Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
E Ponto e Vírgula
 
A melhor carne é a passada. O melhor vento é o ameno. O mais cálido tem cheiro de rosas.

O mais perfeito mora no coração. O mais enfeitado é a árvore de Natal. O mais odiado não mora aqui.

O que mais fala é o orador. O que manda ainda é o mensageiro. O que morena é o sol. O que acende é a luz.

O maior desbravador é o mais tímido e altivo. O que mais dói é a partida. O que nos aconchega é o amor. O amor tem duas faces. A do lado de lá e a do lado de cá. A do lado de lá fala com os outros. A de cá fala com nosso coração.

Nada é perfeito. Nada é imperfeito.Tudo depende do lugar em que você está sentado. Se está do lado de lá, você vê uma coisa. Se está do lado de cá, vê outra - que não seja de carmim.

Mas vê. E se vê chora. E se chora, comove.

A melhor comida é a do rei. O rei não faz feira. A rainha não cozinha. O príncipe manda na princesa. A princesa não ama o príncipe. O breu quando bate escurece, quando dissipa mostra os estragos da noite.

Se você quer perfeição bateu na porta errada. Se quer imperfeição, se aconchegue.

Se quer se salvar agarre uma boia. Se quer afundar, titanique-se. Se quer falar alto, fale pras paredes. Se quer ouvir, se apronte e aconchegue aos ouvidos sábios.

Mas não perca a voz por emoção, nem catalize a dor por suspensão. Se quer viver, abra a porta e deixe o sol entrar. Se quer morrer é fácil. Feche a porta e soleire os raios com pano preto.

Se quiser falar, estou ouvindo. Se não quiser, espero apenas seu telefonema. Que seja curto e muito rápido, porque depressa morremos todos.

A melhor maneira é a quieta. O melhor amor é o que está ao nosso lado. E ponto e vírgula. Eu ainda estou vivo e não sei explicar.

Se você vai morrer, não sei; nada tenho a ver com coisas divinas. Nem santo sou. Não sou dono de nada.

Tenho uma venda, passo pão e vendo balas pras crianças. Dou comida pros cachorros perdidos das ruas e choro ao ver uma flor.

Esse sou eu. Muito rápido, pronto pra minguar, disposto a rir. Esse sou eu e não me perguntem mais nada porque de nada sei, nada vi.

Sou plantador de rosas e também choro quando uma flor desvanece. E ponto e vírgula. Um abraço apertado do Zé da venda - comércio de aguardente limitado. E também vendo rosas de plásticos.

E que todos passem bem. Todo mundo tem uma hora. Eu tenho duas e várias vidas. Cinco mulheres e um amor.

Todas se foram. Fiquei eu. E ponto e vírgula. A melhor hora é agora, a saber, é a mais saborosa da vida.

E não chorem por mim. Chorem por minhas palavras. E descansarei feliz. E ponto e vírgula.

A vez da pinga agora é minha.
José Kappel
Enviado por José Kappel em 11/07/2019
Reeditado em 11/07/2019
Código do texto: T6693684
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
José Kappel
Nova Friburgo - Rio de Janeiro - Brasil
2350 textos (30858 leituras)
1 e-livros (149 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/19 16:41)
José Kappel

Site do Escritor