Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A morte do pardal

            Eu o vi, na sua alegria ingênua e simples, a saltitar em plena rua, buscando alimento para si e, talvez, para seus filhinhos.
Nada o demovia do seu intento. Nem mesmo aquele automóvel que se aproximava celeremente, pois, familiarizara-se com essa espécie de máquina que aos milhares cortam diariamente as ruas das cidades grandes.
             Continuava o irrequieto pardal a colher, ansiosamente, os grãos de alimento em derredor a si, aguardando maior aproximação do carro para só então alçar vôo...
            Desta vez, porém, seus cálculos falharam; suas retinas um pouco cansadas, talvez, o traíram e daí a fração de segundo aquilo que instantes atrás era um pardal cheio de vida, de sol, de liberdade, não passava de um punhadinho de carne pontilhada de pequeninos ossos, coberto de penas e esmagado sobre o paralelepípedo!...
Pobre pardal!... Estranho e triste fim o seu! Morrer assim, tão rudemente!...
            Você que poderia jazer em paz sobre as relvas acetinadas das campinas, tendo por manto o azul infinito do céu; e para ungir-lhe, a lágrima pura e santa que sobre você cairia, em forma de orvalho, dos olhos negros, grandes e tranqüilos da noite...
            Você que teve para beber as águas frias e cristalinas dos regatos!... Para comer, os frutos frescos e maduros que lhe oferecia a natureza!... Para movimentar-se, o espaço livre, sem fronteiras nem horizontes!...
            Você, cujo destino eu invejaria, resolveu descer, viver das migalhas caídas sobre o asfalto!... Beber, furtivamente, a água poluída e quente que rola nas sarjetas ou nos quintais!... Viver cercado de incompreensões, odiado e duramente perseguido e castigado pelos meninos de rua, que não podem, jamais, compreender seu grande drama...
            Finalmente, eis o destino que você mesmo escolheu: morrer massacrado ante a indiferença e a estupidez humanas...!
Pobre pardal!!!...



Novembro de 1963.
Antonio Lycério Pompeo de Barros
Enviado por Antonio Lycério Pompeo de Barros em 30/11/2008
Código do texto: T1311106
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre o autor
Antonio Lycério Pompeo de Barros
Brasília - Distrito Federal - Brasil, 98 anos
177 textos (6728 leituras)
22 áudios (290 audições)
32 e-livros (1568 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/03/21 22:57)
Antonio Lycério Pompeo de Barros