Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto


Estou em uma viagem sem volta
À Terra já não existe mais
 
Somos os últimos seres humanos
Sobrevivemos ao Armagedom
 
Todas as nossas esperanças
Estão em você
 
Minha estrela guia
 
Anos no espaço
 
Faz a tristeza
Tomar conta do meu ser
 
As pessoas se tornaram frias
A mecânica de agir corretamente
Faz com que sentimentos
Sejam camuflados
Ou extirpados
Sei lá;
 
Preciso sobreviver
Todos precisamos
 
E é através desta viagem sem fim
 
Que poderei te encontrar
 
Bendita estrela
 
Quem diria
 
Que em um lugar
Interestelar
Iria encontrar 
Um lar?
 
O amor na infinitude
Já não existe
Preciso guardar
No meu peito
Minha humanidade
 
...
 
Anos passaram...
 
Queria tanto te encontrar
Me guiastes
 
Fostes a minha esperança
 
Despedir
É necessário
 
Te amei
Em cada ano
Da minha existência
 
E sei que
A quem chegar
Haverá
Um planeta a morar
Afinal
Tú és
A minha
Minha 
Estrela guia.
 








Ilustração feita por um artista a partir de dados captados pelo satélite TESS da Nasa mostram o planeta TOI 700 d, o primeiro com tamanho da terra em uma zona habitável do universo. — Foto: Nasa/AFP









 
click e leia

Mãe o que é asteroide? Lara cutucava a mãe, que como todo o habitante da Terra não tirava os olhos da televisão, afinal, as notícias não eram das melhores.

"Filha você só tem seis anos, é melhor brincar e aproveitar bem os seus dias de criança."

Não entendia o porquê todos pareciam apreensivos. Até que a mãe recebeu a carta. Foi um oficial do Governo que trouxe, isto eu lembro. Apesar de ter seis anos de idade naquela época como não lembrar os olhos lacrimejados da minha mãe.

"Filha você esta salva!" Ela sorriu pegou no meu colo e me abraçou.

Foi a última vez que vi a mamãe.

O caos se instaurou completamente na Terra, saques, arrombamentos e gritos desesperados eram ouvidos enquanto alguns privilegiados por sorteio estavam sendo guardados em bankes de proteção. E outros jovens como eu, estavam indo passar por duas semanas de treinamento para a maior aventura da humanidade. Sobreviver.

— Vocês são crianças, todavia, também serão a esperança da humanidade. Eu só lembrava da mãe falar. Seja o que acontecer, saiba que eu te amo, e é necessário você ir com eles, e nunca chore, sempre olhe nos olhos das pessoas com confiança que tudo dará certo.

Tive que crescer anos naquelas semanas, observava crianças da minha idade, saírem da seleção por conta do comportamento. Eu era somente uma criança, mesmo passando todos os dias por psicólogos que analisavam o nosso comportamento eu era somente uma criança.

Estava prestes a embarcar em uma nave espacial que iria desbravar um lugar longínquo não entendia muito do que se falava, e por que tanta a preocupação com um asteroide.

Os dias estavam ficando negro isto é verdade.
Quando embarcamos, pessoas gritavam com filhos no colo querendo coloca-la no nosso êxodo. Estava vestida com uma roupa militar.

— Andem logo, já estamos atrasados do nosso cronograma!

Eram várias espaço nave, lembro que foram cinco no total.

Não sei precisar quantas pessoas.
Só sei dizer que após estar aqui no espaço compreendi a gravidade do acontecimento. Assistido com apreensão por todos da nave.
Antes de deitar naquela capsula, e acordar já jovem.

Foi assim eu lembro:

No monitor uns cinco adultos que nos assistiam também, observavam à Terra de longe, já fazia duas semanas que estávamos no espaço. Era o tal do asteroide que estava indo prestes à terra, no que comentavam na hora do refeitório ser o Armagedom.

Entendi na prática do que se travava o Armagedom quando vi aqueles adultos chorarem e se desesperarem dizendo.

Perda completa da Terra, somente resta nossa espaço nave.

Fomos os primeiros a embarcar e isto nos salvou, pois, as outras quatro espaço naves foram atingidas por destroços e por uma certa onda, que não entendi bem do que se tratava.

Recebemos alguma coisa de lá, todavia foi possível a restauração, em troca de vidas que se sacrificavam a cada mês que passava.

Antes de deitar naquela capsula que eu não entendia bem do que se tratava.

O moço disse:

"Ficarão hibernando por 10 anos lembram dos vídeos do ursos que a Maria mostrou para vocês?" Maria era uma professora que cuidava de nós somente depois soube que ela era uma psicóloga.

Quando acordarem terão atribuições aqui na Ragnarok, e serão importantes para o funcionamento do nosso novo lar.

E foram assim os meus dias:

Quando despertei daquele lugar já era uma adolescente de 16 anos, confesso que achei estranho acordar com aquele corpo. Maria já estava um pouco velha, e me explicou as minhas funções na nave. Explicou que seria a mecânica, depois de três meses de estudos tive que fazer vários reparos em diversos setores da Ragnarok, mostrou também o que eu tomei como guia para a minha vida.

A estrela guia.

— O nosso novo lar, — assim falavam.

À Terra já não existia, somente lembranças eram passadas naquele telão no refeitório do que outrora fora à Terra.

Depois de um ano de atividades, agora entendendo melhor do que se travava, fui novamente para a minha capsula criogênica, Maria sorriu ao fechar aquele compartimento de vidro e disse assim para mim:

— Se vemos aqui dez anos.

E foram deste modo os meus dias.
Ao acordar aprendia novas funções e vivia plenamente naquela escuridão o ano de fixação que outrora era importante viver. Recebia várias injeções e todos os dias era analisada com os amigos. Parecíamos ratos de laboratório, tal qual dos desenhos de infância na Terra.

O médico sempre falava.

"Esta tudo bem? Vocês são a esperança da humanidade."

Era um fardo muito grande ser a esperança da humanidade.

Quando despertei aos meus 26 anos
Tivemos, nós, mulheres, que gerar um filho, e isto tornou-se estranho. Pois, tinha que viver um ano fazendo tantas coisas, e com um peso a mais para suportar.
Éramos vinte seis mulheres.

— Sobre o Amor? Sei que existe relação entre homem e mulher, mas para nós nunca foi permitido, pois, nosso tempo era escasso e no final de 1 ano precisávamos voltar àquela cápsula.

Chorei quando tive que deixar uma criança de três meses.

Confesso que lembrava da mãe todas as vezes que via aquele menininho tão lindo.

Maria já velha dizia-nos:
"Não se preocupem, ele aprenderá com o tempo o que é ser um ser humano no espaço."
E foi assim os nossos anos:

 
Quando tive trinta e seis;
Quarenta e seis;
Cinquenta e seis;
Sessenta e seis;
Setenta e seis;

 
Oitenta e seis, o tempo passou. Agora o meu corpo já não é tão jovem. Nunca conheci meu filho, não foi assim permitido. Quando chegou o meu oitavo ciclo, descobri que a Estrela guia. Cuja qual eu tanto queria chegar. Nunca seria meu novo sol, nem conheceria o meu novo lar.

Alguns enlouqueceram no processo. Não eu.

Tive que suportar todos os anos até chegar o momento de saber. Que sim, fiz parte daquela história, e graças a minha vida e ao meu esforço.
Ragnarok chegará ao seu novo lar.
Waldryano
Enviado por Waldryano em 26/02/2020
Reeditado em 27/02/2020
Código do texto: T6874898
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
Waldryano
Telêmaco Borba - Paraná - Brasil
362 textos (31109 leituras)
45 áudios (1589 audições)
5 e-livros (76 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/08/20 02:42)
Waldryano