Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

images?q=tbn:ANd9GcTJSs5Kh5ahnqgdEODoT3S4l2ubbK0GAppehgZhkdyJEduiuuigeQ
(Imagem do Google)

Titina

 
Das vinte e quatro gravidezes de minha bisavó materna,  sete  desses rebentos partiram-se  precocemente. Acolhidos em sua companhia ficaram dezessete filhos, dez Marias e sete Josés. Estatura mediana, voz serena, uma fortaleza a Dona Florinda.
    O  encontro dos descendentes de Florinda e João em Abaeté, no Centro Oeste mineiro,  organizado por nossa prima Silvana juntamente com outros primos, ocorreu durante alguns anos. Bons momentos  ao sabor da culinária mineira, ao som de uma boa música e causos ao pé do ouvido. Família essa que  por algum tempo foi uma das mais numerosas de toda a região.

Titina era a primogênita dos 110 netos de minha bisavó. Era aquela irmã, sobrinha, tia que recebia visita da grande família, aqueles que moravam distantes não regressariam antes de vê-la. Agradabilíssima, prosa boa como todos diziam, aquela pessoa que você não queria se despedir, entre uma risada , um cafezinho e outro.

Há uns dois meses devido a questões de saúde culminadas com a perda de um sobrinho filho, foi-se debilitando e perdendo o quê mais lhe agraciava, seu sorriso.
Estive com ela um dia antes de sua partida, quando a vi, pálida, com um sorriso morno, à espera de um exame aqui em Belo Horizonte, abracei-a com o coração partido. Seria o penúltimo abraço, pensei. No final da tarde, feito o exame, despedimo-nos na sua volta para o interior e tive ali a certeza  dolorida    do  último abraço.
Início da noite, caminhando  pela Avenida Contorno na ida pra casa, meio desnorteada, lágrimas escorregando pela face, repensei mais sobre a complexidade que é a vida.

Tive uma noite insone relembrando os momentos que juntas passamos desde minha tenra idade, às vezes em que me carregou no colo de São Paulo a Minas na antiga Viação Cometa, o vestido de bolinhas  coloridas feito  com tanto esmero para mim, as primeiras lições escolares,  meu sapatinho preto  de verniz, as meias três quartos de pompons  ofertadas  por ela , usadas nas missas de domingo. 
No dia seguinte recebi a notícia da partida dessa irmã mais velha de mamãe. Fui vê-la, sob um céu cinzento no trajeto devido. Iria ao encontro do sorriso de Titina na mais longíqua esquina. Minha caixinha perolada  está destampada, e lá lhe vejo tal qual a  terna bailarina com os braços dispostos a nos abraçar, confortar...



 
Rosa Alves
Enviado por Rosa Alves em 18/08/2019
Reeditado em 20/08/2019
Código do texto: T6722883
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Rosa Alves
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil
148 textos (23288 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/09/19 10:31)
Rosa Alves