Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O CACOETE DA CONDENAÇÃO À POESIA

O escritor de textos curtos que pretender encontrar-se com a Poética, necessita ler e refletir sobre centenas ou milhares de poemas que contenham os elementos identificadores do gênero. Enfim, precisa tomar contato com a Poesia, seus meandros e sortilégios. Tomar conhecimento das escolas do verso clássico e da contemporaneidade; dos costumeiros e usuais formatos; dos recursos identificadores e/ou características marcantes de autores consagrados em cada período do itinerário da humanidade e de seu amadurecimento, afim de poder entender o registro através dos signos estéticos peculiares à Poética; aprender e colher frutos, criteriosa e ordenadamente com esta experimentação, percebendo a fixação do andamento rítmico dos versos e do universo próprio a cada poeta-autor e apreendendo estilos e um incontável número de palavras novas e seus significados; a reconhecer e identificar as figuras de linguagem, especialmente a metáfora e seus diversificados efeitos imagéticos. É necessário apreender e aplicar os recursos estilísticos ao texto para que tome características de poeticidade e se apresente poeticamente, especialmente através da utilização da metáfora – a princesa da linguagem. É urgente educar os ouvidos a fim de perceber os cacófatos e cacofonias, os pleonasmos viciosos e outras preciosidades adversas anteriormente imperceptíveis. Acabará adquirindo um olhar clínico para o fenômeno poético e do exercitar sobrevirá um andamento rítmico pessoalizado, individual; advirá, através da pertinácia e do empenho, sem que o poeta-autor se aperceba por inteiro, por absorção e convivência, um genuíno e original cacoete poético dentro da cabeça do criador: o espiritual passa a ser um eito mais meticuloso – menos espontâneo ou imediatista – e parece dar um comando ao cérebro: Cautela, meu estro criador, pois estamos dando voz e vez ao Mistério, o único que realmente produz o poema com Poesia! E mais: o ordenamento psíquico-intelecto-sensível sabe que a partir daquele momento a linguagem já não é mais aquela costumeira ao cotidiano: aberta, derramada, entendível. Resta então instalada a linguagem em sentido conotativo, reflexiva, codificada, pejada de estranhamentos, portanto em plenitude, densa de significantes e significados. E o poeta-autor entra em “Estado de Poesia” e começa a lançar suas garatujas no mundo dos fatos – aquele do patamar de realidades que a fez nascer como instrumento de felicidade – capaz de produzir no receptor a luz de um mundo novo, curiosamente com apreciável dose de verossimilhança. É tão fortemente veraz a descrição deste universo trágico-lírico, que se escafede a irrealidade, a farsa e o sonho, graças à habilidade intelectiva e o talento instintivo do poeta-autor acrescido do conhecimento no campo simbológico da Poesia. E a Arte recria a vida através do poema com Poesia.

– Do livro inédito OFICINA DO VERSO: O Exercício do Sentir Poético, vol. 02; 2015/18.
https://www.recantodasletras.com.br/teorialiteraria/6409502
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 04/08/2018
Reeditado em 05/08/2018
Código do texto: T6409502
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 73 anos
3483 textos (869769 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/11/19 09:18)
Joaquim Moncks