Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Encontrei no Álbum de Família

                   As folhas secas de oliveira eram os marcadores das folhas que contam os fatos abaixo. Um dia elas seriam validadas pela curiosidade, e esse dia chegou. Ao final da leitura, o que era curiosidade, passou ser sabedoria.

  Conta-se que num velho e esquecido condado, havia um deles que representava cada classe. Trabalhando como líder, por exemplo, um louco para o grupo de loucos; um filósofo sabe-tudo, um extremista religioso, um herege para professar o caos humano e colocar em dúvida a existência de Deus.
               Outro fiel representante dos pássaros empurrava a vida, assoviando e chamando a passarinhada. Outro defensor dos animais. Outro e outro...
          Chico Luscufusco era representante dos loucos. Com o agravamento da suposta doença, Chico foi internado.
          Tomar os medicamentos, comer, dormir, beber, fazer as necessidades fisiológicas, sujar as águas; e às vezes ser amarrados à cama, e nada mais. A vida não passava dessas coisas. Tanto os dias dele, quanto dos demais, eram tediantes. Verdadeira loucura.
                 O sanatório iria passar por reformas e o diretor achou por bem, colocá-los para auxiliar nos trabalhos. No dia da apresentação às autoridades locais, todos eles foram à celebração uniformizados de branco, empurrando o carrinho de mão, com uma pá e uma enxada, dentro.
           Chico foi o último e apareceu ao desfile com o carrinho ao contrário, emborcado. O diretor e os organizadores do evento correram ao seu encontro; dizendo que não era daquela maneira que deveria empurrar o carrinho.
            Chico ouviu atentamente e em seguida, replicou: "entendo dotô, mas fizemos um ensaio e com o carrinho do jeito que o sinhô tá pedino, vão fazê como ontem, quando encherô ele de preda. Mas o dotô tá certo: tem que empurra de boca pra cima; mas o meu de boca pra cima, vai comê mais que eu, tô comeno."

Quem inventou a arte, fundamentou-a na tese, "que a arte imita a vida"; mas o artista que não apoia-se em teorias, teses e faz arte pura, prova o contrário, ou amíude, afirma que a insanidade imita a vida; e a vida, imita a arte.
      Os loucos varridos não respiram a arte. No entanto, são malabaristas e trapezistas, equilibrando o corpo e a alma nas cordas bambas da arte de viver.
   Para essa trupe, cada dia é uma peça teatral diferente, jamais repetida no decorrer de sua existência.
 Na insana arte de viver, sobreviver e respirar não bastam, é preciso ser criativo no criar e recriar.
             Ainda que vivam 150 anos, fatos que os comuns jamais saberão o significado; e se souberem, não ousam exercitar, pois comodidade e zona de conforto é enlevo protegido por leis e Estatutos governamentais, assinados pela família, os loucos são professores.
         A loucura é uma romaria de fé, a qual os loucos escondem os normais debaixo de duas constelações de estrelas, denominadas desigualdade e injustiça; cujo Ministério que regulamenta, criam e assinam as leis, é o Ministério da Mesmice.
              No mundo do comuns, tudo é igual. Milimetricamente, antropofagicamente, geometricamente igual. E até no atestado de óbito, a causa é igual: causa mortis, Covid-19.
         É dureza para os normais e comuns, roer ossos em terra de loucos varridos. Sobretudo, a ignorância, somada à boçalidade e as doidices dos sanos, é via de mão dupla; portanto, elasticamente até romper, vai e vêm.
Mutável Gambiarreiro
Enviado por Mutável Gambiarreiro em 24/05/2020
Reeditado em 24/05/2020
Código do texto: T6956888
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Sobre o autor
Mutável Gambiarreiro
Jegue é - Tovuz - Azerbaijão
3086 textos (69159 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/03/21 22:57)
Mutável Gambiarreiro