Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DENÚNCIA À VIOLÊNCIA À VIDA: GUERRA, FOME, EXTERMÍNIO DE POPULAÇÕES


“Vós sabeis que os chefes das nações as oprimem e os grandes as tiranizam! Mas entre vós, não deve ser assim: quem quiser ser grande, seja vosso servo; e quem quiser ser o primeiro, seja o escravo de todos. Porque o Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida como resgate para muitos!”
Mc (10, 32-45)

Conheça hábitos incomuns de onze gênios da humanidade
Curiosidades revelam hábitos incomuns de onze pensadores, como Einstein e Agatha Christie
CB Correio Braziliense
postado em 20/12/2017 16:05 / atualizado em 20/12/2017 16:16
 Einstein e outros vários nomes importantes na ciência, literatura e música têm hábitos estranhos revelados(foto: Internet/Reprodução)
Einstein e outros vários nomes importantes na ciência, literatura e música têm hábitos estranhos revelados
(foto: Internet/Reprodução)
 
Todos temos manias ou hábitos, mas o que não sabemos é que até os maiores gênios da história compartilham desse tipo de particularidade. O jornalista Greg Evans, do portal Indy 100, fez uma seleção de fatos que revelam hábitos bem incomuns entre pensadores como Einstein, Jane Austen, Da Vinci, Agatha Christie e sete outros nomes.

 
1. Leonardo Da Vinci

Segundo a reportagem, o cientista e pintor Leonardo Da Vinci, conhecido por obras como Mona Lisa e A última ceia, não gostava de dormir.

Durante o período do renascentismo, era comum o seguir o chamado ciclo polifásico do sono, em que noites de sono são substituídas por curtos cochilos de 30 minutos a cada seis ou quatro horas do dia.

Continua depois da publicidade

Assim como o colega inventor Thomas Edison, Da Vinci seguia o método de sono polifásico. O costume pode explicar a grande quantidade de produções dos dois para a ciência e para as artes.

2. Nikola Tesla

Nikola Tesla foi criador de diversos inventos da engenharia mecânica e elétrica e também apresentava costumes estranhos para dormir. Ele preferia ter apenas duas horas de sono por dia.

Além do hábito de dormir muito pouco, Tesla curvava os dedos do pé 100 vezes antes de deitar, porque acreditava que isso estimulava as células cerebrais. Outro fato inusitado era de que ele gostava da companhia de pombos e odiava joias.

3. Agatha Christie

Escritora, Agatha Christie (Um crime no expresso do oriente e Morte no Nilo) não trabalhou em escritórios ou sequer em escrivaninhas.

Ela trabalhava onde sentia vontade, como na mesa da cozinha ou em um quarto de hotel. Hoje, com tablets e notebooks, isso pode não parecer tão estranho, mas Christie utilizava máquinas de escrever para produzir suas histórias. Muitas vezes, ela começava a escrever antes mesmo de delimitar uma trama.

4. Albert Einstein

Como muitos já sabem, Einstein era um jovem cheio de excentricidades e se tornou um cientista com manias peculiares. Quando criança, ele teve dificuldade para, com muita luta, aprender a conversar.
 
Isso não foi problema para ele, que acredita que a lentidão no desenvolvimento o permitiu contemplar questões ainda mais importantes na vida. O cientista atribui a essa característica pessoal o mérito da criação da teoria da relatividade.

Os cabelos, que deixou crescer conforme envelhecia, eram justificados como uma forma de evitar barbeiros. Ele também não usava meias por julgá-las uma peça de roupa desnecessária e já teria comido, segundo o motorista, um gafanhoto vivo.

5. Ludwig van Beethoven

Músico e compositor, o alemão Beethoven utilizou métodos nada convencionais para escrever músicas. Relatórios revelam que ele andava em círculos pelo próprio quarto em busca de inspiração para compor e que só conseguia iniciar o processo criativo quando jogava sobre si mesmo uma bácia de água.

6. Pitágoras

Pitágoras é um dos fundadores do vegetarianismo e, apesar de muito respeitar o estilo de vida, sua alimentação eliminava feijões e legumes.

Continua depois da publicidade

Além de não comer nenhum desses alimentos, ele impedia seus seguidores e aprendizes de comê-los ou sequer tocá-los. Não se sabe se a decisão do matemático e filósofo tinha ou não a ver com questões de saúde.

7. Friederich Nietzsche

Considerado até hoje um dos filósofos europeus mais importantes, Nietzsche teria feito todos os seus trabalhos publicados de pé e, aqueles que não fez, censurou.

O costume de escrever de pé também agradava nomes como Virginia Woolf e Lewis Carroll.

8. Jane Austen

Jane Austen, escritora do livro que inspirou o premiado longa homônimo Orgulho e preconceito, não gostava que dessem uma "olhadinha" no trabalho dela antes de finalizado.

Austen sempre se certificava de que a porta estivesse fechada e, intencionalmente, que ela chiasse caso alguém entrasse no quarto onde trabalhava.

9. Charles Dickens

O romancista e novelista Charles Dickens escreveu trabalhos que são referência até hoje na literatura. Segundo relatórios, Dickens tinha obsessão com os próprio cabelos.

O escritor odiava ter qualquer fio de cabelo fora do lugar e penteava o cabelo inúmeras vezes ao longo do dia.

Ele também ditava suas histórias a um assistente, além de rever várias vezes a mesma frase. O hábito foi especulado por especialistas como uma possível forma de transtorno obsessivo compulsivo.
 
Se você gosta de uma mesa de estudos organizada, pode se identificar com Dickens. Ele gostava que o espaço em que estudava tivesse um pequeno vaso de flores, um papel grande, uma faca, uma folha dourada com um coelho apoiado sobre ela e estatuetas de bronze de dois sapos gordos.

10. Igor Stravinsky

Igor Stravinsky, um famoso compositor da Rússia, ficava de ponta-cabeça por 15 minutos todos os dias. Aparentemente, ele fazia isso para "limpar a mente".

11. Honoré de Balzac

O novelista francês Honoré de Balzac teria hábitos estranhos quando o assunto era café.

Ele teria o hábito de beber cerca de 50 xícaras de café diariamente, o que configura um consumo extremamente perigoso de cafeína.
 
Certa vez, o novelista afirmou ter trabalho 48 horas seguidas, com apenas três horas de descanso, provavelmente, com auxílio da bebida.
________________

MONSTROS E GÊNIOS: AS 10 PESSOAS MAIS INFLUENTES DA HISTÓRIA
Sem eles, para bem e mal, o mundo não seria como conhecemos

Jesus, Hitler, Marx e Einstein: mudar pode ser para pior Foto:Arquivo AH
https://aventurasnahistoria.uol.com.br/orinoco/media/images/large/2016/12/16/10-pessoas-que-mudaram-o-mundo.png

https://aventurasnahistoria.uol.com.br/noticias/personagem/monstros-e-genios-as-10-pessoas-mais-influentes-da-historia.phtml
_________________

Ciência
Como a vida de Nicolau Copérnico pode inspirar a sua
access_time7 abr 2017, 19h58
 
Ciência
Como a vida de Galileu pode inspirar a sua
access_time7 abr 2017, 19h56
 
Ciência
Como a vida de Darwin pode inspirar a sua
access_time7 abr 2017, 19h52
 
Ciência
Como a vida de Wegener pode inspirar a sua
access_time7 abr 2017, 19h49
 
Ciência
Como a vida de Edwin Hubble pode inspirar a sua
access_time7 abr 2017, 19h44

 
Ciência
Como a vida de Leonardo da Vinci pode inspirar a sua
access_time7 abr 2017, 19h42
 
Ciência
Como a vida de Kepler pode inspirar a sua
access_time7 abr 2017, 19h38
 
Ciência
Como a vida de Sigmund Freud pode inspirar a sua
access_time7 abr 2017, 19h29
 
Ciência
Como a vida de Santos-Dumont pode inspirar a sua
access_time7 abr 2017, 19h23
 
Ciência
Como a vida de George Gamow pode inspirar a sua

_________

Conheça 13 dos líderes e ditadores mais mortais da história

https://noticias.bol.uol.com.br/bol-listas/conheca-13-dos-lideres-e-ditadores-mais-mortais-da-historia.htm

28/05/201816h00 Comunicar erro 19 Colaboração para o BOL Líderes sem noção sempre existiram, mas alguns deles abusam do poder e se acham no direito de eliminar vidas, sej... - Veja mais em https://noticias.bol.uol.com.br/bol-listas/conheca-13-dos-lideres-e-ditadores-mais-mortais-da-historia.htm?cmpid=copiaecola
________________
10 homens de paz que mudaram o mundo
Pessoas más são fáceis de achar. Por outro lado, o bem já é mais complicado de se destacar. Mas são das pessoas boas que temos que falar; é delas que temos que nos lembrar, para renovarmos nossas esperanças na busca pela paz mundial. Confira essa lista com 10 pessoas que pregaram o amor e a paz pelo mundo:

10 – Baha’u’llah


De acordo com a religião Bahá’í, Bahá’u’lláh nasceu em 1817, e era um membro de uma das famílias nobres da Pérsia, que podia traçar sua linhagem até as dinastias reinantes do passado imperial. Recusando a posição em tribunal que ofereceram-lhe, Bahá’u’lláh tornou-se conhecido por sua generosidade e bondade que tinha para com seus compatriotas.

Sua posição privilegiada não sobreviveu por muito tempo após seu anúncio de que apoiava a mensagem de Báb.
Envolvido nas ondas de violência desencadeadas sobre os babis após a execução de Báb, Bahá’u’lláh sofreu não só a perda de todos os seus dons mundanos, mas foi submetido a torturas, prisão e uma série de banimentos. A primeira foi para Bagdá, onde, em 1863, anunciou ser “o prometido” pelo Báb. De Bagdá, Bahá’u’lláh foi enviado para Constantinopla, Adrianópolis e, finalmente, para o Acre, na Terra Santa, onde chegou como um prisioneiro, em 1868.

De Adrianópolis, e depois do Acre, Bahá’u’lláh dirigiu uma série de cartas para os governantes de sua época, que estão entre os documentos mais notáveis da história religiosa. Elas proclamavam a iminente unificação da humanidade, e a emergência de uma civilização mundial. Os reis, imperadores e presidentes do século XIX foram chamados para reconciliar suas diferenças, reduzir seus armamentos e dedicar suas energias para o estabelecimento da paz universal.

Bahá’u’lláh faleceu em Bahjí, ao norte do Acre, e está enterrado lá. Seus ensinamentos já haviam começado a se espalhar para além dos confins do Oriente Médio, e o seu santuário é hoje o ponto focal da comunidade construída por esses ensinamentos.

9 – Benjamin Franklin


Benjamin Franklin nasceu em Boston, Massachusetts, em 17 de janeiro de 1706. Ele frequentou a escola secundária aos oito anos, mas foi colocado para trabalhar com 10. Aos 12, publicou anonimamente um artigo no New England Courant. Benjamin era um leitor ávido, questionador e cético. Através de seus artigos satíricos, ele zombou o povo de Boston. Fugiu para Nova York e depois para a Filadélfia, com 16 anos, à procura de trabalho. Sempre através do trabalho árduo e frugalidade, ele se estabeleceu na Filadélfia, em 1732, como publicador. Foi nomeado secretário da Assembleia da Pensilvânia em 1736, e como chefe dos correios no ano seguinte. Em 1741, começou a publicação Poor Richard’s Almanac, uma revista muito popular e influente.

Franklin foi eleito para a Assembleia da Pensilvânia em 1751, e serviu como um agente para a Pensilvânia (e em última análise, por três outras colônias) para a Inglaterra, França e várias outras potências europeias.

Foi eleito para o Congresso Continental em 1775, onde desempenhou um papel crucial na rebelião contra a Grã-Bretanha, incluindo a edição da Declaração de Independência. Franklin, a essa altura rico e aposentado, continuou a desempenhar um papel importante no governo, tanto local como nacional. Ele foi o primeiro chefe geral dos correios dos Estados Unidos, Ministro para a corte francesa, agente e signatário do Tratado de Paz com a Grã-Bretanha, etc. Ativista, empresário, escritor, editor, cientista, diplomata, legislador, Franklin foi um dos defensores mais antigos da abolição da escravatura e proteção dos direitos dos povos indígenas americanos. Ele morreu em 17 de abril de 1790.

8 – Sócrates


Conhecido como o fundador do método socrático de questionamento, Sócrates foi um famoso filósofo social e judicial. Através de seus diálogos, seus argumentos magistrais e seu método lógico de combater os seus adversários verbalmente, ele ganhou uma reputação no governo da Grécia.

Nascido escultor e assistente de alvenaria em Atenas, ele seguiu o caminho de seu pai por vários anos antes de se dedicar ao aperfeiçoamento do seu próprio ser intelectual. Ele tinha interesse nos grandes filósofos da época, incluindo Platão e Xenofonte. Platão usou a voz de Sócrates como o narrador de suas obras várias vezes, mostrando que a argumentação lógica poderia desarmar qualquer adversário.

Sócrates dizia ouvir vozes que lhe contavam sobre o seu comportamento moral, e que o avisavam se ele não cumprisse os seus próprios padrões elevados de verdade e justiça. Ele também concluiu que as pessoas mais sábias da Grécia não eram tão sábias quanto ele, porque Sócrates afirmou que viu a sua própria ignorância. Aquele que percebe que é ignorante se torna o mais sábio de todos.

Muitos atenienses pensavam que Sócrates estava poluindo a mente dos jovens da cidade. Acusaram-no de colocar as ideias em suas cabeças, contrárias aos objetivos do governo ateniense. Um argumento, gravado em Apologia, dá um excelente exemplo do processo argumentativo de Sócrates, onde ele mostra que, como o governo não tem poder sobre a juventude da cidade, eles não podem ser presos por sua corrupção. Este estilo de questionamento começa com um questionamento regular e continua até a lógica chegar a um ponto definitivo e conclusivo. Sua fama, vida, filosofia e lógica lhe renderam muitos elogios, e ele ainda é considerado a base das filosofias que se espalharam depois dele.

7 – Martin Luther King Jr


Martin Luther King, Jr. nasceu em 15 de janeiro de 1929, na casa de sua família em Atlanta, Geórgia. King era um pastor batista e líder do movimento pelos direitos civis nos Estados Unidos. Ele promoveu meios não violentos para alcançar a reforma dos direitos civis e foi agraciado com o Prêmio Nobel da Paz em 1964 por seus esforços.

Martin se formou em teologia em 1951, e ganhou seu diploma em filosofia da Universidade de Boston em 1955. Enquanto no seminário, tornou-se familiarizado com a filosofia de Mohandas Gandhi (chamado de Mahatma Gandhi) de protesto social pacífico. Em uma viagem para a Índia em 1959, Martin reuniu-se com seguidores de Gandhi. Durante essas discussões, ele tornou-se mais convencido do que nunca de que a resistência pacífica era a arma mais potente disponível para as pessoas oprimidas em sua luta pela liberdade.

Como pastor de uma igreja batista em Montgomery, Alabama, King liderou um boicote a ônibus. Ele e noventa outras pessoas foram presas e indiciadas sob as disposições de uma lei que torna ilegal conspirar para obstruir o funcionamento de um negócio. King e vários outros foram condenados, mas recorreram. Conforme o boicote aos ônibus se arrastava, Martin ganhava uma reputação nacional. O sucesso do boicote aos ônibus de Montgomery o tornou um herói nacional.

A Carta de King de 1963 da Prisão de Birmingham inspirou um crescente movimento nacional de direitos civis. Em Birmingham, o objetivo era acabar completamente com o sistema de segregação em todos os aspectos da vida pública (lojas, bebedouros separados para negros, etc) e na discriminação no trabalho. Também em 1963, King liderou uma marcha em Washington DC, onde fez seu famoso discurso, “I Have A Dream” (“Eu tenho um sonho”). As táticas de King de não violência (marchas, protestos) o colocaram na agenda nacional pelos direitos civis.

Em 4 de abril de 1968, King foi baleado por James Earl Ray na varanda do Motel Lorraine, em Memphis, Tennessee. Ele tinha apenas 39 anos e estava ajudando em uma campanha nacional para os pobres na época de seu assassinato.

6 – Dalai Lama


De acordo com seu site, o 14º Dalai Lama, Tenzin Gyatso, é tanto chefe de estado quanto líder espiritual do Tibete. Ele nasceu em 6 de julho de 1935, em uma família de agricultores, em uma pequena aldeia localizada em Taktser, Amdo, Tibete. Aos dois anos de idade, foi nomeado Lhamo Dhondup e reconhecido como a reencarnação do 13º Dalai Lama, Thubten Gyatso. Os Dalai Lamas são considerados manifestações de Avalokiteshvara ou Chenrezig, o Bodhisattva da Compaixão e santo patrono do Tibete. Bodhisattvas são seres iluminados que adiaram o seu próprio nirvana e escolherem renascer para servir à humanidade.

5 – Nelson Mandela


Nelson Mandela nasceu em uma vila pequena sul africana. Ele foi a primeira pessoa em sua família a receber uma educação ocidental, e estudou Direito. Mandela tornou-se um advogado em Joanesburgo, defendendo negros sul-africanos contra o tratamento cada vez mais injusto do governo. Uma figura-chave do Congresso Nacional
Africano, partido político que procurou unir todos os africanos e recuperar seus direitos e liberdade, ele participou de boicotes, protestos organizados, mobilizou seu povo e, por sua vez, foi marcado um inimigo do Estado: foi acusado de traição, banido de envolvimento político, expulso e condenado a prisão perpétua.

O encarceramento de Mandela chamou a atenção internacional para as injustiças raciais do governo sul-africano. Mandela serviu 27 anos na prisão, antes de sua libertação em 1990, com a idade de 72. Ele foi eleito o primeiro Presidente negro da África do Sul em 1994. Embora tenha se aposentado da vida política em 1999, Mandela continua a emprestar sua voz para as questões que afetam seu país e o mundo em geral, tais como a epidemia de AIDS, a pobreza e os direitos humanos. Ele também foi decisivo para a conquista da África do Sul como sede da Copa do Mundo de Futebol de 2010.

Nelson Mandela é um dos maiores e mais admirados líderes políticos do mundo. Ele foi agraciado com inúmeros prêmios, incluindo o Prêmio Nobel da Paz, pois é um brilhante exemplo da incrível força do espírito humano.

4 – Mohandas Gandhi


Nascido Mohandas Karamchand Gandhi, em 2 de outubro de 1869, em Porbandar, Kathiawar, Índia, Gandhi estudou Direito em Londres, e em 1893 foi para a África do Sul, onde passou 20 anos se opondo à legislação discriminatória contra os indianos. Como um pioneiro da Satyagraha, ou resistência pacífica, ele se tornou um dos principais líderes políticos e espirituais de seu tempo. Satyagraha continua sendo uma das filosofias mais potentes na luta pela paz em todo o mundo hoje.

Em 1914, Gandhi retornou à Índia, onde apoiou movimentos e tornou-se líder do Congresso Nacional Indiano, defendendo uma política de não violência para conseguir a independência. Seu objetivo era ajudar os agricultores pobres e trabalhadores a protestar contra a tributação opressiva e discriminação. Ele esforçou-se para aliviar a pobreza e pôr fim à discriminação de casta.

Depois de sua campanha de desobediência civil (1919-1922), ele foi preso por conspiração (1922-4). Em 1930, ele liderou uma marcha para o mar para coletar sal em um desafio simbólico ao monopólio do governo. Em sua libertação da prisão (1931), ele participou da Conferência de Londres sobre a reforma constitucional indiana. Em 1946, ele negociou com Inglaterra recomendando a nova estrutura constitucional. Após a independência da Índia (1947), ele tentou parar o conflito hindu-muçulmano em Bengala, uma política que levou ao seu assassinato em Nova Déli, por Nathuram Godse, um fanático hindu.

Gandhi ficou conhecido como Mahatma Gandhi (Mahatma significa “Grande Alma”). Mesmo após sua morte, o compromisso de Gandhi a não violência e sua crença em uma vida simples são muito difundidos: ele fazia suas próprias roupas, tinha uma dieta vegetariana e fazia jejuns e autopurificação. Sua forma de protesto tem sido um farol de esperança para oprimidos e marginalizados em todo o mundo.

3 – Sidarta Gautama


Por volta de 500 a 400 a.C., Sidarta Gautama nasceu em uma família real. Quando ele era um jovem adulto, suas experiências com o mundo exterior o levaram a buscar uma maior compreensão da vida e da realização espiritual. Através da busca de orientação e meditação, Sidarta disse ter atingido a iluminação. A partir desse ponto, ele ficou conhecido como Buda, que significa “Iluminado”.

Pelo resto de sua vida, Buda viajou grandes distâncias, ensinando as pessoas sobre um caminho para a salvação. Após sua morte, seus discípulos continuaram a espalhar seus ensinamentos. O Budismo se desenvolveu numa época em que o hinduísmo, a religião mais difundida na Índia, tornou-se controlada por sacerdotes e classes superiores.o Budismo ofereceu esperança e acesso a compreensão espiritual e satisfação para as pessoas comuns. Em todo o mundo hoje, muitos ainda seguem os ensinamentos de Buda.

2 – Confúcio


Mestre Kong Qiu, como traduz seu nome chinês, viveu entre 551-479 a.C., e continua sendo o filósofo mais importante na história do Oriente. Ele defendia princípios importantes de ética e política, numa época em que os gregos estavam defendendo as mesmas coisas. Nós pensamos que a democracia é uma invenção grega, uma ideia ocidental, mas Confúcio escreveu que “o melhor governo é aquele que governa através dos ritos e da moralidade das pessoas naturais, em vez de usar o suborno e a coação”. Isso pode parecer óbvio para nós hoje, mas ele escreveu isso entre 500 a 400 anos a.C. É o mesmo princípio da democracia que os gregos defenderam e desenvolveram: a moral do povo está no comando, portanto governa pelo povo.
Confúcio defendeu a ideia de um imperador, mas também defendeu as limitações ao poder do imperador. O imperador deve ser honesto, e seus súditos devem respeitá-lo, mas ele deve também merecer esse respeito. Se ele comete um erro, seus súditos devem oferecer sugestões para corrigi-lo, e ele deve considerá-las. Qualquer governante que agir contrário a esses princípios é um tirano, e, portanto, um ladrão mais do que um governante.

Confúcio também criou sua própria versão independente da Regra de Ouro, que já existia há pelo menos um século na Grécia antes dele. Seu fraseado era quase idêntico, mas ia além: “O que não se deseja para si mesmo, não devemos fazer a mais ninguém, e o que se reconhece como desejável para si mesmo, devemos estar dispostos a conceder aos outros”. A primeira afirmação é negativa, e constitui um desejo passivo de não prejudicar os outros. A segunda declaração é muito mais importante, constituindo um ativo desejo de ajudar os outros. O único outro filósofo da antiguidade a defender a Regra de Ouro na forma positiva foi Jesus Cristo.

1 – Jesus Cristo


Jesus Cristo teve um impacto muito mais abrangente do que qualquer outro membro desta lista, pois tem mais adeptos no mundo do que qualquer outro grupo religioso. Jesus de Nazaré é a figura do fundador do cristianismo, que nasceu na Europa e se espalhou para boa parte do mundo. Como a maior religião ainda hoje, não há dúvida de que impacta a sociedade.

As principais fontes de informação sobre a vida de Jesus e seus ensinamentos são os quatro evangelhos canônicos. A maioria dos estudiosos críticos nas áreas de história e estudos bíblicos acredita que os textos antigos sobre a vida de Jesus são, pelo menos parcialmente, precisos. Esses textos concordam que Jesus era um judeu da Galiléia, considerado um mestre e curador. Eles também costumam aceitar que Jesus foi batizado por João Batista, e foi crucificado em Jerusalém por ordem do prefeito romano da Judéia Pôncio Pilatos, sob a acusação de sedição contra o Império Romano. Muitos sabem quais foram as palavras de Jesus. Curiosamente, o homem mais pacífico desta lista também disse: “Não penseis que vim trazer paz sobre a terra: Eu não vim trazer paz, mas espada” [São Mateus 10:34].[Listverse]

_____________________

Ciência
Como a vida de Nicolau Copérnico pode inspirar a sua
access_time7 abr 2017, 19h58
 
Ciência
Como a vida de Galileu pode inspirar a sua
access_time7 abr 2017, 19h56
 
Ciência
Como a vida de Darwin pode inspirar a sua
access_time7 abr 2017, 19h52
 
Ciência
Como a vida de Wegener pode inspirar a sua
access_time7 abr 2017, 19h49
 
Ciência
Como a vida de Edwin Hubble pode inspirar a sua
access_time7 abr 2017, 19h44

 
Ciência
Como a vida de Leonardo da Vinci pode inspirar a sua
access_time7 abr 2017, 19h42
 
Ciência
Como a vida de Kepler pode inspirar a sua
access_time7 abr 2017, 19h38
 
Ciência
Como a vida de Sigmund Freud pode inspirar a sua
access_time7 abr 2017, 19h29
 
Ciência
Como a vida de Santos-Dumont pode inspirar a sua
access_time7 abr 2017, 19h23
 
Ciência
Como a vida de George Gamow pode inspirar a sua

https://seuhistory.com/noticias/excentricidades-de-5-dos-maiores-genios-da-humanidade

_______________
J B Pereira, https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/diversao-e-arte/2017/12/20/interna_diversao_arte e 649066/habitos-dos-genios.shtml
Enviado por J B Pereira em 29/05/2018
Reeditado em 29/05/2018
Código do texto: T6349665
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
J B Pereira
Piracicaba - São Paulo - Brasil
2269 textos (1188649 leituras)
14 e-livros (84 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/09/19 09:38)
J B Pereira