Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Ergástulo Invisível

"Em contraposição à paz funérea/ Doía profundamente no meu crânio/ Esse funcionamento simultâneo/ De todos os conflitos da matéria". (Augusto dos Anjos)

Ergástulo Invisível

O mundo então tornou-se um sanatório
Repleto de dementes e maníacos
Visão cega! Catatonismo orgíaco!
Transcendência de autismo compulsório

A ignomínia tatil da hibridez
Dormita no ectoplasma ilusório
Oscilando entre o inferno e o purgatório
Sem chance factual de lucidez

Eu, tresloucada cárcere indefesa
Divago nesse hospício monstruoso
Atada a algema oculta a que estou presa

Após meu corpo vil cair por terra
Cadavérico inerte e lutuoso
Sepulto enfim, a atroz dor que alma encerra
(Edna Frigato)

*******************************************************

Interação do grande Poeta Fernando Cunha de Lima

Embora suas palavras sejam de humildade e gentileza,
seus versos refletem não só a intimidade que tens com o versejar, como também toda e a beleza deles.
A arte de sonetar é difícil. A arte de sonetar no improviso
é dificílima, e você fez isso com muita habilidade.
Obrigada por tua presença, por sua amabilidade!
Obrigada por essa interação Maravilhosa, Poeta Fernando
Cunha de Lima!



SEQUÊNCIA BOBA

Com o cérebro nas mãos sigo o destino,
Num inditoso sonho de cadeia,
Pelos cem pés de uma centopeia,
Vou tropeçando quanto pequenino.


O meu viver em pleno desatino,
Desliza pelo chão cheio de areia,
Brilhando ao fogo-fátuo da candeia,
Fraco fogo que eu mesmo determino.

Fico enjoado na sequência boba,
Vendo na existência oba-oba,
Apegar-me a vida com blástula.

Cada vez que me solto, mais me prendo,
Apesar disto eu nunca compreendo,
Por que viver assim nesta ergástula.
(Fernando Cunha de Lima)

Essa foi a única forma de aplaudir esta jovem, Graciosa e inteligente poeta, mesmo sabendo não tocar nem de longe a magnitude dos seu versos.
Fernando cunha lima. 21-03-2017.

**************************************************
Interação da grande Poetisa Ângela Faria de Paula Lima

ROMPENDO AS CADEIAS

Pois eu não imagino ser cadeia
A vida que nos prende a esse mundo
E com cuidado sigo o que é profundo:O amor e a dor que há na alma alheia

Pois ambos são motivos que nós temos
Desde quando chegamos embrião
Pra não fazer da vida uma prisão
Se a liberdade nós que a escolhemos

Prisioneiros nós somos do destino
Que, próprios, construímos para nós
Ao calarmos, dos sonhos, nossa voz

Devia eu viver em desatino
Imaginando a vida ser uma bolha?
Ou saber que é só questão de escolha?
(Ângela Faria de Paula Lima) em 21/03/2017

Poetisa Ângela Faria de Paula Lima: seu soneto ficou magnífico. Realmente uma tréplica de fôlego.
Gratidão por essa bela interação, que só veio a somar beleza.
Edna Frigato
Enviado por Edna Frigato em 21/03/2017
Reeditado em 17/02/2018
Código do texto: T5947308
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original e as obras derivadas sejam compartilhadas pela mesma licença.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Edna Frigato
São Paulo - São Paulo - Brasil
1050 textos (264406 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/02/18 10:44)
Edna Frigato