Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
UM SECREDO QUE TUDO MUDARIA


UM DIA, EM UMA LONGÍNGUA ALDEIA PERDIDA NO NORTE DE UM PAÍS EUROPEU, UMA JOVEM DAVA À LUZ UMA CRIANÇA. ERA UM MENINO. TODOS COMEMORARAM, POIS, SEGUNDO ERA SABIDO, EMBORA VIVESSE EM UM CASTELO, MUITO ABASTADA, SÓ TINHA MENINAS. PORTANTO, AQUELE ERA O PRIMEIRO HOMEM.
ENTRETANTO, DE ACORDO COM UM DAS VERSÕES DA LENDA, ELE SERIA UM LOBISOMEM, ASSIM QUE FIZESSE TREZES ANOS. A MÃE SABIA DISSO E TAMBÉM CONHECIA AS ORAÇÕES QUE DEVERIA FAZER PARA QUE TAL MALDIÇÃO NUNCA OCORRESSE. PORÉM, ESVAIU-SE EM UMA HEMORRAGIA. MAL PODIA FALAVA E AQUELES QUE A TENTAVAM SOCORRER NÃO ENTENDIAM QUE ELA CHAMAVA ATENÇÃO PARA SUA MÃO FECHADA, NA QUAL UM PAPEL CONTAVA O SECREDO. AS MÃES, MESMO QUANDO A CIÊNCIA POUCOS RECURSOS OFERECIA, SABIAM, O SER QUE TRAZIAM NO VENTRE, OU MELHOR, SENTIAM.
AQUELA SENHORA - QUE TANTO QUERIA PROTEGER AQUELE MENINO – FALECEU. PASSARAM-SE LONGOS ANOS. AGORA, UM RAPAZ, DE BELAS E DOCES FEIÇÕES PERCORRIA AQUELES CAMPOS E FLORESTAS, A PÉ OU A CAVALO, DEPERTANDO, NO CORAÇÃO DAS MENINAS SUSPIROS DE PAIXÃO. ELE TINHA SIDO EDUCADO FORA. MUITO POUCOS O CONHECIAM. COMENTAVA-SE QUE, NESSES PASSEIOS, SEMPRE ANDAVA SOLITÁRIO. CONTUDO, SE ALGUÉM DELE PRECISASSE, DIZIAM QUE ERA GENTIL E PRONTO A AJUDAR QUEM QUER QUE FOSSE.
NINGUÉM SE ATREVIA - A NÃO SER AS MÁS LINGUAS – A LEMBRAR QUE ELE ERA O SÉTIMO FILHO... E A LENDA É CRUEL, EMBORA TÃO MODIFICADA DE PAÍS PARA PAÍS.
SUAS IRMÃS - TODAS BEM CASADAS – O ACOLHIAM COMO O CAÇULA E SEMPRE DIZIAM QUE TINHA QUE ARRANJAR LOGO UMA ESPOSA. AFINAL, ELE ERA O DETENTOR - POR TRADIÇÃO – DA HERANÇA FAMILIAR. ELE RIA E IA VIVENDO. SEMPRE ISOLADO NO CASTELO. DIA APÓS DIA, PASSEAVA OU PERMANECIA EM SEU QUARTO LIGADO AO ESCRITÓRIO, NO QUAL RESOLVIA TUDO, VISTO QUE O PAI JÁ TINHA PARTIDO.
OS SERVIÇAIS ESTRANHAVAM QUE, NÃO RARO, ELE PERDESSE MUITAS ROUPAS DE QUE TANTO GOSTAVA, PRINCIPALMENTE QUANDO SAÍA DURANTE A NOITE. A EXPLICAÇÃO ERA SIMPLES: “ EU AS DEI A FULANO”.
ACONTECE QUE ANIMAIS ESTAVAM SUMINDO DA LOCALIDADE E DAS PRÓXIMAS TAMBÉM. NÃO HAVIA EXPLICAÇAO. QUANDO O LUAR TUDO PRATEAVA, AO OUTRO DIA, ENCONTRAVAM RESTOS PELAS FLORESTAS. PENSAVAM EM LOBOS. SÓ AOS POUCOS, COMEÇARAM A FALAR QUE HAVIA UM LOBISOMEN EM ALGUM LUGAR DAQUELAS CERCANIAS.
O DESTINO SEMPRE ESCREVENDO NOVAS PÁGINAS, TROUXE UM DIA ÀQUELE CASTELO, POR EQUÍVOCO, UMA LINDA GAROTA, QUE, POR ERRAR O CAMINHO, ALI PRECISOU PERNOITAR. OS OLHOS DE AMBOS SE ENCONTRARAM E O CORAÇÃO DOS DOIS – UM AO OUTRO – FICOU PRESO PARA SEMPRE. ELA VISITAVA UNS TIOS E FICARIA ALGUNS MESES.
A JOVEM, QUE POR ELE NUTRIA INTENSO SENTIMENTO, O VISITAVA, POIS ELE SE DIZIA OCUPADO. FREQUENTEMENE IA A VÁRIOS LOCAIS COM ELE. MAS, ESTRANHAMENTE, ELE PREFERIA A NOITE AO DIA PARA SAIR COM ELA. A LUZ DO LUAR O ATRAÍA. SEMPRE MUITO CARINHOSO, SÓ LHE FAZIA UM PEDIDO: “QUE NUNCA SE DECEPCIONASSE COM ELE, PORQUE HAVIA ALGO QUE ELE NÃO PODIA OU NÃO SABIA COMO CONTROLAR.”
AQUELA MENINA, DE TENRA IDADE DIZIA QUE NÃO TINHA MEDO DE NADA. DE ORIGEM NÓRDICA, GOSTAVA DE PERCORRER TODOS OS RECANTOS E SORRIA... SORRIA, ILUMINANDO OS MAIS ESCONDIDOS LOCAIS A QUE CHEGAVA. NÃO DEVIA TER MAIS QUE DEZESSEIS ANOS. ERA, APESAR DISSO, CONHECEDORA DE MUITAS LENDAS E FORA CRIADA POR SEUS AVÓS QUE LHE ENSINARAM VÁRIAS  E PODEROSAS ORAÇÕES. ERA UM SEGREDO DELES TAMBÉM. ELES SÓ O PASSAVAM A UMA DESCENDENTE ESPECIAL.
DURANTE UMA LINDA NOITE EM QUE A LUA CHEIA ESPARGIA SUA LUZ PELO LUGAR, AQUELA MOÇA, RESOLVEU SAIR E PASSEAR. APESAR DE MUITO HÁBIL, ACABOU ENTRANDO CADA VEZ MAIS NA FLORESTA DENSA QUE CERCAVA A ALDEIA E DELA NÃO CONSEGUIA SAIR.
QUANTO MAIS ANDAVA, MAIS ENTRAVA NA MATA. DE REPENTE, PETRIFICADA, ELA OUVIU UM HORRÍVEL SOM. PENSOU: “SÃO LOBOS. MEU DEUS, DEVO ME ESCONDER.” ASSIM FEZ E PROCUROU UMA CAVERNA, MUITO COMUM NO LOCAL.
POR SUA AUSÊNCIA, LOGO NOTADA, UM GRUPO DE HOMENS, PASSOU A NOITE À PROCURA DELA .
ENQUANDO ISSO, AO ENTRAR NAQUELA CAVERNA, ELA VIU, A PRINCÍPIO, COM PAVOR, O QUE NUNCA ESPERAVA. UM LOBISOMEM DEVORANDO SUA PRESA, COM FEROCIDADE. O QUE MAIS LHE CAUSOU ESPANTO, ENTRETANTO, FORAM OS RESTOS DE ROUPAS NA FERA. ELA OS CONHECIA BEM. ERAM DE SEU AMADO.
APAVORADA, MAS LEMBRANDO-SE DOS ENSINAMENTOS, TENTOU ESTABELECER CONTATO COM AQUELA CRIATURA, PELO OLHAR, ENQUANTO COM MUITA FÉ, DIZIA AS ORAÇÕES QUE APRENDERA. POUCO A POUCO, ELA ADORMECEU DE CANSAÇO. O DIA JÁ NASCERA, QUANDO ACORDOU E VIU, A SEU LADO,O HOMEM POR QUEM SE APAIXONARA, JÁ TRANSFORMADO, MAS COM EVIDÊNCIAS DAQUILO EM QUE SE TRANSFORMAVA.
ELA TENTOU ACORDÁ-LO, ESTRANHAMENTE, SEM MEDO. NESSE MOMENTO OUVIU O ALARIDO DE QUEM A PROCURAVA. NÃO CONSEGUIU EVITAR. O RAPAZ FOI MORTO A PANCADAS.
AO SER ENTERRADO, AO LADO DO QUE RESTAVA DE SUA MÃE, ENCONTRARAM NAS MÃOS DELA UMA ORAÇAO SEMELHANTE À QUE MENINA RECITOU.
AQUELE RAPAZ NÃO MAIS SE TRANSFORMARIA EM LOBISOMEM. MAS, DE NADA ADIANTOU...SÓ O CORAÇÃO DA MENINA GUARDOU, PARA SEMPRE, A VERDADE QUE APRENDERA E QUE MÃE DO RAPAZ TAMBÉM SABIA: O PODER DO VERDADEIRO AMOR E DA FÉ.
CONTA-SE QUE MENINA MORREU EM BREVE. ERA A ÚLTMA DE SUA FAMÍLIA.TAMBÉM LEVOU PARA O TÚMULO AS ORAÇÕES QUE FIZERA E DO SENTIMENTO QUE A FEZ PODER DIZÊ-LAS.












 
Luandro
Enviado por Luandro em 07/07/2018
Reeditado em 08/07/2018
Código do texto: T6384074
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Luandro
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 70 anos
215 textos (12110 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 27/01/20 05:40)

Site do Escritor