Deus Requer Santificação aos Cristãos 17

Publicado por: Silvio Dutra
Data: 30/11/2021
Classificação de conteúdo: seguro

Créditos

Texto: Silvio Dutra
Voz: Silvio Dutra

     

 

 

 

 

“"Por que, pois, dizes, ó Jacó, e falas, ó Israel: O meu caminho está encoberto ao SENHOR, e o meu direito passa despercebido ao meu Deus? Não sabes, não ouviste que o eterno Deus, o SENHOR, o Criador dos fins da terra, nem se cansa, nem se fatiga? Não se pode esquadrinhar o seu entendimento." [Is 40: 27, 28]

 

Nós veremos a seguir alguns trechos do livro de Thomas Hooker, intitulado "Para o Pobre Cristão Duvidoso".

Observe: Por quem Cristo veio ao mundo, e por quem Ele morreu quando veio?

Foi para os justos?

Eles não precisavam dEle; era para o pobre pecador que se julga, se condena, e descobre que não pode salvar a si mesmo.

“Respondeu-lhes Jesus: Os sãos não precisam de médico, e sim os doentes”.

“Não vim chamar justos, e sim pecadores, ao arrependimento”. [Mt 5: 31-32]

Paulo diz;

“... que Cristo Jesus veio ao mundo para salvar os pecadores, dos quais eu sou o principal”.[1 Tm 1: 15]

E o profeta:

“Naquele dia, haverá uma fonte aberta para a casa de Davi e para os habitantes de Jerusalém, para remover o pecado e a impureza”. [Zc 13: 1]

 

Há uma fonte aberta para remover o pecado e a impureza, isto é, para todos os tipos de pecados e todos os tipos de pecadores; sejam suas iniquidades cada vez maiores e vis, uma fonte aberta para eles..., venha quem quiser e lave-se.

Nunca houve ninguém salvo, que não fosse primeiro um rebelde, nem qualquer que fosse recebido com misericórdia, que não se opôs primeiro às misericórdias de Deus e à sua graça em Cristo.

As serpentes ardentes picaram as pessoas no deserto; primeiro eles foram picados, e então sendo picados, havia uma serpente de bronze para curá-los, mas observe a loucura desta súplica: qual Escritura já disse, que a grandeza do pecado do homem poderia impedir a grandeza da misericórdia de Deus?

Nenhuma Escritura diz isso.

Vemos que Davi ora ao contrário.

“Por causa do teu nome, Senhor, perdoa a minha iniquidade, que é grande. Volta-te para mim e tem compaixão, porque estou sozinho e aflito”. [Sl 25: 11, 16]

Tem misericórdia de mim, Senhor, e perdoa meus pecados, pois eles são grandes.

Não, o próprio Deus faz bem o contrário:

“... mas me deste trabalho com os teus pecados e me cansaste com as tuas iniquidades. Eu, eu mesmo, sou o que apago as tuas transgressões por amor de mim e dos teus pecados não me lembro”. [Is 43: 24,25]

Você me serviu com seus pecados e me fatigou com suas iniquidades; no entanto, eu sou o que apago as tuas transgressões por amor do meu nome.

 

Quando os judeus cansaram a Deus com suas maneiras distorcidas, e O oprimiram com seus atos pecaminosos, então o Senhor, por amor do Seu próprio nome, nem mesmo se lembraria de suas iniquidades, contra eles.

“Quanto dista o Oriente do Ocidente, assim afasta de nós as nossas transgressões”. [Sl 103: 12]

Ainda, observe que os pecados, embora sejam sempre tão hediondos de si mesmos, mas se a alma pode vê-los e o coração estar sobrecarregado com eles, então estão longe de impedir a obra da fé e torná-la incapaz de misericórdia, que antes lhe habilitam a ir a Cristo.

A verdade é (peço que você observe), não é propriamente nossa indignidade, mas nosso orgulho e arrogância que nos impedem de vir a Cristo - pois teríamos algo de nós mesmos, e não tudo dEle.

 

Mas, eu digo à alma angustiada que vê a vileza de seus pecados; suponha que seus pecados fossem menores - mesmo assim, com base em tal suposição, você não iria a Cristo, como se estivesse persuadido da franqueza de sua graça.

Em vez disso, porque seus pecados não são muitos, sob o conceito de que você tem algum valor em si mesmo, que traria algo a Cristo, e não receberia tudo dEle - então você recua.

Não é claro, então, que é seu orgulho e presunção que o atrapalham?

Você acha, que primeiro deve ter muita graça e santidade; e que Cristo não deve justificar o ímpio, senão apenas o homem piedoso, mas eu digo a você que, em tais termos, Ele nunca irá justificar você, nem qualquer homem enquanto o mundo existir, pois é a ímpios que se arrependem que Deus justifica.

 

“Por causa da indignidade da sua cobiça eu me indignei e feri o povo; escondi a face e indignei-me, mas rebelde, seguiu ele o caminho da sua escolha”. [Is 57: 17,18]

Fiquei irado (diz Deus) e bati nele; Eu me escondi, e ele foi obstinado no caminho de seu próprio coração.

Se isso pudesse atrapalhar Judá, ele nunca teria recebido misericórdia, mas o texto diz:

“... Ora, tu te prostituíste com muitos amantes; mas ainda assim, torna para mim, diz o Senhor”. [Jer 3: 1]

Eu vi seus caminhos e vou curá-lo.

Então, não é tarde demais, se um homem tem apenas um coração para voltar. Não há limitação das riquezas da graça gratuita de Deus, exceto o pecado contra o Espírito Santo.

Portanto, Cristo diz:

“Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele, comigo”. [Ap 3: 20]

Embora Ele clame até ficar rouco, e fique de pé até que esteja cansado, ainda assim Ele não se retira.

Se algum desgraçado adúltero ou enganador abrir a boca, o Senhor entrará e lhe trará uma reserva de conforto e jantará com ele.

 

“Quem, ó Deus, é semelhante a ti, que perdoas a iniquidade e te esqueces da transgressão do restante da tua herança? O Senhor não retém a sua ira para sempre, porque tem prazer na misericórdia”. [Mq 7: 18]

O Senhor mostra misericórdia, porque Ele vai mostrar misericórdia; não é porque você pode agradá-Lo, mas porque a misericórdia Lhe agrada.

Quando o Senhor mostrou misericórdia a Paulo?

Eu digo; mesmo quando Paulo expressou a maior malícia contra Ele.

“... Saulo, Saulo, por que me persegues”? [At 9: 4]

Paulo persegue a Cristo, mas Cristo se compadece dele e mostra-lhe misericórdia.

E assim, o carcereiro ranzinza, quando era o mais oposto aos meios da graça, o Senhor mesmo mostrou a maior compaixão por ele.

Aquele que antes resistia aos meios da graça, agora foi levado para casa, pelos mesmos meios a que resistiu.

1. A Palavra e os meios de graça (fé, oração, louvor, etc.) trabalham o bem, se eles o tornam mais sensível em sua dureza e frieza. Caso eles não funcionem tão bem, e da maneira que você deseja, no entanto se fazem você ver sua baixeza, sua dureza de coração e embotamento de espírito em relação ao corpo de morte que paira sobre você, então os meios de graça e a Palavra funcionam da melhor maneira, porque é à maneira de Deus, mesmo que não seja à sua.

 

Esse remédio funciona muito bem, porque deixa primeiro a pessoa ficar se sentindo doente antes de funcionar; assim é com a Palavra. Antes, você tinha um coração orgulhoso, portanto se elevava em suas próprias habilidades e confiava em sua própria força, e ainda; você pensou que seu cuidado e o aprimoramento dos meios fariam maravilhas.

Mas, agora a Palavra funciona docemente, quando faz você compreender que uma alma ferida é o dom de Deus; não o homem, nem os meios do homem funcionam, quando faz com que você olhe para Deus por causa disso, O preze quando você O tem, e espera em Deus fazendo suas orações diárias, para continuar assim.

Sentir a morte será vida, e sentir dureza é suavidade. 

 

2. Observe, eu imploro; você é a causa pela qual seu coração não se abranda e por que a Palavra não atua em sua alma.

A enfermidade de seu próprio coração impede a operação da Palavra, a dispensação da providência de Deus, e o teor da aliança da graça.

Você pensa em limitar o Santo de Israel, mas não pode, porque Sua aliança é uma aliança de graça, e o Senhor, que é livre, não lhe dará graça quando você desejar, pois não nos cabe saber os tempos e as estações.

Assim, não reclame de aparentes atrasos da parte do Senhor em visitá-lo, mas espere, porque Deus esperou por você muito tempo, portanto se Ele o faz esperar pela paz de consciência e pela certeza do seu amor, Ele lida com você, mas de forma justa, como será melhor para você. Deus dá, quando e como deseja, portanto espere por isso.

 

3. Saiba e considere, que você tem descansado e confiado apenas em seus próprios deveres e esforços, portanto não tem ido a Deus que abençoa, tanto os meios como todos os seus esforços.

Se um homem dependesse do poder e da misericórdia de Deus em suas ordenanças, ele sempre encontraria algum auxílio proporcional, tendo sucesso ou não; às vezes Deus dá, às vezes retarda o dar, mas o amor de Deus é tão constante quando Ele não dá, como quando Ele dá.

Assim, trabalhe para abandonar toda confiança carnal nos deveres sagrados. Não descanse em suas próprias atuações, mas olhe além de todos os deveres para Deus, em Cristo, e deseje que Ele lhe dê sucesso acima deles.

 

Observe como sua alma se comporta após o cumprimento de um dever; totalmente quieta e calma, embora viva em um curso diário e prática de pecado - de modo que ele ora e mente, jejua e trapaceia, e ainda assim, faz todo serviço que julga estar fazendo para Deus.

Digo-lhe, é um argumento indubitável, que a alma colocou uma confiança carnal em suas próprias atuações, e nunca alcançou o Senhor Jesus Cristo no dever, porque senão você estaria sentindo nojo do pecado e amando as coisas espirituais, celestiais e divinas, tendo real prazer nelas.

Observe o que se segue:

Cristo traz a virtude perdoadora e purgativa com Ele, e dá a este homem mais poder contra as corrupções e mais cuidado com sua própria alma, do que jamais teve antes, de modo que a alma começa a brigar consigo mesma, deita-se com vergonha e diz:

O que pensarei da minha oração e audição da Palavra?

Onde está a virtude e o poder disso?

Cristo, alguma vez ouviu minhas orações, ou entrou em minha alma por meio de suas ordenanças?

Onde está a virtude purificadora então, para me livrar de meus pecados e me limpar de minhas corrupções?

 

Esta é a base de um coração misericordioso: não depositar confiança nos santos deveres, mas apenas no Senhor Jesus Cristo.

Não se contentem com isso; que vejam a necessidade de um Salvador, porque suas mentes estão iluminadas e sua razão é persuadida, entretanto quando vocês colocam uma espécie de confiança no dever cumprido e serviço executado, assim pensam trazer Cristo à sua disposição; e enquanto isso você faz o que quiser.

Esta é uma grande astúcia de Satanás. Nisto, eu digo, que um homem pode ver a necessidade de um Salvador, mas não acalma sua alma, porque sabe que deve ser assim e descobre por experiência, que não pode evitar a si mesmo - a culpa do pecado ainda se apega a você, portanto um Salvador deve ajudá-lo agora.

 

Somente a real comunhão com Cristo tendo um coração, de fato purificado por Ele, pode gerar em nós verdadeiro amor por Deus, e prazer em praticar Sua Palavra, pois é somente assim que Seu poder nos é comunicado,  capacitando-nos para tal.

 

Silvio Dutra
Enviado por Silvio Dutra em 28/10/2021
Reeditado em 16/12/2021
Código do texto: T7373297
Classificação de conteúdo: seguro