Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

POIESIS: O FAZER CRIANDO

POIESIS. Há tempos não nos víamos.
Estive duvidoso que ainda estivesses viva.
Hoje entrei em estado de fascínio.
https://www.recantodasletras.com.br/prosapoetica/6225163

Nesse viés de descobertas do que não é comum ou usual em termos de texto e propostas nele contidas, tudo se torna mais complicado, mais difícil de ser entendido por quem não é um iniciado nas Letras. Vale dizer, constata-se que o autor não teve uma história pessoal de apresentação, de conivência e de conluio com o universo de leitura e o consequente pensar a partir desta provocação: o da reflexão dentro da cabeça do receptor e o do refletir-se para fora, e não somente o imbricante e desafiador território do sentir e suas complexas tessituras, ou seja, a reunião dos fios psicológico-intelectivos que se atravessam durante a urdidura da proposta verbal que se quer propor ao leitor.

O “fazer criando”, não é meramente a consecução do ato de escrever, e sim a produção da escrita literária com suas exigências formais de conteúdo estético e a possibilidade de que ocorra, a partir da comoção do receptor, o momento desconcertante da estranheza frente ao inusitado. E tendo as figuras de linguagem como protagonistas – principalmente as metáforas e a imagética que produzem – vão desconsertando tudo, até que haja o rítmico concerto sobre signos, em que os significantes e os significados desvelam e desafiam o sentido original da palavra, dando a esta novo contexto e abrangência. É este universo único que produz imagens inesperadas e reflexões originais: o Novo.

Enfim, na Poesia, a palavra veste o seu vestido de festa, e quando curte os seus passos de dança, confunde a todos, porque as imagens mudam constantemente: a palavra não é mais a mesma e os signos nela contidos explodem na comoção haurida pelo bafejo da palavra. Nem mais somos nós mesmos, pois o mundo tem, no repente da recepção do poema, nova regência emocional. E perturba tanto como o atroar de um relâmpago, ferindo os neurônios e produzindo um misto de espanto e, por vezes, um incontido temor. Um inacessível trovejo dando ordenamento aos sons que se movem intimamente, tal o miado de aflição de um gato em fuga, à procura de proteção.

E o eventual destinatário, o receptor – aquele que nunca se sabe quem é ou qual a sua identidade – é quem dará abrigo ou não a esta desesperada fuga do lugar comum da vida. Porque a Poética é água fresca oferecida num dia de calor intenso ou o alfinete ou a picada do inseto (ou escorpião) que, pelo inchaço imediato causa forte mal-estar, e dói ao desespero. Tudo com vistas a se chegar a um momento de intensa comoção e/ou felicidade que possa trazer amor, paz e alguma consistência favorável para o dia subsequente. Não muito nem por muito tempo, porque o bom poema (com Poesia) é apenas uma centelha de esperança. Um hausto mais longo e profundo no respirar, como quem acorda de um reconfortante sono.

– Do livro inédito OFICINA DO VERSO: O Exercício do Sentir Poético, vol. 02; 2015/18.
https://www.recantodasletras.com.br/teorialiteraria/6516400
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 01/12/2018
Reeditado em 01/12/2018
Código do texto: T6516400
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 73 anos
3585 textos (902875 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/07/20 17:19)
Joaquim Moncks