Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Poema bobinho

Poema bobinho.
 maria da graça  almeida

Os dias passam depressa,
as noites  espalham negror,
na madrugada funesta,
despediu-se meu amor.
Tudo ficou tão sem graça,
da vida, esvaiu-se a cor,
os canteiros lá da praça
desbotaram, não têm flor.
O pinho emudeceu,
a nota desafinou,
o dia adormeceu,
o mundo já se acabou.

Tempo... tempo...tempo,
hora, tarde, noite e dia,
a dor, por um momento,
vestiu nova fantasia...

Tudo começa a ter graça,
a alegria sublima as cores,
as floreiras lá da praça
parecem-me cheias de flores.
Os dias desfilam sorrindo,
as noites espalham rumores,
o amor que me vem surgindo
substituiu velhas dores.
O pinho soltou sua  voz,
as notas mudaram de tom,
o afeto não é um algoz,
amar de novo é bom!

maria da graça almeida
Enviado por maria da graça almeida em 14/10/2010
Reeditado em 15/04/2014
Código do texto: T2555870
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre a autora
maria da graça almeida
São Paulo - São Paulo - Brasil
249 textos (18905 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/09/20 14:04)
maria da graça almeida