Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Teoria Musical #003: Dica - COMO COMPOR UMA MÚSICA 3/4

Teoria Musical #003: Dica - COMO COMPOR UMA MÚSICA 3/4

Não se preocupe se não compôs a melodia completamente. Na maioria das vezes, a gente só capta mesmo é o tema. Esse é de suma importância que o detenhamos desde o princípio. É até possível que alguém tente fazer uma melodia sem um tema predefinido ou sem um tema algum. Asseguro que seria uma grande dor de cabeça para este. Não consigo imaginar essa possibilidade. O tema a maioria de nós o utiliza de forma intuitiva e não de forma consciente.

Definida a harmonia, passemos ao desenvolvimento da música propriamente dita. Não e preocupe agira com a letra. Ela é importante e um excelente guia para a escolha do ritmo e andamento da composição. Se já a tem, ótimo; senão, atenha-se na melodia que irá aos poucos nítida em sua mente enquanto vai tocando a seqüência harmônica. 

Se tiver com que ir gravando cada passo executado, é muito bom. Essas melodias surgentes costumam ser muito volátil. Foge muito rápido e rapidamente a perdemos.

Músicas alegres costumam "pedir" tons maiores e as tristes e melancólicas, tons menores. Não que nunca possamos inverter esse paradigma. É possível compor uma triste com tons maiores e alegres com toa menores, seria um trabalho muito rebuscado e poucos o conseguem desenvolver.

As músicas de louvor e adoração a Deus devem ser alegria e festivas, confirme nos instrui o salmista Davi no seu Salmo 150:1-2 ("Gritem de alegria a Adonai, todos os habitantes da terra! Sirvam a Adonai com alegria, entrem em sua presença com alegres cânticos." [BJC Sl 150:2-3]).
Em traduziria do hebraico assim 
"Cantem com exuberante alegria a Adonai, todos os moradores da terra!" Adonai é o termo geralmente utilizado para designar o Senhor Deus, na Bíblia.

Se já composta a música, formos compor uma letra, devemos ter o cuidado de acentuar as palavras corretamente, conforme a música. Evitar erro de prosódia, é um bom começo. Cada palavra deve ser cantada com a mesma acentuação que esta mesma palavra é falada. Se deslocarmos o acento para outra sílaba átona, além de ficar feio, pode deixar soar feio ou até como uma palavra maliciosa.

Evite palavras com acentos em "i" ou "u". Estas letras quando cantadas na sílaba forte da frase além de exigir mais ar e força para cantar, soam esquisito e não realça em nada a nota cantada. A frase poética geralmente tem dois ou três ou até quatro acentos frasais. No exemplo da música exemplo da lição anterior, tomemos o primeiro verso:
"Quando chego em casa e encontro..."
Temos aqui três acentos gradais. Vejamo-los em destaque colchetes:
"Quando [che]go em [ca]sa e en[con]tro..."
Veja que neste caso o Roberto Carlos fez o dever de casa bem certinho. Pode até ser que nem tenha nisto pensado, pois no refrão ele usa um "i" num desses acentos. Vejamos:
"Quado as cri[an]ças sa[ í ]rem de [fé]rias...
Cante os dois versos com a atenção voltada para o que acabei de relatar e a partir daí fuçará mais fácil detectar as demais. 

Toda música, com o sem refrão ou estribilho, ou ainda, coro, tem sempre uma mensagem que o autor quis tranmsitir. Vendi desse prisma, precisamos distribuir a mensagem nas estrofes da letra, partindo da primeira, fazendo nesta, uma boa abertura e terminando-a com um elo aberto a direcionar-se para a estrofe seguinte até fechar a mensagem no último verso da última estrofe.

Você pode, e isso é bom, terminar cada estrofe com um ar de suspense, concluindo apenas no final. Isso prenderá a atenção do ouvinte até o final. Uma letra que faz sua conclusão antes do final, perde o seu interesse a partir daí.

O refrão: é uma ferramenta muito importante e deve-se utilizá-lo com bastante maestria.  Nele devemos colocar a essência da mensagem que esperam que permanecer na cabeça dos ouvinte.

Se você usar uma levada mais leve nas estrofes, pode e deve mudar a dinâmica no refrão. Um artifício legal é explorar notas mais curtas que darão a idéia de acelerar o ritmo, embora se possa também combinar ritmos afins e alterná-lo entre as estrofes e o refrão.
De igual modo, se as notas das estrofes forem curtas, pode-se alongar as do refrão.

====================
Backvocal e vocal duo ou polifônico. Próxima aula.
Alelos Esmeraldinus
Enviado por Alelos Esmeraldinus em 20/05/2012
Reeditado em 06/07/2015
Código do texto: T3678586
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2012. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
Alelos Esmeraldinus
Gama - Distrito Federal - Brasil, 95 anos
3767 textos (172733 leituras)
206 áudios (13638 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/09/20 22:32)
Alelos Esmeraldinus