Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Outono

Descansava à toa, sentado no banco da praça
Admirando uma folha seca, do formato de um familiar não sei dizer
Enquanto deixava-me levar por inquietantes divagações
Inutilidades fundamentais ao momento
A quem encanta o outono?
Esse oportuno intruso
Nem tão vivo quanto o verão
Nem tão belo quanto a primavera
Nem tão acolhedor quanto o inverno
Talvez faltasse a vitalidade dos intrépidos aventureiros
Ou o frenesi dos casais apaixonados
Ou ainda a leveza das encantadoras pinturas naturais
De repente, como em uma súbita e sublime rajada de vento
O questionamento cedeu a contemplação
E então percebi, enfim percebi
Talvez faltem só olhos atentos
E assim, imerso nessa plenitude
Me dei conta que o outono era minha estação favorita
Apenas por ser indispensável
E inconfundível
Como uma poesia à toa no banco de uma praça
Ricardo Milek
Enviado por Ricardo Milek em 08/11/2019
Código do texto: T6790293
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Ricardo Milek
Castro - Paraná - Brasil, 19 anos
4 textos (146 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 13/11/19 22:32)
Ricardo Milek