Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto


 
Alice no País das Maravilhas (Alice In Wonderland, EUA, 2010 - DIsney) de Tim Burton por Giselle Sato




Não esperava nada convencional de Tim Burton,para ser sincera queria que ele me surpreendesse, como sempre fez em todos os seus filmes. E não saí nem um pouco decepcionada, assisti  a incrível jornada de uma Alice que cresceu e precisou descobrir sua verdadeira história para seguir em frente.

Neste  conto de fadas, a protagonista  para ter um final feliz, vai lutar para provar que faz por merecer. A adaptação tem momentos mágicos, efeitos lindos como convém à uma produção deste nível, e principalmente o toque irreverente do diretor. Nada é por acaso nas cenas de Tim, se observarmos atentamente Alice está repleta de questionamentos, sátiras e subterfúgios.

O filme começa mostrando um pouco da infância da menina Alice, atormentada por pesadelos vívidos, vivenciando questionáveis sonhos que mostram um mundo estranho, repleto de aventuras com seres fabulosos. Mas o pai de Alice é um negociante visionário, que segue seus impulsos no ramo das grandes viagens de navio, em busca de novas terras. Tão sonhador quanto a filha, ele nada vê de errado em ter imaginação e fantasias. Diferente de muitos os pais que  vivem reprimindo os pequenos, a menina partilha com o  pai uma normalidade condescendente, adiantada para a época.

Enfim somos apresentados à Alice Kingsleigh, uma jovem distraída em devaneios, viajando com a mãe em uma bela carruagem. De cara ganha a simpatia ao dizer não aos espartilhos, um ponto de ousadia comedida. Ou seja, a menina não é tão frágil quanto aparenta. Aos dezenove anos durante uma festa planejada, recebe uma proposta de casamento precoce e precisa se decidir:  aceitar  as obrigações da sociedade vitoriana,   nada condescendente com as mulheres ou compreender o que seus sonhos ocultam? Descobrir quem é a verdadeira Alice parece ser seu maior desafio.

Neste momento, a jovem vê um coelho vestido correndo pelos jardins, intui que o conhece  e põe em duvida sua sanidade, visto que tem uma tia completamente doida e teme terminar da mesma forma. Ela pensa, repensa e no final decide dar uma chance às suas dúvidas. O impulso de Alice em seguir o coelho,  a levará ao buraco e passagem para o mundo subterrâneo. É o inicio da grande aventura.
 
Afinal te uma fala que resume tudo:Você é completamente pirado. Mas, vou te contar um segredo. As melhores pessoas são assim…”

De Alice para o Chapeleiro Maluco.

Quando pensamos na  Alice no país das maravilhas original, de Lewis Carol, vem logo a imagem do chapeleiro, o gato e a rainha ordenando: - cortem-lhe a cabeça! – São frases, personagens imortais no imaginário e coração das crianças de todas as épocas. A Alice criança saiu-se bem com a vivacidade, imaginação e espontaneidade típica dos nove anos.

Mas Tim Burton mandou Alice de volta aos 19 anos para o país das maravilhas e lá ela reencontra o Coelho Branco e  a sábia lagarta Absolem,  que deixa que ela resolva se é ou não a verdadeira Alice. A menina Alice que há anos visitou o mundo encantado e é aguardada para livra-los do grande predador, o monstro Jaguarte. Cruel animal que a Rainha Vermelha usa para manter o povo submisso.

Os gêmeos Tweedledee e Tweedledum são uma graça, o Gato de Cheshire , o cão farejador e outros seres, fazem parte do elenco um tanto bizarro com a pitada sombria e imprevisível,  marca registrada de Tim Burton. Deixei para o final alguns personagens principais, que junto a Alice dão vida a esta incrível história.

O Chapeleiro Maluco (Johnny Depp), desta vez com imensos olhos amarelados e no tom perfeito, passando de questionador à irreverente sem cair no estereótipo de velhas performances com o  mesmo diretor. O Chapeleiro é divertido e impossível não rir das suas tiradas.

A malvada Rainha Vermelha (Helena Bonham Carter), cuja cabeça gigante por si só já garante as risadas. A corte da Rainha Vermelha é uma piada com a aristocracia, bajuladores cheios de horrendos apliques , escondem a aparência normal para não destoar da monarca. Vale ressaltar que Helena Bonham Carter está simplesmente fabulosa neste papel, sua rainha é ao mesmo tempo má, trágica e engraçada. Ela vem acompanhando o marido Tim Burton em suas obras, e só tem acrescentado por seu inegável talento.

A boa irmã da Rainha Vermelha, a Rainha Branca (Anne Hathaway), amada e sensível como toda nobre em apuros precisa ser. Anne  consegue dar à personagem, a sensação de uma figura etérea e sublime, mas é ofuscada pelo carisma de Helena.

Finalmente Alice, vivida por Mia Wasikowska, sua atuação nos faz pensar na responsabilidade de uma jovem atriz em encarnar um personagem tão importante na historia. O peso parece leve sob os ombros frágeis da mocinha, encantadora e exatamente como eu imaginei que seria Alice com mais idade.
Não podemos esquecer o figurino perfeito, contrastando com o cenário mágico, a maquiagem e os efeitos especiais.  Enfim uma produção que conta com o aval dos estúdios Disney, que garante qualidade e um grande espetáculo.
GiselleSato
Enviado por GiselleSato em 28/05/2010
Reeditado em 08/07/2010
Código do texto: T2285135
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre a autora
GiselleSato
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
615 textos (333846 leituras)
6 áudios (1987 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/09/20 11:23)
GiselleSato