Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

SEM O LEITOR, O POEMA É MATÉRIA MORTA

Quando o texto não apresenta codificação verbal e, consequentemente, não leva a uma imediata construção de imagens na cabeça do leitor, não ocorre o necessário processo sensitivo para que se caracterize a Poesia enquanto arte e gênero literário autônomo: a estranheza para com a peça que se tem diante dos olhos ou que adentra aos ouvidos. O texto que não propõe a tal sensação de "estranheza" no receptor, pode chegar no máximo à Prosa Poética: um gênero híbrido que também possui beleza estética e enlevo rítmico, mas que não se confunde com a Poesia, exatamente devido à codificação verbal, que na prosa é bem mais rarefeita e menos profunda. Em regra, a Poesia é construída através da presença de metáforas polivalentes (enquanto na prosa poética elas são monovalentes), as quais levam naturalmente à codificação, o que permite que cada receptor a tenha em maior ou menor envolvimento circunstancial e imediata receptividade ou não. Cada poeta dá o que tem quanto às ideias e o exercício do sentir, mas quem efetivamente constrói-se (imantado por elas e pela comoção que advém de imediato) através da imagética é o receptor, a partir do que lhe é sugerido pelo texto, através do conjunto de significantes e significados apresentado pelo criador artístico. Porém, é a partir do poeta-leitor, segundo a teoria da Estética da Recepção, de Hans Robert Jauss, nascida em 1967 na Universidade de Constança, na Alemanha, que se vivifica, no mundo dos fatos, a inicial garatuja poética advinda do escrito recém-parido, por vezes ainda manuscrito. A esta corrente me afilio como estudioso de Poesia – é esta posição teórica a que mais me satisfaz para tentar explicar a fenomenologia do poético. São os olhos do leitor que perfazem e ratificam a beleza estética de modo a que a Poesia venha a respirar, isto é, adquirir vida autônoma, a efetivamente existir, enquanto proposta de reflexão no recôndito do poema e seus significativos efeitos. O poema é a peça pejada de Poesia, a sua tradução codificada: materialidade do gênero poético apresentada num original e singular objeto literário capaz de produzir inusitadas imagens e reflexões no seu eventual receptor. Quem sabe dos efeitos plásticos do exercício do sentir é o leitor. Ao poeta-autor cabe apenas apresentar ao eventual desconhecido a obra lírica grávida de sugestão. É inconveniente o poeta-autor manifestar-se sobre o poema e/ou o que ele contém ou o que ele "quer dizer". Se o autor da peça assim proceder, estará ‘matando o poema’, vale dizer, negando a sua validade, eis que este é fonte que se basta com força de sugestão e capacidade para produzir o Novo: uma proposta imagética e estética. Tentar explicar o poema é decretar a sua morte, a sua negação como proposta estética. Portanto, sem que o receptor quando do ato de leitura o abone e se aposse dele (ou não) como seu, o escrito poético nada mais é do que matéria morta. Mesmo que o espiritual (ou o Ego ansioso ou inflado) do poeta-autor acredite que haja produzido a sua mais recente obra-prima.

– Do livro OFICINA DO VERSO: O Exercício do Sentir Poético, vol. 02; 2015/18.
https://www.recantodasletras.com.br/teorialiteraria/6470280
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 07/10/2018
Reeditado em 09/10/2018
Código do texto: T6470280
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 73 anos
3483 textos (870069 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/11/19 01:23)
Joaquim Moncks