Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ELOGIO AO CIGANO RIBAMAR





Quando me deparo, amigo Cigano
Com estes teus versos algo geniais,
Fico convencido que teus ancestrais,
Têm origem nobre e sei, não me engano.

Não falo aqui de rei ou semideus humano,
Ou da tal nobreza de tantos vestais,
Tampouco dos ricaços ou reles mortais,
Uns que deambulam  aqui neste plano.

Refiro-me a uma elite que deixou sua marca,
Falo de um Tolstói, de Alighieri, Petrarca,
Gente que gravou a letra sobre pedra.

Nobres qual Camões, qual Shakespeare, Homero.
Vultos como Proust ou Márquez, sou sincero.
És grande, Cigano Ribamar de Saavedra!







(Num encontro mágico com o Cigano Ribamar e a “Cigana Rosa”, saiu um soneto que está mais pra prosa.)






.
Stelo Queiroga
Enviado por Stelo Queiroga em 24/12/2019
Código do texto: T6825736
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Sobre o autor
Stelo Queiroga
João Pessoa - Paraíba - Brasil, 60 anos
1125 textos (59655 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/08/20 04:15)
Stelo Queiroga