Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto


                                     NOITES DE CABIRIA


                                     (Le Notti di Cabiria)







Ficha Técnica

Federico Fellini - Direção / Roteiro 
Dino de Laurentiis - Produtor 
Ennio Flaiano, Pier Paolo Pasolini - Roteiro 
Tullio Pinelli - Roteiro 
Otello Martelli, Aldo Tonti - Fotografia 
Nino Rota - Trilha sonora 
Leo Cattozzo - Editor  
Piero Gherardi - Direção de arte / Figurino 
Eligio Trani - Maquiagem



Prêmios

Oscar® (1957): 
Vencedor de Melhor Filme Estrangeiro 
 
Cannes (1957): 
Vencedor de Melhor Atriz (Giulietta Masina)  
 
David di Donatello Awards (1957) 
Vencedor de Melhor Produção



Sinopse: Giulietta Masina interpreta Cabíria, uma prostituta que ganha a vida nas ruas de Roma em meados anos 50. 
Ingênua, ela sonha com o amor perfeito e acredita na bondade das pessoas. Por isso, sofre constantemente desilusões. 
Em suas andanças pela noite romana, ela se envolve com um astro de cinema em crise conjugal e, também, com um contador, que parece amá-la de verdade.






                                           ANÁLISE

        (TODOS OS ELEMENTOS DO ENREDO SÃO INTERPRETADOS)




Fellini é um caso de amor. E amar, dizia o poeta, se aprende amando.

A experiência de suas obras passa, principalmente, pela sensibilidade intrínseca à natureza de cada um e grau de contato com nosso mundo interno, isto é, o quanto nos conhecemos. Sem isso, não há diálogo com uma obra do mestre italiano.

Outra coisa: é claro que o conhecimento (histórico, cultural, social) pode trazer ferramentas de compreensão.

Entretanto, que ninguém se iluda. Se Fellini não tocou sua alma nem se instalou ali de forma visceral, não será pelo raciocínio que fará o caminho inverso porque nem todo o conhecimento do mundo é capaz de despertar a paixão.

Federico Fellini dizia ser diretor de só um filme. Na verdade isso pode ser melhor compreendido com sua definição sobre o que é fazer um filme: tentar recuperar um fio (do sentido) que se perdeu. E para contar esta história, uma viagem, no sentido simbólico, aparece em todas as suas obras como a representação da existência.

Se "Noites de Cabíria" é a história de uma prostituta, não creio que minha interpretação seja a mais adequada porque passa longe de se prender a isto.

O figurino e o gestual de Cabíria lembram muitas coisas. Entre elas, o personagem imortalizado de Chaplin. Assim como poderia sugerir, em alguns momentos, os movimentos de um fantoche, uma boneca de pano, uma figura circense. Algo que se adapta, molda e em outros momentos, se desloca para trazer uma ternura delicada e algumas vezes, desastrada, à personagem.

Vejo Cabíria como o arquétipo da resistência. Por outro lado, também, da "re-existência" ("resistir" poderia soar aos nossos ouvidos com o sentido de "voltar a existir").

A viagem, ou seja, a jornada de Cabíria, retratada por Fellini para retomar o tal fio do sentido, se inicia com a personagem vítima de uma desilusão amorosa e da violência. Ela é roubada e sobrevive a uma tentativa de afogamento.

A água, um dos elementos da natureza, quase a "engole", mas ela escapa. Essa água poderia representar a própria vida e o imponderável. Quantos golpes podem nos levar a naufragar ou reagir?

Cabíria volta para casa e se dá conta que poderia ter morrido. Neste exato instante, uma daquelas cenas fellinianas ilustram o sentido aparentemente perdido: a mulher pega uma galinha no colo e a afaga. O animal poderia ser melhor compreendido simbolicamente como o sentido da preservação. O instinto e a marca do sobrevivente.

No instante seguinte, volta para a sua vida. Recomeça.

Cabíria também é raiva e tristeza. Não pelo milagre pedido e que não acontece, mas porque entende que as pessoas à sua volta perdiam um tempo precioso de suas existências a esperar por isso. E talvez, o único "milagre" possível fosse prosseguir. Superar. E ela tenta. Recomeça.

Existe uma inteligência (intuitiva e instintiva) que se conecta à fibra demonstrada pela personagem. Por mais que ela se depare com o desengano, sua ligação com a vida é mais forte que seus infortúnios. Uma espécie de doçura que se preserva mesmo diante do amargo desespero.

Todo o filme é um eterno recomeço. Por isso, Cabíria "re-existe". A personagem representaria a possibilidade destas "novas existências".

E o fim é o mais intenso de todos os seus recomeços. Por um momento, jogada ao chão, sem casa, dinheiro e amor. A pele de seu rosto está colada à terra, outro elemento da natureza que simboliza a força de onde brota e floresce a vida.

Cabíria se levanta. A terra a "devolve para a vida" assim como a água no início. Nada conseguiu roubar de Cabíria a única coisa que poderia realmente ter acabado com ela: sua (doce) ligação com a vida.

Então é possível esboçar um sorriso diante das pessoas que cantam e se divertem na estrada. E, mais uma vez, recomeçar.

Afinal, qual o sentido da vida? A arte de Fellini é um deles.



(*) IMAGEM: Google

http://www.dolcevita.prosaeverso.net
Dolce Vita
Enviado por Dolce Vita em 04/12/2009
Reeditado em 19/08/2010
Código do texto: T1960073
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2009. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre a autora
Dolce Vita
São Paulo - São Paulo - Brasil
1206 textos (275765 leituras)
338 áudios (55149 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 01/10/20 14:08)
Dolce Vita

Site do Escritor