Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Empunhar aquele ódio
fotografado no fundo da pupila
Suar feito suíno ou
como animal encurralado
Enjaulado.

Pobre fera sem espaço.
Com o pulmão apertado no peito.
O peito em afar condenado 
à asfixia,
à servidão.
E, sem oxigênio.

Suas fantasias  pareciam
mais coloridas
E a tontura e o abismo
se avizinham,
se irmanam e 
nos empurrar para infinito.
Reticente e misterioso.

Morrer é infinitivo.
Morrer é definitivo
Ainda ontem morreu
um sentimento em mim
E sua cruz é a cicatriz
do gemido tardio,
sob o cheiro de jasmim,
do ganir em silêncio,
em purgar a lepra
e a hemoptise.

Sangram minhas narinas.
Sangram os pés.
Sangram as mágoas esquecidas
e arquivadas na memória
requentada
do cair da tarde.

Sangram as paredes testemunhas
oculares de
tragédis intersticias.
Cúmplices documentam
em suas manchas o
retrato do cotidiano.

Morremos todos os dias.
Com menos sol.
Com menos alegria.
Com as parcas certezas e
muitas agonias.

Nos apegamos a muita coisa
simples e que escorrem feito
arreia fina.
Como tempo na ampuleta
que jaz sobre a mesa da sala.
Jaz em contundências.
GiseleLeite
Enviado por GiseleLeite em 25/10/2019
Reeditado em 25/10/2019
Código do texto: T6779251
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
GiseleLeite
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
2126 textos (3932264 leituras)
35 áudios (5162 audições)
25 e-livros (151949 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/19 16:39)
GiseleLeite

Site do Escritor