Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A Taça ou Lulu Do Segredo Proibido

O copo quadrado de vidro já não servia. Precisava de mais!
Lembrou-se do armário onde os pais guardavam as taças de cristal, eram tantas que uma á mais ou a menos passaria despercebida. Esticou-se, fracassou e pegou a cadeira, a ultima da mesa, que sempre estava vazia e quando não havia jantares ou visitas tinha seu papel trocado com o da prateleira onde ficavam os panos de prato.
Lulu pegou o esquecível móvel e o apoiou contra o armário. Tremeu. Vai que a mãe ou a avó entravam de surpresa na cozinha e a flagrava naquela estranha pose? "Dane-se", pensou. Elas também tinham seus segredos. Abriu o armário. Diante da nem-tão-garota-nem-tão-mulher, toda a sorte de taças, recipientes para vinho, champanhe, uísque e outros esquece-problemas. Procurou a que precisava e lá a achou, escondida entre tantas demais. Pegou-a. Inspecionou: longa, fina, afunilada. Fechou as portas do armário e desceu, escondendo seu pequeno furto por dentro do robe rosa enquanto punha a cadeira de volta ao seu lugar.
Precisava de um teste, nada adiantaria preparar-se para descobrir na hora que o mais importante era defeituoso, não serviria em nada para a missão na qual Lulu lhe confiara.
Foi para seu quarto, fechou a porta, apagou a luz e encostou a taça na parede. Bingo! Do outro lado, o som do programa de variedades sintonizado na TV da avó. Funciona! Inventou alguma desculpa e foi para os fundos da casa. Todas as janelas fechadas, nenhum risco. Pegou um banco, se acomodou e fechou os olhos, os ouvidos pressionados contra o cristal frio. Não tardou á separar o barulho da rua e dos carros que passavam dos seus velhos conhecidos ruídos: brocas, alguns martelos, a mangueira, uma ou outra reclamação... A paciente da vez era mulher, tinha quebrado o implante. Ocorrência normal, se não tivesse ocorrido á três semanas atrás. Dr. Rúbio teria trabalho. Uma pequena bronca. Limpeza. Todos os sons amados por Lulu.
Aqui deve-se uma observação: Lulu, ou melhor, Maria Luisa (poucos á chamavam pelo nome) nutria sentimento algum por seu vizinho. O maior contato que tinha, e desejava, eram as vezes em que o encontrava na calçada, ela indo para a faculdade, ele voltando para o turno da noite. Mas a escuta --essa sim!- era o princípio da existência desta jovem. Tinha poucos interesses, amigos menos ainda. Porém fervia vida, vida e vontade, só não sabia do quê. Um dia lhe bateu a curiosidade de como deveria ser o cotidiano do vizinho-dentista. Á anos não ia á um, tinha como ultima lembrança estar na sala de espera com seu pai, lendo alguma revista, enquanto ouvia a música de abertura da então novela atual.
Hoje ela ainda ouvia a música da novela, pelo copo. Pela TV do outro. "Se quisessem tirar-me os sentidos, deixem-me com a audição, ou morro!" repetia para si mesma. Com o tempo, abandonou de vez os outros passatempos e afazeres, á ponto de faltar ás aulas, para dedicar-se á seu áudio-voyerismo descabido e desenfreado. Decorou o nome de cada um dos pacientes, de todos os aparelhos e o som emitido por cada um. Pelos sons descobria qual o procedimento que estava sendo feito. Poderia até mudar seu curso para odontologia, se não tivesse trancado a faculdade dois meses atrás. Os pais nada falaram, nem tomaram conhecimento. Mudaram-se á quinze dias. Lulu não quis ir, como assim perder sua única diversão? Insistiram, insistiram, e desistiram. Ela já estava com vinte e três anos. Ficou só.
As plantas invadiram todo o quintal, a água da torneira cheirava mais que o Tietê em tempos ruins. Esquecia de comer, lembrando quando os ruídos do estômago superavam os do copo. Preparava algo rápido, geralmente hortaliças do jardim, pois não tinha dinheiro para o mercado, não trabalhava, e voltava para seu lugar, para a taça, á cada dia mais brilhante e transparente.
Naquele manhã ouviu apenas um barulho: um homem caindo. Minto, houve outros, respirações ofegantes que logo cessaram, algum passos desesperados, ligações, sirenes de ambulância e polícia. Depois o silêncio. Lulu levantou-se, guardou a taça na gaveta, seu antigo esconderijo, e ligou para os pais. Depois caiu.
Desidratação, anemia, várias foram as causas da morte. Duas semanas após o enterro, voltaram á casa. Cimentado o quintal, foi a vez de guardar os pertences e levá-los á alguma venda. Depois, fazer igual a casa ao lado, agora ostentando uma enorme placa de ALUGA-SE. O pai abriu a gaveta, estranhou a presença daquele objeto, á tantos desaparecido. Mostrou-o á esposa e á sogra. Ambos fizeram um sinal positivo, e o meteram na caixa reservada para o que seria jogado fora. Sobre a mente deles, várias hipóteses para o uso daquela taça. Nenhuma era a correta.
Paloma Medeiros
Enviado por Paloma Medeiros em 10/10/2019
Código do texto: T6766127
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Paloma Medeiros
São Bernardo do Campo - São Paulo - Brasil
6 textos (6616 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 12/11/19 09:53)
Paloma Medeiros