Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
A casa e suas janelas

Não me aponte o dedo,
nem acuse de solidão...
Minha poesia acorda cedo
e não a escrevo em vão...

Também moram neste meu chão
o Sol, a Lua e seus segredos...
Não me aponte o dedo,
nem acuse de solidão...

Estou aqui, não é degredo;
é muito mais uma missão.
Quero você neste enredo,
apronte o seu coração,
não me aponte o dedo...
 
Eligio Moura
Enviado por Eligio Moura em 08/03/2020
Código do texto: T6883628
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre o autor
Eligio Moura
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
1684 textos (44026 leituras)
140 áudios (1416 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/03/21 23:04)
Eligio Moura