai também.

Tirei o trinta e oito do porta-luvas do carro. Ela se contorcia envolta àqueles pneus. Tirei o galão de gasolina e molhei-a. Fiquei com raiva, pois não pude fumar meu cigarro naquele momento estava com muita vontade de dar aquela tragada.


— Seu Jorge, eu lhe imploro não me mate sou jovem, preciso da tua piedade.

Fui e sentei um pouco para escutar os gritos de desespero daquela moça, naquele lugar de esquecimento. Ninguém iria a ater a eles. 

O trinta e oito estava com duas balas somente. O suficiente.
Agora de frente a ela, coloco a arma dentro da sua boca. A adrenalina e o choro eram testemunhas do meu ato cruel.

Disse-lhe. — Implore...

— Seu Jorge não me mate, você tem o dinheiro, meu pai pagou, deixe-me viver.

Tirei a arma.

Caminhei um pouco junto ao carro.

Dei o tiro. Não pareceu fatal. Joguei o isqueiro acesso. A moça se contorcia e o fogo tomava conta.



Fiquei com raiva por ter perdido o meu isqueiro. Fiquei sentando tentando sintonizar alguma rádio, sem sucesso era longe.

Voltei e via olhos saírem, pele sapecar e um cheiro de churrasco que impregnou no meu corpo. Atirei na têmpora. Fiquei com sangue e fuligem na mão.

Acordei, não era um sonho era a realidade do meu crime. A moça, até hoje não foi encontrada. Meu (micro-ondas) foi bastante eficiente. Ela me reconheceu. Logo precisei matá-la. Entretanto, ela me persegue e o tempo não deixa eu esquecer daquele dia.


Notas do autor:
Este conto é especulativo, sobre o que ocorreu com uma pessoa famosa que desapareceu faz bastante tempo.
Waldryano
Enviado por Waldryano em 18/11/2019
Reeditado em 18/11/2019
Código do texto: T6797830
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
Waldryano
Telêmaco Borba - Paraná - Brasil
362 textos (31102 leituras)
45 áudios (1589 audições)
5 e-livros (76 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/08/20 10:07)
Waldryano