Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

TREINANDO TROVAS – Sinceridade

Estou nesse treinamento difícil, mas conseguirei tenho certeza!

Meu pai sempre dizia

Meu filho seja do bem

Não viva na euforia

Nunca maltrate a ninguém

 

Minha mãe do mesmo jeito

Repetia sem parar

Respeite qualquer sujeito

Não pense em esnobar

 

Viva com o que ganhar

Não gaste o que não tem

Compre se puder pagar

Nem minta por um vintém

 

Seja firme e honesto

Sincero até demais

Porém com muito cuidado

Porque somos mortais

 

Procure sempre a justeza

Da amizade sincera

Ande com muita firmeza

Milagre não se espera

 

Muitas vezes há engano

Com alguma amizade

Pois neste mundo profano

Ocorre muita maldade

 

Vou lhe contar certa vez

Tive uma decepção

Um cara sem altivez

Machucou meu coração

 

Começou me enganando

Roubando-me pra valer

Julguei estava zoando

Em pleno alvorecer

 

Digo-lhe quem mente afana

Pode roubar sem mentir

Ladrão adora uma grana

Preciso lhe advertir

 

Mas há os que surrupiam

Dos outros a confiança

Muitas vezes nem expiam

Fazem aquela lambança

 

Franqueza é qualidade

Um sentimento profundo

Pratique a lealdade

Só isso vale no mundo

 

Quando seu pai era vivo

Não comprava nem fiado

Um sujeito bem altivo

E também desconfiado

 

Dívida nunca deixou

Juro, essa é a verdade

Dinheiro bem manejou

Com muita honestidade

 

Rico ele não quis ficar

Preferiu dormir em paz

No seu velho travesseiro

Repousava o audaz

 

O povo a ele dizia

Deveras com insistência

Homem bom é burguesia

Não precisa violência

 

A vantagem de seu pai

Aprendeu a ser honesto

No crime quem vai não sai

É um sofrer indigesto

 

Carregou frete na feira

Até siri, sim pescou

Nunca caiu na asneira

Rico também não ficou

 

Chegou a pedir esmola

Quando ainda menino

Nunca entrou na cachola

Cometer tal desatino

 

Diplomou-se marceneiro

A profissão de Jesus

Não deu valor a dinheiro

Nem quis padecer na cruz

 

Vendia em tabuleiro

Pela noite na festança

Todo o seu apurado

Era nossa esperança

 

Chocolate e chiclete

Sonho de valsa também

Detestava omelete

Perdi um homem de bem

 

Vou ficando e calar

Tô falando muito até

Senão posso até pagar

E ser presa a migué (+)

 

(+) – à toa, relaxado, largado, sem interesse. Dicionário Flávio Márcio de Termos Nordestinos.

 

Em revisão.

                 

 

 

28/01/2011 21h01min - MELRIS CALDEIRA, Interação, muito obrigado.

 

CABRA DA PESTE VOCE É

SABE BEM COMO TROVAR

VOU FAZER-TE UM CAFUNÉ

PRA VOCE CONTINUAR

 

TODO MUNDO QUEREM BIS

DE SUA OBRA GENIAL

JUNTOS, VAMOS APLAUDIR

UM POETA SENSACIONAL

 

SOLIDÃO EU SENTI

A TRISTEZA ACOMPANHOU

QUANDO VI VOCE PARTI

DO SONHO QUE ME ROUBOU

 

O MEU CORAÇÃO CHOROU

AMARGURADA FIQUEI

O MUNDO DESABOU

REVOLTADA, ME TRANQUEI

 

CONSTRUI CASTELOS

EM AREIA MOVEDIÇA

FAZENDO DO FEIO, UM BELO

SEM MALDADE, SEM MALICIA

 

ansilgus
Enviado por ansilgus em 20/08/2010
Reeditado em 29/01/2011
Código do texto: T2448988
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
ansilgus
Recife - Pernambuco - Brasil
1654 textos (333921 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/19 12:13)
ansilgus