Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Divagações

Folhas secas, rolando pelo chão quente de agosto!... Desnudas árvores, apenas cobertas pela poeira vermelha dos caminhos!... Forte cheiro das queimadas, em meio a densas nuvens negras, prenunciadoras das primeiras chuvas de setembro!...Tristes e longínquos ensaios das cigarras, saudando a primavera que se avizinha!... Tudo enfim, me angustia e entristece, pois que injeta em minh’alma estranhos desejos de fuga, caminhadas sem objetivo nenhum, sem procuras nem encontros definidos!...
Contudo e a despeito de tudo que muito me sensibiliza e instabiliza emocionalmente, não é de infelicidade o meu estado psicológico. É de tristeza, tão somente. Uma grande e funda tristeza que me vai envolvendo mais e mais... Tristeza nascida da felicidade de quem entende e ama a natureza, o bastante para poder avaliar seus sofrimentos nestes dias terríveis de inverno.
Sempre me considerei imensamente feliz, sem excluir, jamais, do contexto desta felicidade que proclamo, a solidão e a tristeza, minhas companheiras de longa data. Sou um solitário congênito, um triste ocasional, um feliz convicto. Podem os desenganos, as decepções, a dor ou a incompreensão, arranhar e até ferir fundamente essa felicidade, mas destruí-la ou matá-la nunca, pois que a curo com minha fé e amor inquebrantáveis...
Busco, nas profundezas do mais distante passado, o embrião dessa felicidade e o encontro numa infância livre, solta pelos caminhos de minha cidade natal, sem as ameaças, a brutalidade, a insegurança e o desamor, que pairam sobre a infância dos nossos dias. E, assim cresci, acreditando nos valores positivos da vida, na liberdade, na justiça, no amor que constrói e engrandece a existência humana. Eram meus os bosques sombrios e acolhedores; os campos verdes e floridos a se perderem na distância, tomados de sol ou faiscantes de pirilampos; os rios de águas puras e cristalinas, onde eu pescava e banhava efusivamente, o corpo cansado de tanta felicidade; as matas centenárias, impregnadas dos cantos da passarada e que me ofereciam, a mancheias, os mais variados e saborosos frutos; o céu, imenso, de vastos horizontes, quase sempre azul, lindo nos dias de chuva molhando a plantação e enchendo os rios, ou nos dias de sol, clareando a terra e azulejando os montes distantes, sem se falar nas noites em que a lua cheia surgia, por entre um bilhão de cintilantes estrelas, a instilar no coração e na alma da gente aquela sensação gostosa de paz e amor, que ela tão bem sabe nos transmitir.
Assim se forjou e se alicerçou minha infância, sobre a pureza, o amor e o belo!... Infância rica de imaginação e criatividade, que me tornou artífice dos meus próprios brinquedos, cuja matéria prima ia buscar no seio exuberante e virgem da natureza.
Quando, aos quatorze anos, experimentei a dura e sofrida realidade do adolescente órfão, menos difícil me foi o amadurecimento precoce, que a nova situação me impunha, pois que trazia em mim uma alma inteira, forte, repleta de amor, de fé e de crenças, sem haver conhecido, jamais, as dilacerações provocadas pela desconfiança, pela incerteza e pelo medo. E, fui à luta, meio-menino, meio-homem, estudando e trabalhando, sem esmorecimentos ou descrença. Serviu-me essa fase de lutas e sofrimentos para que eu melhor  me aquilatasse do valor extraordinário de minha mãe, incansável nos seus afazeres, insuperável na sua dedicação e grandeza de alma, - pronta para me sacudir e empurrar para frente, naqueles momentos em que o tédio e o cansaço se debruçavam sobre mim. Mãe, hoje octogenária que encarna em si, na sua simplicidade cativante, a grandeza que só as almas puras e cheias de fé e amor soem ter! Assim, fui um adolescente feliz, pois que, a par da ampliação dos meus valores intelectuais, mantive intactos, os meus princípios morais e espirituais forjados na infância.
Feliz me considero também, pelo moço que fui, meio-cantor, meio-poeta, estudando e lutando por um lugar ao sol...
Feliz, por haver trocado, aos vinte anos, os sonhos e as fantasias de moço, que o tempo e a luta não permitiram fossem muitos, pela realidade, facilmente assimilada do casamento, que nos propiciou, a mim e a minha mulher a formação e estruturação de uma família extraordinária, da qual muito nos orgulhamos.
Feliz, pelo que acredito ser nos meus cinqüenta e oito anos: um homem plenamente realizado, sem problemas, inimigos, temores ou remorsos; que olha a vida de frente, sem nada para esconder ou algo de que possa se envergonhar. Um homem que lutou, firme corajosamente, e sofreu também e muito, como é natural, sem permitir, contudo, que o sofrimento e a dureza da luta empanassem, jamais o seu amor sem fronteiras nem limitações. Amor que tem o destino da brisa que acaricia a folhagem ou balança as roseiras; que desconhece fronteiras, porque é horizonte, é céu, é mar... Amor que se extravasa e se derrama por toda parte. Calmo, como a paz que vem das montanhas ou das águas paradas... impetuoso, como a fúria dos ventos ou a correnteza dos rios cachoeirentos...
Um homem simples, eu sou. Sem grandes ambições, coerente com o seu passado e suas origens, que não se perdeu nunca, nem se mascarou, jamais. Um homem sem amarguras, ressentimentos ou recalques, que traz consigo a certeza do dever cumprido e aquela tranqüilidade dos que “ deram o seu recado” e disseram “por que vieram”.
Se me vissem agora, sozinho e pensativo, a rabiscar estas linhas, divisando os horizontes nublados, sem sol e sem brisa nestes dias de inverno, dir-se-ia que estou triste e eu afirmaria que sim, profundamente triste, porém, feliz por estar aqui, vivo, cheio de esperanças e alguns sonhos ainda, a registrar emocionado o que me vai n’alma e no coração... Triste, apenas triste, por estar aqui, parado, preso ao chão, como as cordilheiras ou as montanhas, quando prefiro o destino dos rios e dos ventos...




Agosto de 1980.
Antonio Lycério Pompeo de Barros
Enviado por Antonio Lycério Pompeo de Barros em 28/11/2008
Código do texto: T1307685
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre o autor
Antonio Lycério Pompeo de Barros
Brasília - Distrito Federal - Brasil, 98 anos
177 textos (6728 leituras)
22 áudios (290 audições)
32 e-livros (1568 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/03/21 13:40)
Antonio Lycério Pompeo de Barros