Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Perdemo-nos

1.
Peso das mãos que
moldam       o meu
      corpo de argila

enquanto transito
e sei-me
        transitório
        abaixo das palmeiras
        abaixo
              da tarde:

profundo à História,

meu sorriso   parco


2.
Soledade
é uma palavra
que pronuncio
            muito
                    diante do espelho
                    que não   me guarda
                    por inteiro,

exceto o momento
                esvaído
                         do contexto
                         apodrecido:

                         um dia dois
                         morrera
                            enquanto
                            busquei
                            significado
                                      nos homens
                                      que negam
a necessidade

    do próximo


3.
O orgulho    é ainda
                  uma chaga obscura
                  na boca
                             aberta    do corpo


4.
Caminho entre a escassez
da alegria
             e este afastar
             sem fronteiras

que nem
         as estrelas

                       entendem


5.
Cortaram as mãos
das memórias      numa ciranda
                          de baionetas
                          oxidadas;

e uma gota   inundara
de culpa
            toda
            a minha alma

e manchara as roseiras
                      públicas

que o outono
        decerto
               há

               de nos levar


6.
Minha culpa, minha prece,
                   minha fé,
                   minha escuridão,
minha busca,

                   meu Silêncio


7.
Esbarro-me num
trabalhador-terrestre:

          acima de tudo,
meu
semelhante

                 – olhar exausto,
                   corpo exausto:

mãos de quem lutara
         não para viver,
         mas         para

                        sobreviver

e no fim receber
um salário     de fome
                    – que não basta

                       que nunca bastará

comparado
       com o tempo

               esvaído


8.
Meu irmão de pais
distintos,      se ao menos
                   pudesse eu
                   lhe
                       presentear
                       com alguma
                              centelha
                              de esperança,

mas ainda
não descobri
o que
quero ser
         amanhã
               quando acordar
               para o dia
                              igual

ainda não descobri
como     me salvar

               Peço-lhe perdão
               por não
                        ter o dom
                        de aplacar
as nossas

      dores


9.
Certeza de Virgílio
               no meu íntimo
               de    lágrimas:

Sed fugit interea
fugit irreparabile
             tempus


10.
Soledad, Madre,
Piedad;
          Soledad, Padre,
          Piedad;
                    Soledad, Jesucristo,
                    Piedad;
                              Soledad, Dios, Piedad:

horizonte            distante,
desencanto
                       constante

*
*

Perdemo-nos,

perdemo-nos
                   há muito

*
*
*

A urgência da vida
                nos roubara
                a empatia

                e a
                    companhia
Allan Kenayt
Enviado por Allan Kenayt em 17/10/2019
Código do texto: T6772353
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Allan Kenayt
Cuiabá - Mato Grosso - Brasil, 24 anos
51 textos (406 leituras)
6 áudios (71 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/11/19 13:02)
Allan Kenayt