Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

RADIOUVINTE

RADIOUVINTE

Que saudade dos meus tempos de radiouvinte,
numa caixa acústica incandescente pelas válvulas,
captava-se a voz do locutor e dos reclames,
que patrocinavam a apresentação dos artistas.

Ouvia-se o clamar do patrocínio repetido,
que se tornavam reclames, de viva voz,
pois não havia o recurso da gravação.
Era cômica a locução de tantas propagandas.

Quem não se lembra dos reclames:
“Maria sai da lata que na lata tem barata!”
“Já tomou seu Toddy hoje?”
Entre tantas outras que se tornaram antológica.

E as novelas de então, dramalhões apresentados,
ao vivo, sob contrarregra perfeito, imitando:
chuva, trovão, relâmpago, campainha, tiro,
vento, passos, porta batendo, vidro quebrando.

Era preciso licença tal qual radioamador.
Só desligávamos no horário do Brasil,
sobre o prefixo da Opera o Guarany,
herança Getulina dos idos da ditadura.

 Chico Luz
CHICO LUZ
Enviado por CHICO LUZ em 21/08/2019
Código do texto: T6725591
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
CHICO LUZ
São Paulo - São Paulo - Brasil, 74 anos
782 textos (14015 leituras)
2 e-livros (16 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/10/19 03:28)
CHICO LUZ

Site do Escritor