Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
MIGUEL TORGA ETERNO



Tema: PALAVRA DESENCADEADORA DE AÇÃO - Conto "SÉSAMO"

Três sequências: 1-situação inicial - cidade de Urros - noite - Raul assistência / 2-influência do "Abre-te, Sésamo" - dois agentes: a-influência em Rodrigo - sai com rebanho, decide provar seu poder (chega ao alto, decide agir) - índice em "ele, amalucado", facilmente influenciado pelo mito --- b-influência no rebanho - rebanho sai, pasta, bale sozinho sem resposta do pastor / 3-"Abre-te, Monte da Forca!" - grita, transfiguração, grita, grita X retorno, desilude-se, apercebe-se do rebanho --- encontra a realidade, desilude-se, descobre seu verdadeiro valor no nascimento da ovelhinha.

Transfiguração - não mais pequeno pastor e sim agora feiticeiro. --- Retorno - volta a ser criança, "rosto infantil e desiudido". --- Encontro com o real - volta a ser pastor; quem se abre é o ventre da ovelha e não o da montanha (riqueza real e não mítica).

Palavra mágica - Sésamo, referência nítida a "Ali Babá e os 40 ladrões". Rodrigo quer o poder de atuar sobre a montanha com a ajuda da palavra; apropriar-se do mito (palavra mágica), dominar a montanha e a seguir o mundo: super-valorização do mito, mas o maravilhoso está na terra /desmistificação/.

Nível do discurso: grupo 1 - Raul (hipnotizador), doador da palavra mágica; Rodrigo, receptor da palavra mágica / grupo 2 - Urros (grupo social, profissional, religioso etc.): primeiro nível - plano do real sem brechas para o mito --- segundo nível - brechas para o mito, Raul = mágico --- terceiro nível - sub-estimação do mito: povo se impressiona, mas não acredita (acha a palavra fantástica, mas não mágica) --- quarto nível - super-estimação: Rodrigo abre uma brecha para o real que se torna mágico, mas somente pela metade - "um cordeiro nasce, o outro fica ainda no ventre fechado da mãe ovelha".

Segundo BRÉMMOND, somente um agente - Rodrigo. / Aperfeiçoamento mítico a obter: possuir o mito. / Degradação: o monte não se abre e ele ouve apenas o som de sua própria voz.

Ali-Babá - ouvir palavra mágica - ver montanha se abrir = real --- Sésamo - ouvir idem - ver idem = mito --- Rodrigo - ouvir balido de ovelha - ver ventre se abrir = real

Actantes - Raul - sabe falar bem, doador da palavra mágica; Rodrigo - impressiona-se, receptor da palavra mágica; clã - realidade natureza, agressores do mundo mítico de Rodrigo

Palavra funcionando - princesa buscada
Palavra ativa - natureza passiva

Equilíbrio permanece em todas as pessoas; desequilíbrio - Rodrigo ouve apenas o eco de sua própria voz; reequilíbrio - nascimento do cordeirinho.

Tempo cronológico X tempo psicológico.

---------------------------------------------------------------------------------

Tema: A HUMANIZAÇÃO DO DIVINO - Conto "O SENHOR"

Vida X morte - terra fertilizada e não fertilizada ----- Terra e homem - ligaos (sinônimos); "homem, bicho terroso" (TORGA)

Cinco faixas no conto: 1-tempo de arar - vai até quando dia se finda / 2-tempo de celebração (ritual) - beber e sentir a terra (ritual de vida da terra) - sinestesia positiva - até dobrar o sino, que é sinal negativo de morte --- 2 níveis: primeiro - ritual de terra, arar a terra / 3-tempo de ameaça - Deus chama para a morte; Deus negativo = morte; tempo constrangedor - até entrada no moinho e conformação do moleiro pela provável morte da mulher / 4-tempo de colheita - arranjos do padre para efetuar o parto, o despir dos paramentos (inúteis etc.) - até o sono de Filomena / 5-tempo de desmistificação ou desmitificação - "a luz de Deus não tem forças para atravessar paredes" - comunhão de Deus com humanidade - valores mudam de sinal / novamente 2 - a procissão - sinal positivo de vida --- segundo - nível do homem - colheita da criança e procissão que retorna à igreja.

TORGA, vocábulo - plantinha insignificante, mas cujas raízes não saem da terra nem morrem nunca, mesmo quando a tentam arrancar violentamente.

vida - morte - vida / plantação - ameaça - colheita

Todos encontram paz após colheita: Filomena (que dorme), padre, marido etc.

Início: hóstia e padre (Deus será a morte) - isolados, separados / final: SENHOR glorioso (integração de Deus com vida) - formam um só elemento:

vida X morte - terra e homem / homem X Deus - homem - Deus

ou seja: terra - homem/semear = homem/colher

Dois sujeitos e um intermediário: Senhor - dono da morte (levar a extrema unção e conduzir pelos caminhos da morte) / Padre - entre divino e humano / Homem - dono da vida (dar vida à criança).

SENHOR (deus ou o dono) X HOMEM (Senhor, dono da vida) - diferenças de significado, quando deus e Deus.

Aperfeiçoamento a obter: conduzir pelos caminhos da vida --- conduzir pelos caminhos da morte / Processo de aperfeiçoamento: sino chama os homens para a morte --- conseguir vida: arar...colher / Degradação possível: no processo de degradação do Senhor, pequena ameaça (não efetuada), quando alguns homens abandonam a procissão --- homens seguem da morte; ameaça de degradação o atender morte e nãovida / Processo de aperfeiçoamento: homens que acompanham procissão acreditam no divino X chamar criança à vida / Processo de degradação: "sacramentos inúteis" - ninguém acompanhou deus para caminhos da morte / Degradação realizada: abandono, desmitificação / Aperfeiçoamento: nascimento-vida.

Deus conduz homem pelo caminho da vida.

Logo, DEUs --- DEUS = HOMEM.

---------------------------------------------------------------------------------
Tema: O CONFLITO DOS CÓDIGOS - Conto A CONFISSÃO

Dois momentos: lembrança e desenvolvimento.
Desequilíbrio - interrogatório e fuga
Reequilíbrio - regresso à terra natal após 50 anos de ausência
Equilíbrio - obtido pela confissão de Reinaldo (verdadeiro culpado) ao Prior

Personagens; Guarda - justiça social, agressor X Bernardo - justiça moral, herói-vítima; Reinaldo - agressor, verdadeiro culpado; princesa - objeto buscado, justiça-reabilitação; padre Artur - doador da palavra mágica, a confissão de Reinaldo.

Lei moral (ser) - B-inocência, R-culpa
Lei social (parecer) - R-inocência, B-culpa
Lei social - sempre adjetivada - exemplo: "diabo" = guarda, sociedade. Diabo (maiúscula, valorização) X justiça (minúscula, desvalorização). Guarda e resto do mundo - carrascos.

Código de tradição popular - "...mas um homem é um homem, e quem não deve, não teme": discurso indireto livre - Bernardo.

"Todos o consideravam culpado" - ninguém o apoiava. / Padre - "Eu sempre acreditei na tua inocência, rapaz" --- rapaz, palavra significativa, mas ele agora é um velho (padre devia ter falado 50 anos antes) --- padre, aqui, fala como porta-voz da comunidade --- "Melancolicamente, pegou na mala" - nenhuma opinião lhe importava agora; o mais importante, "rever a casa paterna" (outra princesa buscada) --- o ainda mais importante: "ânsia de vingança" --- suspeita de Reinaldo - incerteza (seria Reinaldo o culpado?) --- palavras do padre - certeza (confissão de Reinaldo) --- vingança não executada; Reinaldo já morto, mesmo assim ganha de Bernardo duas bofetadas..

---------------------------------------------------------------------------------

Tema: A TERRA E A VIDA - Conto "RENOVO"

Três sequências: 1-o tocar do sino / 2-o calar do sino / 3-o re-tocar do sino.

------------------------------00000000000000-------------------------------

LEIAM meus trabalhos UNIDADE ARTÍSTICA EM "NOVOS CONTOS DA MONTANHA" e SUBINDO NOVAMENTE A MONTANHA...

F I M






 
Rubemar Alves
Enviado por Rubemar Alves em 07/10/2018
Código do texto: T6470168
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Rubemar Alves
Salto - São Paulo - Brasil, 52 anos
887 textos (51253 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/11/19 08:29)
Rubemar Alves