Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

"REPETECOS"

"MAGIRUS"

"CHATO I"

Oi mãe, doeu meu pescoço,
Ô filho é vontade no almoço.
Ô mãe, tremeu meu coração,
Oi filho isto é apenas paixão.

Ô mãe, me sobrou só o osso,
Roa meu filho, isto é almoço.
Ô mãe, o osso tem gosto não,
Coma filho, isto com fé é pão.

Ô mãe, secou água do poço,
Pegue no rio faça um esforço.
Mamãe, no rio tem água não,
Vá à merda moleque, cagão.


“CHATO ISTO II”


Tem cinco mulheres loucas
Tem sete mulheres peladas,
As sete doidas tiram a roupa
Cinco veste a roupa tiradas,
Logo ficam cinco de toucas,
Mas sete estão desnudadas.
Então chegam doze valetes,
É uma tropa inteira fardada
Sete dos tais se desnudam,
E atracam nas sete peladas
Os dez ficam chupando dedo
Naquela burrice desmiolada,
E foi aí que as cinco doidas
Surpreenderam a rapaziada,
E também tiraram as roupas
Mostrando uma xana raspada.
Se este Brasil é país tropical
Gasto em roupa é quase nada,
Em qualquer beira de córrego,
Tem inhame e frutas sobradas.
Então porque toda a ganância,
Desta raça toda desregulada,
Se o bom na vida é fazer sexo
Com a barriga bem recheada,
Não explica o político safado
Estar roubando a pátria amada,
Podendo viver com tão pouco,
Ele guarda toda riqueza roubada,
Causando tristeza à uma nação
E quando morre, não leva nada?



"CHATO III"

Incitatus foi cônsul
Com ponto e vírgula
Descende de bucefalo
Mas era de Caligula.

Bucéfalo era cavalo
Alexandre é grande,
O cavalo inteligente
O domínio expande.

E dominou o mundo
Alexandre encéfalo.
E anormal por certo
Namorava bucéfalo.

E bucéfalo bocejou,
Alexandre exclama,
Tragam-me bucéfalo
Coloquem na cama.

Eu não sei se bebeu,
Ou fez por capricho,
Deitou-se ó, peladão,
Entre coxas do bicho.

Outro dia cedinho
Que caso enrolado,
Morrera Alexandre
Ele fora estuprado.

Morreu com febre,
Os dentes tricados
Prender Bucéfalo
Veio vinte soldados.

Culparam bucéfalo
E pisou no seu calo,
Como me defender?
Sou apenas cavalo.

E mataram o heroi,
Por crime nojento,
Mas se era culpado?
Só em pensamento.

Culpa foi do escravo,
E era o maior bitelão.
Exagerou na pintada
E ferrou o seu patrão.



 

 
Trovador das Alterosas
Enviado por Trovador das Alterosas em 12/11/2019
Reeditado em 17/11/2019
Código do texto: T6793313
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Trovador das Alterosas
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil
2555 textos (109503 leituras)
23 áudios (2518 audições)
2 e-livros (545 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/19 11:22)
Trovador das Alterosas