Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Perdemo-nos

1.
Peso das mãos que
moldam       o meu
      corpo de argila

enquanto transito
e sei-me
        transitório
        abaixo das palmeiras
        abaixo
              da tarde:

profundo à História,

meu sorriso   parco


2.
Soledade
é uma palavra
que pronuncio
            muito
                    diante do espelho
                    que não   me guarda
                    por inteiro,

exceto o momento
                esvaído
                         do contexto
                         apodrecido:

                         um dia dois
                         morrera
                            enquanto
                            busquei
                            significado
                                      nos homens
                                      que negam
a necessidade

    do próximo


3.
O orgulho    é ainda
                  uma chaga obscura
                  na boca
                             aberta    do corpo


4.
Caminho entre a escassez
da alegria
             e este afastar
             sem fronteiras

que nem
         as estrelas

                       entendem


5.
Cortaram as mãos
das memórias      numa ciranda
                          de baionetas
                          oxidadas;

e uma gota   inundara
de culpa
            toda
            a minha alma

e manchara as roseiras
                      públicas

que o outono
        decerto
               há

               de nos levar


6.
Minha culpa, minha prece,
                   minha fé,
                   minha escuridão,
minha busca,

                   meu Silêncio


7.
Esbarro-me num
trabalhador-terrestre:

          acima de tudo,
meu
semelhante

                 – olhar exausto,
                   corpo exausto:

mãos de quem lutara
         não para viver,
         mas         para

                        sobreviver

e no fim receber
um salário     de fome
                    – que não basta

                       que nunca bastará

comparado
       com o tempo

               esvaído


8.
Meu irmão de pais
distintos,      se ao menos
                   pudesse eu
                   lhe
                       presentear
                       com alguma
                              centelha
                              de esperança,

mas ainda
não descobri
o que
quero ser
         amanhã
               quando acordar
               para o dia
                              igual

ainda não descobri
como     me salvar

               Peço-lhe perdão
               por não
                        ter o dom
                        de aplacar
as nossas

      dores


9.
Certeza de Virgílio
               no meu íntimo
               de    lágrimas:

Sed fugit interea
fugit irreparabile
             tempus


10.
Soledad, Madre,
Piedad;
          Soledad, Padre,
          Piedad;
                    Soledad, Jesucristo,
                    Piedad;
                              Soledad, Dios, Piedad:

horizonte            distante,
desencanto
                       constante

*
*

Perdemo-nos,

perdemo-nos
                   há muito

*
*
*

A urgência da vida
                nos roubara
                a empatia

                e a
                    companhia
Allan Kenayt
Enviado por Allan Kenayt em 17/10/2019
Código do texto: T6772353
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre o autor
Allan Kenayt
Cuiabá - Mato Grosso - Brasil, 24 anos
68 textos (565 leituras)
8 áudios (142 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/08/20 13:44)
Allan Kenayt