Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

EXISTENCIALISMO PORTUGUÊS - FINAL


 
3---APARIÇÃO, de VERGÍLIO FERREIRA - CONCLUSÃO - Primeiro romance em 1943, "O caminho fica longe", obra influenciada pela técnica cinematográfica e voltada para os tempos de estudante em Coimbra; desfecho psicológico, abre uma perspectiva neo-realista, indicando à personagem principal uma solução sócio-econômica para sua problemática humana.     ---  Não se trata de aparições fantasmagóricas e sim da significação do eu, este aparecendo a si mesmo.  Ó, sim, APARIÇÃO, romance-ensaio:   vanguarda preocupada com filosofia-ensaística.  /"Sofia" quer dizer sabedoria.  Existencialismo, filosofia também do amor livre?!/  Mas arcabouço - estrutura íntima - do romance tradicional:  personagens bem definidas, embora sem qualquer preocupação psicológica intencional, e descrição externa à lá EÇA DE QUEIROZ:  caráter de modernidade + atitude predominantemente impressionista.  Do ponto de vista da linguagem, VERGÍLIO, um clássico.  um apolíneo (correção professoral da frase castiça e clareza e simetria dos períodos).  Romancista atual.  Ao construir o romance, preocupação central menos no fenômeno da linguagem como criação artística e mais no próprio ideário filosófico de que a ficção vai impregnar-se, e com isso ganha o romance-ensaio.  Ficção de universo angustiado, visão fenomenológica e existencial do homem, mergulhado no micro-universo de si mesmo, problemática ontológica.  Aparição do homem ao homem, do ser ao ser, face à face, aparição relacionada entre personagens que descobrem o problema, soluções diversas, da acomodação à loucura, grande parte deles nem chega a descobri-lo.  Multiplicidade de soluções - a própria solução metafísica de ALBERTO SOARES  (a do ser, de HEIDEGGER) em contraste com a solução alucinante de Carolino-Bexiguinha ou a de Ana, após a descoberta do problema, refugiada na tranquiidade do lar e da religião.  Sofia viu solução na falta de solução, paradoxalmente.  Solução de Chico? - apenas viu em Alberto o responsável pela tragédia do assassinato.  Alberto, professor como Vergílio, descortina uma visão de mundo, raízes nas teses básicas da fenomenologia e do existencialismo;  ponto de vista interno, primeira pessoa, tudo centralizado nele, catalizador de reações humanas, encaradas de um ponto de vista sempre psicológico.  Narrador-protagonista no meio de outros contrastivos e antagônicos, tanto confidentes como secundários - homem centrado num próprio homem, humanização integral, sem deuses ou mitologias, homem dono de si mesmo.
 
           -------------------------------------------------------------
FONTE:
 
"Vergílio Ferreira e o romance da verticalidade humana", de Leodegário A. de Azevedo Filho - Rio, II Congresso Brasileiro de Língua e Literatura, julho/1972.
 
                                             F  I  M
Rubemar Alves
Enviado por Rubemar Alves em 20/09/2018
Código do texto: T6454734
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Rubemar Alves
Salto - São Paulo - Brasil, 52 anos
881 textos (51026 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/11/19 09:13)
Rubemar Alves