Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Sensações

O que, por ser considerado um sacrilégio
É um tatear cego por falta de cerne
E a escura matéria que de mim emerge
E faz sentir teus olhos sobre mim,
Um privilégio! Não nego.

Ai de mim que tuas duas safiras flutuam
Criando um fogo que consome meu ser
Na magia de um querer ou não querer
Na moldura deste pedaço da lua
Que imagino ser

Olho-te no tempo como se não estivesse
Na vastidão do meu sentido de existir
De viver um amor desde seu alicerce
E ver este amor na morte transgredir

És as cores que refletem teu espirito
E de repente no teu ventre me aconchego
Se és doçuras na vastidão deste infinito
Também é a dor que na solidão eu me vejo

Saio do corpo como um espirito vagante
Daqui diante entro em um mundo de sonhos
Restam a mim vestígios de um mundo mundano
E meu ectoplasma é de um parecer medonho

Ainda quero sentir a tua mão aveludada
Que suavemente enfraquece
O meu coração
Porque acho que ela fotalece
O éter da m'alma
Senão for pelo sim será pelo não.
alexandre montalvan
Enviado por alexandre montalvan em 27/05/2020
Reeditado em 27/05/2020
Código do texto: T6959761
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
alexandre montalvan
São Paulo - São Paulo - Brasil
690 textos (30540 leituras)
302 áudios (8344 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/09/20 13:59)
alexandre montalvan