Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Poema bobinho

Poema bobinho.
 maria da graça  almeida

Os dias passam depressa,
as noites  espalham negror,
na madrugada funesta,
despediu-se meu amor.
Tudo ficou tão sem graça,
da vida, esvaiu-se a cor,
os canteiros lá da praça
desbotaram, não têm flor.
O pinho emudeceu,
a nota desafinou,
o dia adormeceu,
o mundo já se acabou.

Tempo... tempo...tempo,
hora, tarde, noite e dia,
a dor, por um momento,
vestiu nova fantasia...

Tudo começa a ter graça,
a alegria sublima as cores,
as floreiras lá da praça
parecem-me cheias de flores.
Os dias desfilam sorrindo,
as noites espalham rumores,
o amor que me vem surgindo
substituiu velhas dores.
O pinho soltou sua  voz,
as notas mudaram de tom,
o afeto não é um algoz,
amar de novo é bom!

maria da graça almeida
Enviado por maria da graça almeida em 14/10/2010
Reeditado em 15/04/2014
Código do texto: T2555870
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre a autora
maria da graça almeida
São Paulo - São Paulo - Brasil
249 textos (17696 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 14/12/19 12:22)
maria da graça almeida