Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A Última Grande Lição - O sentido da vida

Livro: A Última Grande Lição - O sentido da vida
Autor: Mitch Albom


É um livro  que encantou e encanta por sua maneira simples e emocionante de mostrar os fatos da vida com uma visão mais otimista e humana, retratando a história do professor Morrie Shwartz à beira da morte que reencontra um de seus alunos, Mitch Albom, com quem compartilha as quatorze últimas aulas que em vida lecionaria, pois Morrie estava com uma doença terminal que afetava o seu sistema nervoso, ELA (ESCLOROSE LATERAL AMIOTRÓPICA).
 Mitch  dedicava sua vida ao trabalho  como jornalista esportivo até que um dia enquanto assistia TV, viu Morrie sendo entrevistado pelo mais famoso entrevistador dos EUA. Ele dizia e retratava como era enfrentar sua doença (ELA) e com seu jeito  cativou  os telespectadores com seu carisma e humildade suportando uma doença que o matava dia pós dia limitando-o fisicamente. Ele sofria muito, dizia que chorava, se revoltava as vezes, mas não deixava o pessimismo fazer moradia em seus pensamentos como forma de pânico.
Mitch então decide procurar seu velho professor e foi amigavelmente recebido, conversaram muito e recordaram  o  passado e juntos decidem dar vida a este livro que denominam com a ultima Tese.  Mitch seria auxiliado com a sabedoria de seu professor, abordando  vários temas sobre a vida e não na área de sociologia como Morrie lecionara . Morrie lutava contra a morte a todo instante surpreendendo a todos com sua determinação em viver. Em seu leito, passou a receber inúmeras visitas , e com  desconcentração sempre doava sua sabedoria e ensinava outro jeito mais otimista de viver a vida e seu caso chamou a atenção da TV que acompanhou também sua história.
Assim Daria inicio a  seu curso de quatorze terças-feiras. Morrie alertava Mitch , dizendo  que as pessoas deveriam se abrir mais para o amor, sem medo. Doando-se mais e preocupando com os que vivem ao redor e não só com o próprio umbigo. Pois a seu ver  não havia nada mais importante e racional do que o amor, e  através dele que são construídas as maiores virtudes do ser humano.
 Sentia-se abençoado por ter tempo para se despedir antes de sua morte, chegando a fazer seu funeral em vida, pois acreditava que teria mais sentido e melhor oportunidade de retribuir o carinho e atenção das pessoas que o amavam e que ele amava , reuniu todos seus amigos e família recebeu as homenagens, disse tudo o que gostaria a eles, riu e chorou com todos .
             Essa lição fez Mitch repensar em todas as pessoas que passavam o dia lamentando de sua má sorte, e que muitas vezes não fazem nada para mudarem e só sabem reclamar. Diante dos problemas muitos perdem a lucidez, e o desespero passa a liderar suas emoções e suas ações, mas Morrie era mestre e driblar os pensamentos negativos pois não aceitava sua presença por muito tempo, buscava sempre o lado bom da vida e das coisas em vez de se perder na obscuridade do medo e das reclamações que nada acrescentavam.
Mitch havia decidido que queria gravar as conversas, desejava aproveitar cada segundo da sabedoria de Morrie.
 Morrie dizia se aproveitássemos cada dia como se fossem os últimos passaríamos a valorizar as coisas que realmente importam e que tem significado na vida de cada um. Sem a ganância e cobiça, nos dedicaríamos mais ao crescimento espiritual, pois se tirássemos o plano dinheiro da vida das pessoas, muitas perderiam o sentido da vida. Porque colocam o sopro da vida,  na vida material.
  Para ele, quando se aprende a morrer , aprender-se a viver e com esta visão  a vida passa a ter mais sentido e  mais resultados. Abrangemos nossos sentidos e valorizamos mais o dia a dia como as pessoas que o preenchem.  Morrie valorizava muito a  família, dizia que os amigos vem  e vão, mas saber que existe alguém próximo que sempre irá te amparar, dava uma segurança e vontade maior de viver.
Mitch  lembra de seu irmão, que se afastara há muito tempo. Morava na Espanha e contraíra um câncer, mas não aceitava a ajuda de ninguém de sua família, nem mesmo atendia os telefonemas. Isso fazia Mitch sofrer e refletir e que talvez por isso se apegava tanto a Morrie, porque ele permitia a aproximação que seu irmão negava.
Falaram sobre  envelhecer, medo que  atormenta as gerações atuais. Morrie acolhia o envelhecimento e o respeitava como mérito  de evolução, experiência e sabedoria e vivia cada momento ao seu tempo da melhor maneira possível.
            Sobre o dinheiro, comentou que  a nossa cultura fazia uma lavagem cerebral nas pessoas, induzindo-as ao  consumismo desmedido e a uma ambição descontrolada. Associando nossos valores ao que temos e não ao que somos.
            Trataram da permanência do amor, Morrie acreditava que não seria esquecido, porque procurou   plantar muito amor com todos ao seu redor, e colheria este sentimento verdadeiro  com as pessoas que cativou.
Sobre o casamento,  disse que as pessoas estavam demorando mais para se casar e e se separado muito rápido , não preservam mais a união e sim a individualidade. Para Morrie o casamento é uma experiência inestimável para alguém, e passou a dar mais  valor a isso, depois  que ficou doente e precisando dos cuidados e carinho de sua mulher. Que  não existem fórmulas para um casamento funcionar, que  os dois precisam no mínimo compartilhar os mesmos valores, principalmente a importância do casamento e no valor da união.
Falaram sobre perdão, e a principal lição era perdoar os outros antes de morrer e perdoar a si mesmo. Indagou  Morrie  o que seria um dia perfeito?
Ele disse: Que era  acordar, tomar café, receber uns amigos para conversar, passear pela natureza e dançar a noite toda.  Mitch achou muito simples seu dia perfeito , para alguém que estava prestes a morrer a qualquer momento, pensar daquele jeito. Mas Morrie mesmo com suas privações e cada dia mais  próximo da morte, não deixava de  enxergar a clareza o que realmente era importante na vida mesmo naquele momento.
A verdade é que em plena saúde muitas vezes não enxergamos a beleza das coisas, principalmente as coisas simples que acontecem o tempo todo em nossas vidas.
 Na última terça-feira os dois amigos se despediram. Ao final do encontro Mitch não conteve suas lágrimas, já sentia que seria a ultima vez que viria seu amigo professor em vida e finalmente o professor conseguiu o que tentava há anos: fazer Mitch chorar.
E numa manhã de sábado Morrie falecia, mas deixava no seu legado uma bela historia e um exemplo de vida. Havia entrado em coma dois dias antes e curiosamente no único momento em que ficou sozinho parou de respirar, parecia que ensaiava até seu ultimo suspiro ,antes de dizer adeus .
Se havia algo que Mitch  aprendera com seu velho professor, era que nunca é tarde demais, e que o amor era superior. Dias depois ligou para seu irmão e disse o quanto o amava e o queria em sua vida, mudou sua maneira ser e ver a vida.
Após ler esta obra me refiz para achar minha essência,  coloquei em negrito minhas principais lembranças e  agreguei a elas meus valores, aprendi como tantos e confirmei com Morrie o real sentido da Vida. Tantos lutam e nunca aprendem, são receitas e mais receitas de como viver a vida. E depois de ler este livro nos atentamos mais as coisas ao nosso redor, com um olhar mais clinico valorizando melhor os momentos e procurando também sermos melhores, isso aconteceu comigo e o convido a ler esta obra para que também possa expor também sua mudança que acontecerá...



Renato Rinpoche
Enviado por Renato Rinpoche em 01/05/2010
Reeditado em 11/05/2010
Código do texto: T2230829


Comentários

Sobre o autor
Renato Rinpoche
Vazante - Minas Gerais - Brasil, 42 anos
17 textos (2424 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/08/20 10:11)
Renato Rinpoche