Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

SAGA DE SUZETE - (tautograma)

   
         Suzete,
         Solteira, sapeca,
         Seguidas semanas,
         Sacaneava...
         Sábado - sagrada saga,
         Sambava...
         Saciava-se!
         Seguia sonhando;
         Sagaz,
         Simulava salmos,
         Sabendo-se santificada;
         Será?

                  xxxxx

         EXCELENTES INTERAÇÕES:

         - Poetisa MARLI CALDEIRA MELRIS. Grata!

          Maria
          maravilhosa, mãe
          morada-morro
          marcada
          morreu maltratada
          moço mal
          meado- Maio
          massacrada
          maca maldita
          maníaco malhado
          marginal

                   xxxxx

          Poetisa JOSELITA ALVES LINS. Grata!

          Felício foi ficando fadigado,
          Forjou feridas, falou frases feias...
          Finalmente floresceu fascínio.
          Ficou fabuloso, feliz!
          Fez faculdade, fizeram-lhe festa fantástica...

                  xxxxx

          Poetisa CRISTINA GASPAR. Grata!

          'Sagaz,
          Suzete silenciosamente,
          sumia sob subterfúgios,
          sentava sobre Simplício, sôfrega,
          sibilante somente soluçava,
          Simplício suava suspirando'.

                   xxxxx

          Poeta ANTONIO LAURENTINO SOBRINHO. Grata!

          Suzete sempre solícita
          Solteira Suspirava Sozinha
          Sublime sorria saliente
          Sensacional sistematicamente sumia
          Satisfeita surpresa sobressaltada.

                    xxxxx

          Poeta TIAGO DUARTE. Grata!

          Sua singela saga,
          Suzete, show!
          Saudades!
     
                  xxxxx

          Poeta JUNIOR CAMPOS. Grata!

          Simplesmente sensacional!
          Sabeee..

                 xxxxx

          Poeta JÔ PESSANHA. Grata!

          Sensacional. Saudações.

                 xxxxx

          Poeta FRANCISCO ZEBRAL. Grata!

          Sonsa, sofrerá
          suas sandices
          soltas, sempre
          sobram sobre si.

              xxxxx

          Poetisa IOLANDA PINHEIRO. Grata!

          Suzete sabia ser soberana,
          sentir, sorrir, sambar, sonhar!

              xxxxx

          Poetisa DINAPOETISADAPAZ. Grata!
         
          Suzete,
          sirigaita sedutora,
          sempre sorrindo,
          sonhou, suplicou,
          soberbamente sensual,
          segredou sabotagem,
          sutilmente sumiu.
          Semeou sentimentos
          sádica solteirona,
          sofreu suicidio social.
Aila Brito
Enviado por Aila Brito em 21/07/2019
Reeditado em 14/08/2019
Código do texto: T6701179
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Aila Brito
Cocal - Piauí - Brasil
1539 textos (125713 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/10/19 03:17)
Aila Brito